logoSign upLog in
Nutricionista Claudia Silvestre

Nutricionista Claudia Silvestre

To Médicos e profissionais da área da saúde13/07/2015

Os maiores perigos das modas dietéticas é por serem dietas desbalanceadas, sem nenhum fundamento científico para sua adoção, pobres em nutrientes. E os resultados são sintomas como fraqueza, irritabilidade, tontura, dor de cabeça, alopecia, unhas fracas, desmaio. Além de reduzir o metabolismo basal, que é o processo que transforma os nutrientes e outras substâncias químicas em energia para manter o corpo funcionando, ou seja, as funções vitais, como respirar, circulação sanguinea, batimentos cardíacos, manter a temperatura corporal... O total de energia gasto por uma pessoa ao dia gira em torno de 60% a 70%. Então, quanto menor a ingestão calórica diária, menor será o metabolismo, pois o organismo vai interpretar essa situação como uma ameaça. A depressão do metabolismo basal com dietas sem orientação leva o organismo a reagir com mecanismos de preservação de calorias e a conseqüência é a dificuldade de se perder gordura corporal. Cerca de 10% a 12% do consumo de energia total são utilizados no gasto termogênico dos alimentos, ou seja, a cota que o corpo precisa de energia da mastigação até a absorção pelo organismo. Quanto maior o tempo entre as refeições, mais lento fica o metabolismo, pois ele diminui para poupar energia. E quando há um jejum prolongado, o corpo procura obter a energia que precisa consumindo o seu próprio tecido muscular (catabolismo). É por este motivo também, após uma dieta restritiva ocorre a flacidez. A maioria dessas dietas da moda leva realmente a uma perda de peso rápida, o que parece ser vantajoso para quem deseja resultados imediatos. Entretanto, assim que interrompidas, 70% das pessoas voltam a engordar, por vezes superando o peso anterior, porque durante a dieta, sinais de alerta são emitidos para o organismo, avisando que o alimento está escasso e ativando os genes poupadores. Esses genes são os responsáveis pelo rápido ganho de peso após um período de dietas severas, quando uma pessoa volta a seus hábitos normais, ocasionando o chamado "efeito sanfona". Essa ativação irá resultar em um maior acúmulo de energia, em forma de gordura. O que fazer então? Reeducação alimentar - comer de tudo sem passar fome e sem abrir mão do prazer. Para eliminar peso de forma segura e com bons resultados a longo prazo a dieta deve ser equilibrada do ponto de vista nutricional e as calorias oferecidas devem ser adequadas a necessidade individual e aos objetivos de cada pessoa, caso contrário o programa de emagrecimento será um verdadeiro fracasso. Pare de fazer dietas, procure um nutricionista e reeduque-se. Fonte: Aguiar, RS; Manini, R. A fisiologia da obesidade: bases genéticas, ambientais e sua relação com o diabetes. ComCiência, Campinas, n. 145, feb. 2013 . Brandão, VL; Nascimento Filho, ID; Ogawa, WN. Emagrecer: dietas da moda versus reeducação alimentar. Rev. Cereus, v. 5, n. 3, p.154-160, maio/ago./2013, UnirG, Gurupi, TO, Brasil.

Nutricionista Claudia Silvestre
Relevant