logoSign upLog in
Nutricionista Claudia Silvestre

Nutricionista Claudia Silvestre

To Médicos e profissionais da área da saúde19/09/2015

Efeitos nocivos do açúcar não param em diabetes, síndrome metabólica, hiperglicemia, refluxo gastroesofágico e doenças cardíacas. Açúcar está sendo fortemente associado ao câncer. Já ficou evidente que as células tumorais usam muito mais glicose que as células saudáveis, dessa forma o açúcar "alimenta" tumores. O metabolismo do câncer é de aproximadamente oito vezes maior do que o metabolismo de células normais. As células normais precisam de oxigênio para seu metabolismo, as células cancerosas precisam de glicose. As células cancerosas dependem da disponibilidade constante de glicose no sangue para obter energia porque não são capazes de metabolizar quantidades significativas de gordura ou corpos cetônicos, então eles precisam de açúcar. São os açúcares simples responsáveis por causar aumentar a insulina e inflamação que podem levar ao câncer. Assim, reduzindo a quantidade carboidratos simples na dieta, o surgimento do câncer pode ser suprimido ou retardado, ou a proliferação de células de tumor já existentes pode ser abrandada, parada e invertida. Além disso, a ingestão de qualquer açúcar branco é pobre em magnésio, porque ele é removido no processamento de refino, e essa deficiência em magnésio é pró-inflamatória e também pró-câncer. Xarope de milho também contribui para o câncer, por estar contaminado com mercúrio devido à forma que é elaborado, e dessa forma provoca deficiência de selênio porque o mercúrio se liga com selênio, reduzindo sua absorção. O selênio é crucial para a produção de glutationa que faz parte da primeira linha de defesa do organismo. O excesso de açúcar provoca picos de insulina e o aumento dos níveis de insulina são pró-inflamatória e pró-câncer e podendo promover diretamente a proliferação de células tumorais. Os altos picos de insulina são promotores do câncer de mama porque as células mamárias normais e células cancerosas têm receptores de insulina. Quando a insulina liga-se ao seu receptor, faz com que as células comecem a se dividir. Quanto mais altos os níveis de insulina, mais rápido as células da mama irão se dividir e maior será o risco das células cancerosas existentes se multiplicarem. Também a insulina regula o quanto de estrogênio estará disponível no sangue para ligar-se aos seus receptores no tecido mamário. O estrogênio circula no sangue sozinho em busca de seu receptor, ou com um ligante de proteína, que o impede de ligar-se ao seu receptor. A insulina regula o número de ligantes de proteína no sangue. Então, quanto maior os níveis de insulina, menor o número de ligantes de proteína e, portanto, mais estrogênio livre estará disponível para se ligar aos receptores na mama e ele também acelera a divisão celular. Açúcares, inflamação e as condições ácidas causadas por consumo excessivo de açúcares simples, incluindo frutose e xarope de milho mostra uma clara relação entre os alimentos e câncer. Câncer de pâncreas, um dos tipos mais agressivo, usa a frutose para crescer mais rapidamente. Lembrando que a frutose aqui tratada não se refere à frutose encontrada naturalmente em frutas, mas sim aquela adicionada aos alimentos industrializados. Estudos têm demonstrado que as células cancerosas podem facilmente metabolizar frutose para aumentar a proliferação. A OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda uma ingestão de 10% das calorias totais ao dia de açúcar, em uma dieta de 2000 kcal isso representa 50g de açúcar ao dia. Diante do exposto, vale à pena repensar a alimentação e adotar hábitos mais saudáveis. Na saúde ou na doença, você terá que adotar hábitos mais saudáveis, então que seja agora, enquanto você tem saúde. Pense nisso! Fonte: http://cancerres.aacrjournals.org/content/71/13/4484.full http://www.greenmedinfo.com/blog/cancer-sugar-strategy-selective-starvation-cancer

Nutricionista Claudia Silvestre
Relevant