logoSign upLog in
Nutricionista Claudia Silvestre

Nutricionista Claudia Silvestre

To Médicos e profissionais da área da saúde14/05/2015

Uma série de estudos tem demonstrado que o exercício pode remodelar o cérebro, levando a criação de novas células cerebrais e induzindo outras mudanças. Agora, parece que a inatividade, também, pode remodelar o cérebro, de acordo com uma nova pesquisa.

A pesquisa, que foi realizado em ratos, mas provavelmente tem implicações para as pessoas também, dizem os pesquisadores, descobriu que ser sedentário muda a forma de certos neurônios de maneira que afetam significativamente não apenas o cérebro, mas o coração também. Os resultados podem ajudar a explicar, em parte, por que um estilo de vida sedentário é tão ruim para nós.

Acreditava-se que a estrutura do cérebro, fixada até a idade adulta, não poderia ser alterada, no entanto estudos neurológicos têm demonstrado que o cérebro retém plasticidade, ou a capacidade de ser reformulado, ao longo de nossas vidas. Estudos mostram que o exercício parece participar na remodelação do cérebro, assim como o sedentarismo.

Um estudo publicado no The Journal of Comparative Neurology, cientistas da Escola Universidade Estadual Wayne de Medicina e outras instituições reuniram uma dúzia de ratos. Colocaram metade deles em gaiolas com rodas de correr e deixaram os animais correrem à vontade. Os outros ratos foram alojados em gaiolas sem rodas e permaneceram sedentários.

Após quase três meses, o cérebro dos animais foram injetados com um corante especial no bulbo ventrolateral rostral, que comanda o sistema nervoso simpático do corpo, que entre outras coisas controla a pressão arterial alterando a constrição dos vasos sanguíneos. Embora a maior parte da ciência relacionados com a medula ventrolateral rostral foi realizada com animais, estudos de imagem em pessoas sugerem que temos a mesma região do cérebro e funciona de forma semelhante.

Ao analisar os cérebros dos ratos, os cientistas encontraram diferenças notáveis entre os dois grupos na forma de alguns dos neurônios na região de o cérebro.
Os neurônios nos cérebros dos ratos ativos ainda estavam em forma tanto quanto eles tinham sido no início do estudo e estavam funcionando normalmente. Porém, nos ratos sedentários haviam surgido novos dendritos o que os tornava mais sensíveis aos estímulos e isso afetaria o sistema nervoso simpático, potencialmente aumentando a pressão arterial e contribuindo para o desenvolvimento de doença cardíaca.

Conclui-se então, que a inatividade pode alterar a estrutura e funcionamento do cérebro, assim como a atividade faz.

Nutricionista Cláudia Silvestre Torres
claudias_torres@hotmail.com

Fonte: New York Times

Nutricionista Claudia Silvestre
Relevant
  1. Nutricionista Claudia Silvestre
    14/05/2015 #2Nutricionista Claudia Silvestre
    #1 Fiquei feliz em receber seu feedback Augusto. Obrigada!
    Reply
  2. Augusto Faria Schiffer
    14/05/2015 #1Augusto Faria Schiffer
    Boa contribuição Claudia. O cérebro, assim como um músculo da perna, por exemplo, precisa sim ser exercitado e estimulado por toda a vida, para que mantenha sua capacidade.
    Reply