logoSign upLog in
Nutricionista Claudia Silvestre

Nutricionista Claudia Silvestre

To Médicos e profissionais da área da saúde11/06/2015

No entanto, é necessário muito cuidado na hora de escolher o peixe porque muitos estão contaminados com methilmercúrio. Os níveis de mercúrio têm aumentado na atmosfera por causa de sua utilização em várias atividades. Um bom exemplo é, cerca de 3 mil toneladas de mercúrio utilizadas nos garimpos de ouro da Amazônia, ao longo dos últimos 20 anos, vêm contaminando as populações ribeirinhas, através da ingestão de peixes.

O mercúrio, na atmosfera, é transportado pelas águas das chuvas, contaminando oceanos, rios e lagos, onde é transformado em metilmercúrio (MeHg), por microorganismos. O MeHg liga-se às proteínas de animais e plantas aquáticos, contaminando as espécies predatórias. Os peixes são concentradores naturais de mercúrio e a sua quantidade nestes animais depende do alimento, da idade e do tamanho. A contaminação humana por mercúrio depende não somente da quantidade de peixe consumida como também da espécie escolhida.

A intoxicação pode ser leve, mas também apresentar sintomas, como vômitos freqüentes, paralisia, cegueira, coma, ou morte. A intoxicação pré-natal devido o consumo de peixe contaminado pela gestante, gera alterações irreversíveis no sistema nervoso central do feto. Existem evidências que indicam a possibilidade do leite materno estar contaminado com o metilmercúrio podendo causar intoxicação no lactante.

Análise realizada pelo Laboratório de Controle de Alimentos da Secretaria Municipal da Saúde, em São Paulo, para avaliar a presença de mercúrio no cação, o atum, a sardinha, a pescada branca, o salmão, o linguado e o pacu, demonstrou que todos apresentavam resíduos de mercúrio. Exceto o cação, (que é predador de vida longa, passa muito tempo acumulando metais vindos de suas vítimas) os outros estavam dentro dos limites de tolerância estipulados pelo Ministério da Saúde.

De acordo com Elsie Sunderland, da Harvard University, nos Estados Unidos, cerca de 40% da contaminação por mercúrio decorre do atum pescado no oceano Pacífico.

O limite de tolerância de mercúrio em peixes utilizados para consumo humano, fixado pela Vigilância Sanitária de Alimentos no Brasil, é de 0,5mg/kg, para pescado não predador, e 1,0mg/kg, para pescado predador.

Apesar disso, estudos têm demonstrado que, em relação aos principais resultados em adultos, os benefícios de comer peixes compensam em muito os riscos. É preciso apenas saber qual peixe escolher na hora da compra.

Escolha peixes de ciclo de vida média curto, pois provavelmente terão ficamos menos expostos a contaminantes. São eles: sardinha, salmão selvagem, cará, carpa, corimbatá, dourado, lambari, manjuba, piau, tilápia, tambaqui, traíra, truta.

Evite peixes de vida médica longa como tubarão, peixe espada, cavala, filé de atum, arenque e cação.

Fica aqui a dica de um jantarzinho fácil, muito saboroso e nutritivo para você fazer e desfrutar com seu amor.

Filé com crosta de castanhas e palmito

Ingredientes
350g de filé de peixe da sua preferência
1 colher (sopa) de azeite para selar o peixe
Sal e pimenta-do-reino a gosto
Suco de 1 limão e 50ml de água gelada
120g de castanhas-do-Pará trituradas
50g de manteiga

Palmito pupunha:
150g de palmito de pupunha cortado à julienne (palito)
2 colheres (sopa) de azeite para saltear o palmito
2 colheres (sopa) de ervas frescas picadas de sua preferência

Modo de preparo
Limpe e apare o filé de peixe. Passe o filé na mistura da água gelada com suco de limão. Tempere o peixe com sal e pimenta-do-reino a gosto.
Aqueça o azeite em uma frigideira espaçosa. Sele o peixe dos dois lados.
Apague o fogo e cubra o peixe de um dos lados com uma pasta obtida com a mistura das castanhas trituradas com a manteiga. Leve ao forno para que a castanha fique dourada.
Para preparar o palmito, aqueça o azeite, doure rapidamente os palmitos. Junte as ervas e coloque sob o peixe. Sirva com arroz.

Salada Mista

Ingredientes
2 xícaras (chá) de alface roxa grosseiramente rasgadas
1 xícara (chá) de rúcula grosseiramente rasgadas
3 colheres (sopa) de cenoura crua ralada
3 colheres (sopa) de beterraba crua ralada
1 ½ xicaras (chá) de tomates-cereja partidos ao meio
5 ramos de brócolis (cozido al dente)
2 colheres (sopa) de vinagre de maçã
3 colheres (sopa) de azeite de oliva extravirgem
2 colheres (chá) grãos de chia
1 colher (chá) de sal

Modo de preparo
Higienize todas as hortaliças. Corte a alface em tiras bem fininhas. Coloque em uma travessa. Reserve.
Misture a cenoura ralada, a beterrada, o tomate fatiado e o brócolis. Acrescente a mistura à alface.
Misture em uma tigela o vinagre de maçã, o azeite de oliva, a semente de chia e o sal. Tempere a salada.

Abacaxi grelhado com creme de iogurte

Ingredientes
2 rodelas de abacaxi
4 colheres (sopa) de suco de laranja

Creme de iogurte
1 pote de iogurte natural desnatado com consistência firme
1 colher (sopa) de raspas de limão

Modo de preparo
Comece pelo creme de iogurte: misture o iogurte e as raspas de limão e leve à geladeira enquanto prepara o abacaxi. Aqueça uma frigideira antiaderente, coloque as rodelas de abacaxi e regue aos poucos com o suco de laranja. Doure dos dois lados. Corte a rodela em 4 pedaços e sirva ainda quente com 1 colher de sopa do creme de iogurte.

http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc12/v12a01.pdf
Revista Brasileira de Ciências da Saúde, ano III, no 9, jul/set 2006
http://www.ecologiamedica.net/2011/01/peixes-e-contaminacao-por-metais.html

Nutricionista Claudia Silvestre
Relevant