Amanda Rodrigues en Recursos Humanos Business Partner 4/7/2016 · 1 min de lectura · 1,4K

Feedback, você já deu o seu hoje?

O dia a dia de um recrutador é realmente bastante agitado, principalmente quando se trabalha com um grande volume de vagas. Talvez ele seja um dos profissionais mais cobrados do RH e sim, ele chega a analisar mais de 30 CVs e a realizar mais de 10 entrevistas em um único dia de trabalho, além de desenvolver tantas outras atividades inerentes à sua função.

E acredito, que até por isso, seu trabalho tenha se tornado cada vez mais mecânico e menos relacional.

Mas é exatamente pelo mesmo motivo, que acho que é o momento de parar e analisar qual de fato é o seu papel nesse processo tão complexo que é a seleção de um profissional. Afinal, somos profissionais de recursos humanos e nosso mais importante papel, creio eu, ainda seja as relações interpessoais.

Entendo que escolher o candidato perfeito demanda muita concentração, mas, é preciso lembrar, ou melhor, nunca esquecer, que na outra cadeira tem um profissional, que assim como você um dia, está em busca do seu lugar ao sol e que, na maioria das vezes se preparou para estar ali.

Talvez ele tenha gasto um dia inteiro tentando encontrar a melhor maneira de encaixar toda a sua experiência e ressaltar toda o seu potencial em apenas duas páginas que fossem capazes de prender a sua atenção ao ponto de acreditar que seria uma boa encontra-lo. E talvez, o curriculum que ele lhe enviou tenha sido o vigésimo enviado naquele mesmo dia. E acredite, ele precisou de uma força sobre humana para continuar tendo esperança de seguir em frente em meio à crise que se instalou no país e de tantos “nãos” ou ainda, da falta deles.

E esse é o ponto, é exatamente a falta deles que assombra os profissionais que buscam incansavelmente uma recolocação.

Afinal, a única coisa que eles esperam de nós, recrutadores, é uma simples resposta, ainda que eletrônica.

Portanto, como recrutadores, esse é o mínimo que devemos ter, respeito com o próximo . Ou seja, se ligamos, entrevistamos, é obrigatório darmos um retorno, ainda que negativo. É indispensável respeitar a disponibilidade, preparação e atenção que esse profissional teve ao responder ao nosso convite, e fazer o mesmo por ele.

Sendo assim, entrevistou, informe ao candidato, mesmo que ao final do processo; o processo está demorando mais do que o previsto, mantenha-o informado sobre o andamento. Eu sei, isso pode tomar boa parte do seu tempo, mas acredite, poderia ser você do outro lado da mesa e tenho certeza, você gostaria que a postura fosse essa.

Enfim, somos profissionais de Recursos Humanos e como tal, devemos priorizar o respeito e a integridade das relações com outros profissionais. Pois sempre seremos o primeiro contato e a primeira impressão da companhia que representamos. Logo, se queremos trabalhar em uma empresa admirada e respeitada pelos outros, primeiro precisamos demonstrar respeito e admiração por cada profissional que cruzar o nosso caminho.

E aí, que tal dar o seu feedback?