Antonio Carlos Mongiardim Gomes Saraiva en Idiomas, Francês, Francés - Français Artista Plástico • Autónomo 16/5/2016 · 1 min de lectura · +600

O Ensino do Francês no Brasil



O francês é uma língua estética e atrai muita gente pelo seu som melódico e sensual, fazendo imaginar um contexto chique e sofisticado. Agrada principalmente ao público feminino, que gosta de conceitualizar um certo romantismo e charme. É uma língua viva e falada em boa parte do nosso planeta. Arrasta toda uma cultura milenar de pensamento e costumes, para além da sua própria história e enredos.
Estudar o francês no Brasil, requer uma atitude de entrega e paixão ao idioma, já que é uma tarefa difícil e complicada. A sua fraca e quase nula implantação no território, faz com que o esforço dos alunos seja redobrado. A maioria dos sons contidos no idioma, são totalmente novos para quem ouve pela primeira vez as palavras e tenta reproduzi-las. A mídia, praticamente não faz uso do francês e muito raramente exibe filmes ou documentários no circuito comercial. O país, ainda está virado somente para o inglês (americano) e para o espanhol que, atualmente, vem perdendo a sua força inicial, talvez por razões que têm a ver com um certo fracasso do Mercosul.
Quem procura o francês como instrumento de estudo e saber, sabe que vai encontrar dificuldades, apesar do diferencial que constitui em termos de curriculum. Sem dúvida será uma "carta na manga", para todo o candidato que pretende destaque no concorrido mercado de trabalho.
Como professor de francês, recomendo a quem vai iniciar o estudo do idioma, atenção num ponto fundamental: a escolha da metodologia. Hoje, a maior parte dos livros importados de francês estão configurados de forma atraente para o grande público; fotos, atividades, jogos, tudo apresentado com um colorido impactante e sugestivo, próprio para chamar a atenção e cativar o cliente (comprador), num primeiro momento.
Normalmente, esses livros estão fundamentados em metodologias descompassadas e não conectivas. Onde cada tema ou assunto apresentado, muitas vezes (quase sempre) nada tem a ver (sequencialmente) com o tema anterior, obrigando o aluno a "saltos" bruscos e violentos.
É preciso ressaltar que, estudar francês é completamente diferente de aprender inglês, onde todos os tópicos, inclusive a conjugação verbal estão razoavelmente estruturados e "arrumados", facilitando o aprendizado.  Então, não bastasse já a dificuldade própria da língua, o aluno frequentemente é vítima de um sentimento de frustração quando conclui o seu curso "avançado", mas não consegue se expressar razoavelmente no idioma.
O que é que falhou? - Certamente houve um problema de má conexão no aprendizado, que não soube gerar uma sólida rede de acesso a usar em situações reais e comuns.
Como evitar? - Existem métodos (não tradicionais), em que o aluno consegue instalar essa rede, numa primeira fase de estudo. O sistema (PNL), de programação neuro linguística, procura resolver essa lacuna, produzindo resultados satisfatórios a nível de uma plataforma conectiva para francês / comunicação.
É claro que o estudo detalhado e completo do idioma e sua cultura agregada, não se reduz só às habilidades da conversação. São necessários vários anos, até atingir um certo grau de plenitude e sucesso que, com certeza, só virá em função do esforço e abnegação do aluno.
Desse modo, ele já possuirá a ferramenta básica de acesso, que fará com que não desista e possa empreender um estudo mais aprofundado e de sucesso.

Luciano de Araujo 20/5/2016 · #3

#2 #2 A lingua Alemã eh mais acessivel para aprendizado nao presencial.

0
Maria Luiza Freitas 17/5/2016 · #2

Adoro Francês, soa tão bem! Tentei aprender no Duolingo. Foi bacana para conhecer vocabulário, mas a gramática em si continuo sem entender!

0
Carlos Moura 17/5/2016 · #1

Acredito que outra dificuldade é que temos pouco contato com o francês no dia a dia. Por exemplo, é escassa a exibição de filmes do idioma. Não é como o inglês que você tem mais possibilidades de praticar.

0