carlos dorlass en Diretores e Executivos, Profissionais Administrativos, Negócios e Empresas Professor • Inova Business School e Instituto Brasileiro de Formação de Educadores 24/9/2016 · 1 min de lectura · 2,4K

Desing Thinking na educação

Desing Thinking na educação

Um dos maiores desafios para a educação é a transmissão da informação e da comunicação adaptadas à civilização do conhecimento (pois estas são as bases das competências do futuro). Simultaneamente, compete ao ensino encontrar as formas que impeçam as pessoas de ficarem ilhadas pelo número de informações, mais ou menos provisórias, que invadem os espaços públicos e privados, bem como orientar os educandos para projetos de desenvolvimento individuais e coletivos.

Para dar resposta ao conjunto das suas missões, a educação deve organizar-se em torno de quatro aprendizagens fundamentais, que ao longo da vida humana, serão pilares do conhecimento: aprender a conhecer (adquirir instrumentos da compreensão), aprender a fazer (para poder agir sobre o meio envolvente), aprender a conviver (cooperação com os outros em todas as atividades humana) e, finalmente aprender a ser (conceito principal que integra todos os anteriores).

Considerando a complexidade das relações que permeiam a sociedade atual, encontrar soluções que atendam os indivíduos envolvidos tornou-se um desafio para as novas gerações. O design, como abordagem multidisciplinar, correlaciona diversos assuntos e atua profundamente no modelo mental das pessoas na busca de soluções de produtos ou serviços que promovam uma experiência mais compreensiva para o usuário.

Desing thinking na educação corresponde a:

Descobertas - Aprender a conhecer, com a preparação correta, essa fase pode ser um abrir de olhos e irá proporcionar um bom entendimento do desafio. Portanto, significa estar aberto a novas oportunidades, inspirar-se e criar novas ideias. Para isso, é necessário a aprender a interpretar;

A Interpretação transforma suas histórias em insights valiosos.

Observações, visitas de campo ou até uma conversa podem ser ótimas inspirações. Envolve tanto a contação de histórias quanto a seleção e a condensação de pensamentos, até que o aluno tenha encontrado um ponto de vista convincente e uma direção clara para o próximo passo, a ideação;

Ideação é a geração de várias ideias. O brainstorming encoraja a

pensar de forma expansiva e sem amarras. Muitas vezes, as ideias mais ousadas são as que desencadeiam pensamentos visionários.

Aprender a Fazer corresponde a experimentação.

A experimentação dá vida às ideias. Construir protótipos significa tornar as ideias tangíveis, aprender enquanto as constrói e dividi-las com outras pessoas, isso envolve planejar os próximos passos, comunicar a ideia às pessoas que podem ajudar a realizá-la e documentar o processo Aprender a Conviver.

A integração do aprender a conhecer, aprender a fazer e aprender a conviver conduz o indivíduo a SER.

esan%4��̡




@carlos dorlass muito pertinente o momento atual da Educação no país para discutir o desenho da aprendizagem pelos caminhos do DT. Toda a discussão da BNCC (última versão do documento de 2016) repousa seus mosaicos de aprendizagem em 2 pilares: trabalho como princípio educativo e experimentação/pesquisa como princípio pedagógico. Modelos como aprendizagem baseada em projetos e problematização são vertentes que trazem princípios do DT dentro de sua execução. Moral da história: um professor preparado para metodologias ativas da aprendizagem necessariamente deverá buscar alguma formação em DT para ampliar seu repertório. Show de bola seu texto! Bom feriado ✌🏼️🎓💡

+1 +1
Tifany Rodio 2/11/2016 · #1

Veja só @Denise Da Vinha Ricieri!!! Acredito que vai te interessar essa troca de ideias!

+1 +1