Daniel Funchal en corretor de imoveis, Construção, Engenharia Civil Professor • Uniasselvi - Faculdade Metropolitana de Blumenau 16/5/2016 · 1 min de lectura · +400

DEVO COMPRAR MEU IMÓVEL AGORA?

Frequentemente, deparamo-nos com artigos de especialistas espalhados pela mídia em geral, sobre o momento adequado para compra de imóveis. O conteúdo desses artigos é pautado essencialmente em questões relativas à aquisição do imóvel como investimento, pois avalia se o valor está alto, seu potencial de valorização, expectativas de subida ou queda dos preços, liquidez e outros fatores característicos do mercado financeiro. Afinal, o foco é normalmente de um especialista financeiro.

Mas será essa a única vocação de um imóvel para ser avaliado apenas sobre esse aspecto?

O imóvel é percebido como um investimento seguro, pois além de existir um bem como garantia, sua vida útil e prazo de avaliação são longos, o que proporciona uma boa proteção das oscilações de mercado e das épocas de crise.

Devemos lembrar que um imóvel não é construído com o objetivo de ser um investimento. Essa é apenas uma derivação do seu potencial devido ao seu uso final ser tão nobre e importante; ser o lar de uma família.

Por isso, o cidadão, casal ou família que buscam um lar, seja para formar e criar sua família com segurança e qualidade de vida ou para momentos de lazer, como um imóvel de praia, antes de avaliar como um negócio financeiro deve avaliá-lo como bem durável que é.

Aspectos como espaços internos, disposição dos cômodos, acabamentos, localização, infraestrutura e principalmente aquele sentimento de identificação e paixão pelo imóvel devem ser avaliados e priorizados, frente a qualquer fator de investimento. Afinal, vale a pena morar por vários anos em um lugar que não lhe agrada tanto apenas para ter (talvez) , um rendimento superior a algum índice de mercado, mas que para esse seja efetivado, seja necessário desfazer-se dele?

O benefício do imóvel ESTÁ NO SEU USO, e não somente no negócio financeiro que ele pode representar quando da sua venda.

Questões como valor justo, condições de pagamento e taxas devem sim ser avaliadas, mas somente após ter encontrado o imóvel ideal para você e sua família, e não como únicos parâmetros para decisão na aquisição. Mais vale pagar uma parcela até eventualmente um pouco maior, mas estar feliz e satisfeito com seu imóvel, do que uma parcela menor porém insatisfeito ou arrependido com a escolha. Neste caso, ela parecerá sempre cara demais.

Não devemos permitir que a busca sem fim pelo momento ideal de comprar o imóvel comprometa a qualidade de vida. Quem nunca deixou de fazer uma pequena reforma, melhoria ou decoração mais caprichada no imóvel porque era alugado e pensou que não valeria a pena gastar dinheiro com algo que não é seu?

Será que a satisfação em ter a casa do jeito que você quer e merece, bem como a sua família satisfeita, valem menos que algum percentual que talvez possa ganhar no futuro?
Um imóvel só é um bom investimento se for um bom lugar para morar. E, o mais importante: trate-o como sendo o lar de sua família, antes de ser um negócio para outra pessoa.

O momento certo para comprar seu imóvel é você quem decide!


Luiz Alberto Ferreira 24/5/2016 · #5

#2 Obrigado pelo esclarecimento, Daniel! Concordo com você, cada realidade é uma realidade e deve ser avaliada individualmente, apesar do cenário. Um abraço.

0
Thiago Smicelato 17/5/2016 · #4

Sua dica é otima e vem no momento exato!

+1 +1
Daniel Funchal 17/5/2016 · #2

#1 Olá @Carlos Moura Cavalcanti, obrigado pela contribuição. Como cito no artigo, tentar acertar o momento "certo" tende a causar frustração pois os cenários de baixa e alta são cíclicos, a questão é acertar o período dos ciclos. A avaliação unicamente financeira para a tomada de decisão, será sempre acompanhada da palavra DEPENDE. Cada cidade tem uma característica particular de preços e percepção de valores, assim como cada adquirente tem uma realidade. Um servidor público, um empresário e um funcionário sobre regime CLT tem realidades diferentes e avaliarão o cenário de forma diferente. Assim, tentar estabelecer uma fórmula mágica ou única orientação para a decisão da compra é no mínimo insensata.
Por isso tentei neste texto trazer a componente subjetiva para a tomada de decisão, mas sempre acompanhada da avaliação financeira adequada a pessoa e ao momento, preferencialmente com ajuda profissional.
Não posso dizer que o momento não é favorável, pois encontramos descontos de até 40% nos preços dos imóveis. Mas também quem não tem segurança nos rendimentos assumir um financiamento longo com alta taxa, não é aconselhável. Acredito que o mercado sempre apresenta boas oportunidades assim como para alguma parcela pode não ser o momento mais favorável. Como disse antes, DEPENDE... Abraço.

+1 +1
Carlos Moura 17/5/2016 · #1

Seu artigo é bem bacana Daniel. É uma reflexão humanizada sobre algo que vem sendo tratado cada vez mais como simplesmente um produto financeiro. Certamente muitos brasileiros gostariam de adquirir um lar confortável para suas famílias, mas estão se perguntando se o cenário econômico é favorável. O que você pensa? Os preços dos imóveis estão caindo e é hora de aproveitar? Ou você acredita que é melhor ser cauteloso com os gastos neste momento? Um abraço.

+1 +1