Denise🐝 Da Vinha Ricieri en Projetos de inovação, Professores e Educadores, Educação e Formação Professor e Pesquisador (colaboração técnica) • Universidade Federal do Ceará 20/5/2016 · 5 min de lectura · 1,8K

Educação e Mudanças: trending topics do momento

Em tempos de trends da educação focadas para o momento político de mudanças profundas da Educação Básica à Superior, quero pontuar três questões claras, simples e diretas, nesse universo profissional.

1- Déjà vu


“Você sabe o que é ser professor e gestor dentro dos contextos regulatórios modernos do ensino superior brasileiro? Do desenho de um PPC e as diferentes estratégias de peritagem e seleção de inserção de metodologias ativas, ao alinhamento do PPC com o PDI da IES, considerando PNE e Lei 10.861 para definição das ações retroalimentadoras em ensino, pesquisa e extensão.”


No dia 3 de Março publiquei na minha Bio do LI uma trajetória de vida acadêmica que me dava experiência para sustentar a hipótese de que o modelo educacional brasileiro – de modo geral, como o conhecemos – estava esgotado e que era necessário repensar o papel de todos os atores do cenário da Educação.

Como não sou de criticar o sistema (seja ele qual for) sem apresentar soluções claras e factíveis, anunciei que estava terminando um projeto de formação docente avançada e conclamei interessados no assunto para um contato, discussão, até troca de ideias!

Surpreendentemente, ZERO retorno (exceto os amigos de fé e irmãos camaradas) define bem o impacto. Seria, afinal, uma proposta descolada de empatia? Estaríamos somente eu, e mais alguns no meu entorno profissional, incomodados com uma sala de aula que trocou o giz e a lousa pelo slide e quadro branco (ou digital, isso não muda a essência)?

Essa questão me perseguiu, mas como sou brasileira e acredito que sempre podemos fazer melhor, prossegui com o projeto. Afinal, havia muito movimento entre os “grandes” da Educação, falando, propondo, formando, debatendo, promovendo novos modelos, processos, metodologias e projetos educacionais.

Fora da Educação o cenário era semelhante: muitos empreendedores (de palco e de verdade) arregimentando legiões de diplomados, a altos investimentos individuais (mas, veja, com muitos bônus, vídeos, sacadas, lances e lives também. Linguagem peculiar essa do mundo empreendedor... Mas a gente trata disso em outra oportunidade).

Afinal, se legiões e legiões de diplomados e não-diplomados buscavam por formação, em detrimento da diplomação, havia algo a ser observado e tratado cientificamente nesse universo, pela própria Educação! Fomos buscar a resposta, eu e minha grande parceira de sobriedades acadêmicas e loucuras empreendedoras educacionais, Vera Bahiense.

Algumas viagens, cursos, encontros presenciais, palestras TED e eventos TEDx depois, ficou muito claro. E o que ficou claro era que a mudança inevitável de um modelo esgotado estava por acontecer a qualquer momento. Na ocasião, concluí em meu post, com termos bem diretos:

Moral da história: (1) não há mercado de trabalho competitivo que não se renda a quem está verdadeiramente preparado para mudanças: (2) mudanças são a única certeza da Vida; (3) tá na hora de parar de (só) diplomar e partir para (principalmente) FORMAR.” #partiuformaremvezdediplomar 


Criamos essa hashtag e decidimos fazê-la acontecer!

O que ninguém esperava (e nem eu mesma) era a reviravolta política da Presidência da República, que acabou por “tsunamear” a Educação. Sim, porque os discursos, decisões, encaminhamentos, comissões e providências que estão em andamento apontam caminhos claros de mudança (e muita) em todo o cenário educacional brasileiro. Numa disruptura altamente relevante.

Enfim, o primeiro ponto é: desde março as nuvens estavam no céu. Quem tem guarda-chuva (ou uma arca de Noé) está tranquilo. Mas... E quem não tem?


2- Repensando a Educação


Por que é preciso repensar a educação? A primeira resposta é objeto de consenso nacional: a escola pública brasileira não funciona e a escola particular não é lá essas coisas. As notas no PISA e nos testes nacionais não deixam dúvida quanto a isso.

João Batista Araújo e Oliveira, in A Pedagogia do Sucesso


O recente livro do Prof. João Batista Araújo e Oliveira (A Pedagogia do Sucesso), somado a outras publicações de outros autores e estudiosos educadores, estão completamente sincronizados com o momento político de mudanças. São um retrato claro do alinhamento de pensamentos com as atitudes de mudanças entendidas como necessárias no repertório docente do que seja ser educador/professor nos tempos atuais. E isso vem sendo conclamado por diversos eventos, workshops , cursos e formações espalhados pelo país, tratando do empreender na Educação.

Os mais céticos dirão que as mudanças foram uma demanda somente pela troca de filosofia governamental. Ingenuidade pensar assim nos tempos de informação em tempo real. Os sinais estavam (e estão) ali, aqui, acolá, pelo mundo inteiro, estourando feito fogos de artifício. Bastava olhar para o céu, que agora parece a praia de Copacabana em noite de Réveillon. O que ocorre é que agora elas estão aceleradas, e quem vive das carreiras que gravitam em torno da educação, em todos os níveis, precisa urgentemente repensar-se, repensando seu repertório.

Aliás, gosto muito desse conceito, propagado pelas mídias sociais, de que “ oportunidades são uma questão de repertório ”. Aplicando esse pensamento ao título dessa segunda questão, tem-se o resultado de uma equação muito simples: educadores com repertório adaptam-se melhor e mais rapidamente às mudanças, sejam elas quais forem, e de quais naturezas estejam revestidas.

Em outras palavras, para enfrentar esses tempos de vendavais e tsunamis, seu repertório pode variar de guarda-chuvas, galochas, capa de chuva, até a arca de Noé. É a amplitude desse repertório que determinará como você (e cada um de nós) vai passar por esse momento e chegar ao outro lado da empregabilidade, após as mudanças. E é disso que trata o repensar a Educação.

Talvez somente com fortes motivadores como mudanças que envolvem desde a forma de pensar e ofertar a educação (tramitando e sendo discutidas as Bases Nacionais Curriculares Comuns/BNCC – que repercutem no Plano Nacional de Educação/PNE, as Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos Superiores/DCN, os indicadores do processo regulatório do Ensino Superior), até as regras sobre tempo de aposentadoria (estão em discussão nos próximos 30 dias), os atores deste cenário venham despertar para o esgotamento do modelo que vem desde sempre.

E com esse despertar, partam para ações de mudanças que precisam ir da concepção da educação - centrada na aprendizagem, e não no ensino - até as metodologias ágeis e criativas, capazes de criar engajamento e preparar os pequenos e jovens cidadãos para exercerem ativamente seu papel nesse mundo globalizado.


Nossas crianças e jovens não estão aprendendo como deveriam e poderiam, estão sendo privados de participar dos benefícios e oportunidades oferecidas aqui e fora de nosso país, mas, sobretudo, estão sendo privados de uma educação que lhes permita fazer melhor do que fez a nossa geração. É nossa responsabilidade ajudar a encontrar e corrigir os rumos. Por isso, este livro serve também de alerta, convite e convocação ao debate.
João Batista Araújo e Oliveira in A Pedagogia do Sucesso


Porque é preciso repensar a Educação? Eu resumiria: porque ainda se fala em condições de “condições de ensino” ao invés de “condições de aprendizagem”.


3- Um MBA que nasceu para novos tempos educacionais


Enfim, essa é a terceira questão. Aquilo que em 03 de Março era um projeto em andamento, está nascendo no formato Master in Business Administration /MBA com três eixos: LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL, GESTÃO UNIVERSITÁRIA e METODOLOGIAS ÁGEIS E CRIATIVAS.

Voltado para Professores e Gestores que atuam na Educação Superior (ou aspiram a carreira universitária), o MBA EMPREENDER NA EDUCAÇÃO trata cada eixo com Módulos de Conhecimento, trabalhados no modelo de Ensino Híbrido. É o aprender-fazendo, construir o novo a partir do conhecimento e vivências pregressas, agregar ferramentas e metodologias para potencializar repertórios.


Nosso pressuposto é de que não se encontra esse tipo de conhecimento, necessário para o exercício (eficiente) das funções gestoras em cursos de graduação em lugares comuns. Ele é fruto de experiências vividas nos corredores e nas mesas colegiadas e diretoras, nos órgãos governamentais que regulam a educação no país, no exercício da função de consultoria especializada nos mais diferentes cargos e níveis do sistema educacional. Aliás, a nossa vocação é essa: transformar o CONHECIMENTO em SABEDORIA. Teoria em ação. Conjecturas em realidades. E disso tudo, extrair a potencialidade de tomadas de decisão baseada em evidências.
Someone famous in Source Title


Assim, termino de pontuar essas três questões para levantar uma quarta. Essa, sim, nova e inédita!

4- Venha fazer parte de um Grupo de Educadores Empreendedores!


Bom, lá vou eu de novo, chamar você para comentar esse post e para participar denosso grupo no Facebook. Uma sala virtual de professores onde compartilhamos experiências pessoais de sala de aula, notícias da Educação - no Brasil e no mundo, motivações, mas principalmente, temos por lema:


Antes de voltar para sala de aula, puxe um café e leia essa notícia! Super-recomendo! (Grupo Empreendedorismo Educacional, Facebook)

Lá compartilhamos um café virtual, a visão educacional que anda pelo mundo, além de boas oportunidades de agir e interagir. Divulgamos assuntos de interesse docente (sem propagandas desconexas!) como formações continuadas para novas metodologias de aprendizagem, estratégias criativas.

Boa parte das oportunidades são gratuitas e visam oferecer fôlego e espaço, de modo a propiciar que cada um repense-se no seu tempo... Mas repense! E aja.

Porque esse novo mundo é assim: o mundo do tempo real, da informação multilíngue, do processo de aprendizagem mediado tecnologicamente. O novo mundo é de quem faz o novo, e deixou de ser de quem repete o velho.


Pense nisso! Ah! E o MBA?!  :)

Vem fazer parte do grupo que vai ficar por dentro em primeira mão!


Abraços cordiais, Educadores!


Prof. Dra. Denise V. Ricieri, Fortaleza/CE, Brasil