Franciane Nunes Paciência Torres en beBee em Português, Music / Música Bebee • Brand Embassador 13/11/2016 · 1 min de lectura · 3,1K

"O pior show da carreira de Kurt Cobain"

 
"O pior show da carreira de Kurt Cobain"(Imagem: FeelNumb.com)


Como vocês têm visto aqui, nos meus producers, venho escrevendo sobre a carreira e a biografia de alguns artistas e de pessoas importantes. Hoje falarei sobre pior show da carreira de Kurt Cobain, com o intuito de mostrar que todos nós passamos por altos e baixos, e aceitar que fracassos e dificuldades fazem parte de nossa trajetória, tanto pessoal quanto profissional, por isso temos sempre que nos superar, nos reeguer e seguir em frente. 




Há quem diga que catarse possa ser definida como um momento de purgação das emoções. Para a geração de jovens que vivenciou o auge do grunge no início dos anos 1990 essa experiência não poderia ser traduzida melhor do que estar no Estádio do Morumbi, em São Paulo, no dia 16 de janeiro de 1993, à frente do palco do extinto festival Hollywood Rock. Até porque ali se apresentaria, pela primeira vez no Brasil, a banda mais representativa daquele momento: o Nirvana.


No line-up do festival, foram escaladas bandas de grunge e rock alternativo que estavam acontecendo no país. Finalmente seria a chance do público brasileiro de conferir a tal cena grunge de Seattle. O Alice In Chains e os Red Hot Chili Peppers eram as atrações internacionais do primeiro dia, enquanto,no segundo dia de festival, a banda grunge feminina L7 ficou incumbida de assumir a abertura do show mais esperado daquele fim de semana.


Na época, o grupo de Kurt Cobain, Dave Grohl e Krist Novoselic ainda surfava no sucesso do álbum "Nevermind" (1991). Ou seja, tudo conspirava a favor para aquela noite.Porém, o que se viu foi um dos shows mais catastróficos e surreais já realizados frente à um grande público. Cerca de 110 mil pessoas assistiram a performance de um Kurt Cobain introspectivo, mais alterado do que de costume, cometendo vários surtos durante as músicas. A tragédia já havia se anunciado logo na abertura do show, com uma versão incrivelmente lenta de "School". Dali em diante, uma coleção de momentos imprevisíveis estava por vir.


Para se ter ideia, até a clássica "Smells Like Teen Spirit" entrou no rol de bizarrices cometidas naquela noite. O solo de guitarra de Kurt deu lugar ao trompete de Flea, baixista do Red Hot Chili Peppers, que apareceu no palco de surpresa. Em seguida, Krist abandonou o palco, tendo que ser encontrado e convencido a voltar para que evitasse problemas contratuais. Para piorar, não só as improvisações feitas pela banda estavam fora de compasso, como também a afinação dos instrumentos. Ainda teve espaço para covers mal executadas de Iron Maiden, Duran Duran e Led Zeppelin no setlist, quando mais da metade do público já havia deixado o Morumbi.


Os fãs mais ardorosos consideraram a apresentação digna de um show de rock, associado à concepção de rebeldia e irreverência.Por outro lado, a crítica não mediu esforços para detonar a apresentação 'desconstrutivista', como foi classificada pela revista Bizz, em tom irônico. O fato é que a escassez de imagens e registros – de uma época em que smartphones e câmeras digitais ainda inexistiam - ajudam a elevar o grau de misticismo dessa apresentação histórica, cercada de teorias conspiratórias contras e favoráveis ao comportamento de Kurt Cobain e sua banda.