Frederico José Otaviano Robalinho de Barros fala sobre desenvolvimento empresarial e democracia

Para Frederico José Otaviano Robalinho de Barros é de fundamental importância que haja uma grande mobilização empresarial em nosso país na direção de um desenvolvimento econômico. Isto é, para que um real crescimento econômico ocorra, precisamos da participação das classes empresariais, pois uma geração de riquezas dependeria tão somente deste setor privado.

Anualmente saem das universidades milhares de jovens economistas, administradores de empresas, engenheiros e outros profissionais que poderiam também participar do processo de desenvolvimento industrial/comercial do país como novos e jovens empresários, e que indubitavelmente pertenceriam no futuro a uma classe empresarial nacional mais forte e mais poderosa, desde que eles tenham o conhecimento desta opção.

Gerar novos empresários é uma necessidade vital para uma sociedade que se propõem a um regimento vindo da economia do mercado. A contínua geração de novos e jovens empresários através de novas oportunidades no país é o melhor preventivo, ou ainda, o melhor antídoto contra os processos de alta concentração de renda e capital.

Em outras palavras, transferir os interesses dos novos egressos das universidades ou escolas técnicas para as atividades empresariais deveria ser um processo contínuo de aculturação no país, mas claro, sempre associado ao fortalecimento e apoio à pequena empresa.

Dessa forma, partindo dessas premissas básicas, de que o aproveitamento das vocações empresariais é um dos instrumentos vitais para o fortalecimento e o desenvolvimento industrial do país, entendemos que os fundamentos desses princípios originam-se e devem se perpetuar no fato de que: o homem é uma permanente fonte geradora de riquezas e benefícios para o meio econômico da sociedade em que vive, quando a ele é dada esta oportunidade.

Por esta razão, o jovem iniciador da atividade empresarial no país deveria, em todas as fases, desde o seu surgimento ao seu crescimento, ser altamente valorizado e respeitado pelo Governo, nos seus diversos aspectos, sobretudo nos aspectos éticos e filosóficos, pois, o que é uma pequena empresa hoje poderá ser uma grande empresa amanhã.

O jovem indivíduo, gerador de riquezas e inovador, representa sempre a pequena economia e uma nova classe empresarial que sustenta a pequena propriedade e, portanto, a democratização do capital e como reflexo se fortalecem os fundamentos de uma verdadeira democracia. Frederico José Otaviano Robalinho de Barros fala sobre desenvolvimento empresarial e democracia