Heraldo Tovani en Antropologia, Educación y Formación, Historia Professor 11/9/2017 · 3 min de lectura · +300

Pobres X Ricos - A histórica luta cotidiana do brasileiro

Pobres X Ricos - A histórica luta cotidiana do brasileiro


O Brasil sempre foi dividido.

Divido por duas classes que se excluíram mutuamente.

Quanto mais o rico voltou as costas ao Brasil, mais o pobre se aprofundou nas entranhas do país.

Desde o Pau Brasil - negociado por ricos nobres portugueses, extraído por índios enganados e escravizados - as finalidades eram o enriquecimento dos ricos daqui e de Portugal e a exploração do Brasil. Assim também com o açúcar, fabricado por braços escravos, que enriquecia mais ao já rico senhor de engenho, sempre com os olhos voltados para mar, para a exportação à Europa. O mesmo com o tabaco, a borracha e o abundante ouro das Minas Gerais. Riquezas que saíam ao custo da miséria, que ficava.

Mesmo a Independência do Brasil foi feita sem o empenho dos ricos que, de fato, preferiam não a independência, mas um Reino Unido, chefiado por Portugal.

A República, proclamada em 1889, foi mais um ato de vingança contra a abolição da escravidão que um projeto de país. Projeto esse que, na verdade, nunca existiu na mentalidade vassala da classe rica brasileira.

Só em 1930, com o movimento político militar de Getúlio Vargas é que foi esboçado um projeto de país, tendo em vista a industrialização, com a oposição dos ricos das oligarquias agrárias. Oposição intensa e encarniçada, que desembocou no golpe do Estado Novo.

O rico do Brasil, nesse período, debatia a vergonha que sentia de ser brasileiro, mestiço e feio. A intelectualidade servil aos ricos adotou o pensamento eugênico que pregava que éramos subdesenvolvidos e atrasados pela infelicidade de termos o sangue degradado pela miscigenação com o índio e o negro e propunham que o branco europeu nos salvasse copulando com nossas mulheres, para gerar uma raça branca e superior.

Sempre de costas para o país, os ricos do Brasil procuravam se aliar subservientes primeiro a Portugal, depois à França, depois à Inglaterra, chegaram a namorar a Alemanha nazista e, por fim, se renderam ao Tio Sam, incapazes de virar o dorso e encarar seu próprio país.

A farsa maior foi, recentemente, vestirem-se em camisetas amarelas e gritarem em público seu amor patriótico. Hipócritas!

Vencedores do golpe que depôs Dilma Rousseff, hoje são incapazes de se indignar com a destruição do país. Berram, como cães raivosos, o discurso da modernidade do capitalismo financeiro. Não porque acreditam, mas porque é o discurso do rico, é o discurso que vem de fora, é chique, é importado.

Servis e sem uma gota de sangue nacional,