Heraldo Tovani en Antropologia, Professores e Educadores, Historia Professor 27/9/2017 · 5 min de lectura · +800

Uma leitura atual sobre a união das esquerdas: Opção ou obrigação?

Uma leitura atual sobre a união das esquerdas: Opção ou obrigação?

                                                                                          

- "Operários" de Tarsila do Amaral - 1933

                   Qualquer leitura minimamente coerente da realidade atual aponta para a necessidade urgente da união do campo das esquerdas do país.

                   Esquerda, aqui, é entendida como as forças democráticas, não necessariamente socialistas ou comunistas.

                   Não se trata de simplesmente manter ou consolidar uma posição partidária. Não se trata de ganhar, como se ganha uma partida de futebol. Trata-se de uma atuação de salvação nacional.

                   É necessário, é urgente construir uma posição forte, frente a força avassaladora que nos ameaça.

                   A direita está se fortalecendo e se articulando em torno de um discurso unitário, com associações atuantes e uma militância que, apesar de difusa, está prestes a se articular em torno de Jair Bolsonaro que, dado o seu ascenso nas pesquisas eleitorais, pode vir a consolidar um grupo expressivo junto à Câmara e Senado, câmaras estaduais, Forças Armadas, grupos populares conservadores e parte da imprensa.

                  É importante entender que Jair Bolsonaro não é uma força em si, ele não é um líder de massas, como foi Hitler, Mussolini, Perón ou Franco, ele é, de fato, caricato, falastrão e raso. Ninguém sabe com clareza qual é a sua proposta para a economia, para a saúde ou habitação, nem qual é, de fato, a sua ideologia política. Ele só esbraveja aquilo que o público conservador quer ouvir. Ele é como um símbolo qu