Rowan de Araujo in PROFISSIONAIS EM ADMINISTRAÇÃO, Profissionais Administrativos, Recursos Humanos Vice Presidente do Conselho Empresarial de Mineração e Siderurgia Assoc.Com. Emp. Minas May 31, 2020 · 25 min read · 2.0K

A mineração é para os experientes, estudiosos, especialistas e corajosos. Temos grandes exemplos de empreendedorismo, coragem, trabalho coletivo e formação de capital humano. O imediatismo não combina com a ciência da mineração

A mineração é para os experientes, estudiosos, especialistas e corajosos. Temos grandes exemplos de empreendedorismo, coragem, trabalho coletivo e formação de capital humano. O  imediatismo não combina com a ciência da mineração


Essa iniciativa  de Eliezer Batista contrariava os interesses dos EUA e Europa, lembrando que isso acontecia em plena Guerra Fria e os EUA mandava mais no mundo do que manda hoje  era radicalmente contra fornecer minério de ferro para o Japão, temendo que o Japão voltasse a investir em armamento  militar.

Houve então pressões para travar esse projeto de navegação levando minério de ferro do Brasil, CVRD-VALE  para  o Japão,  e que assegurava o crescimento da CVRD-VALE. Mas Eliezer Batista e sua equipe desafiaram o mundo e  as grandes forças pela competência, coragem e engenharia logística. Mesmo sendo aconselhados por parte do governo brasileiro de desistirem e cederem as pressões vindas dos EUA e Europa.  Eles optaram pelo crescimento da CVRD-VALE, o Brasil e o Japão nesse ousado projeto. Foram corajosos. Saíram vencedores e contribuíram decisivamente com o crescimento da CVRD- VALE,  Brasil e o Japão. A CVRD-VALE cresceu e chegou a ter perto de 60 navios, através da sua subsidiária Docenave,  sendo por muito tempo a terceira maior frota de graneleiros do mundo. O Brasil exportou mais, e as siderúrgicas do Japão cresceram também.

Foi o passo mais importante que transformou a CVRD-VALE de minúscula mineradora do pico  do Cauê em Itabira, para gigante da logística de minério de ferro. Infelizmente isso é pouco comentado, inclusive dentro da CVRD-VALE, onde estive 31 anos.  Somos péssimos historiadores e comunicadores da cultura da nossa gente. Precisamos cultivar zelar, transmitir e legar o capital humano trabalhador, realizador e talentoso forte, histórico e determinante.


Pessoas, líderes de verdade;  que levaram talento para outros estados e países. São conquistas profissionais de poucos, obtidas pelo trabalho diferenciado, qualidade de capital humano, trabalho em equipe e coletivo, que não se vê com facilidade nesses níveis. O Brasil precisa de brasileiros com essa coragem e talento. A CVRD-VALE só  é grande hoje, em função de iniciativas corajosas como essas e infelizmente pouco difundidas. A VALE acertou em cheio em homenagear o Projeto S11D, o seu maior feito levando o nome Eliezer Batista. Parabéns! Homenagem reconhecida e justa.


Nem no mundo da política e nem no mundo empresarial vêm havendo produção de líderes notáveis e sucessores. Isso é uma prioridade pouco difundida. Estamos ficando pobres nessa realidade. Os liderados imitam os líderes. Vi em um filme, o discurso do Kennedy, assassinado em 1963, e os discursos  de Trump e Bolsonaro  em 2020. 

Há  uma diferença de educação, coragem,  objetividade, talento e conhecimento das prioridades de uma nação abissal.  O discurso do Kennedy é compatível com o de chefe de nação, um estadista  de postura, valores  e confiança incomum. E mais,  Kennedy inspirava  paz, autoridade e respeito ao mesmo tempo. Uma diferença abissal comparada à Trump e Bolsonaro. Lula nem merece comentários e Dilma não sabia nem pensar, nem falar. Assim estamos de líderes de nação. Obama era mais talentoso, mas distante de Kennedy. 

Essa é uma prova absoluta e incontestável dessas minhas colocações. Lamento o  retrocesso, a falta de estadistas e líderes, ou essa falta de produção de homens de valores e seus sucessores, mostram, que americanos e brasileiros estão na realidade sem opções, se vêem na obrigação de votarem,  nos menos piores. Isso é fato. Ver um discurso de Kennedy  é assistir um verdadeiro estadista falar. Ver Trump e Bolsonaro falar, parece discurso de cartolas de futebol se digladiando  com rivais, nunca serão estadistas de qualidade; ou exemplares. Estão muito à quem de estadistas de verdade. Lamento!

Na liderança  da mineração nacional, perdemos ícones nos últimos  anos: Antônio Ermírio de Moraes, Eliezer Batista e José Mendo estes dois em 2018 e 2019. 


Eliezer Batista e Antônio Ermírio foram os homens que mais geraram empregos, . Um estudo de de MBA de 2015, por Evilásio Junior, aponta que os dois empresários, entre o século XX e XXI geraram perto de 3,2 milhões de empregos no Grupo VALE e Grupo Votorantim. Entre obras, empreitadas, empregados terceiros e diretos. Isso equivale hoje mais de 1,5 % da população inteira do Brasil. Essa marca pode ser insuperável. Esses empregos estariam nas áreas de mineração, siderurgia, celulose, energia, obras, alumínio, bauxita, alumina, florestas, minério de ferro, calcário, manganês, titânio,  ouro, pelotização, caulim, portos, navegação, comércio internacional, projetos e outros. 




A mineração na Economia:
Responde por 4% do PIB nacional, algo da ordem de R$ 400 bilhões. Emprega 2,5 milhões de pessoas. Exporta em média 400 milhões de toneladas ano. MG e PA são estados líderes da atividade. Temos 9.600 mineradoras ativas no país, e das 853 cidades de Minas, 480 tem atividade mineral. Juntas geram bilhões na cadeia de suprimento, impostos, etc. A massa salarial das mineradoras movimenta a economia e comércio local. Produz conhecimento, tecnologia, capital humano e operacional. Com a pandemia do coronavírus está altamente impactada. A economia desaquecida é um desastre na mineração  e siderurgia. O consumo de carros, geladeiras, fogões e muitos outros produtos, tem o consumo reduzido drasticamente. Tudo isso são minerais e metais transformados, vindo da mineração. A construção civil é toda vinda da mineração de forma direta e indireta, a estrutura / ferragem é aço, a brita, água, areia e vidro são minerais. O petróleo de onde se extrai e gasolina e diesel que transporta é mineral. A água é mineral. 

O universo da mineração
A mineração na realidade é um universo de produção de conhecimento, capacitação do  capital humano, operacional, e celeiro de criatividade, tecnologia , descobertas e grandes soluções. Está inserida em um amplo campo de melhores esforços e toda uma necessidade de avanço científico para ganhar produtividade e competitividade de forma permanente. Desse ambiente a melhoria de seu capital humano, eficiência em processos. Evolução de tecnologia e grandes projetos, originados de estratégias inteligentes e sustentáveis da ciência de minerar e beneficiar minerais e metais.      

José Mendo Mizael de Souza
Tive a grata oportunidade de iniciar a minha participação no Conselho Empresarial de Mineração e Siderurgia na ACMinas - Associação Comercial e Empresarial de Minas, onde hoje estou como vice presidente desse conselho, gestão 2020.  O Grande Engenheiro de Minas e Metalurgista, faleceu na manhã de 23 de setembro de 2019, foi um dos fundadores do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) com liderança internacional reconhecida no setor mineral. Além disso, José Mendo Mizael de Souza foi diretor do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG); presidente do Ibram e presidente do Conselho Empresarial de Mineração e Siderurgia da Associação Comercial de Minas. Foi eleito com um dos “100 Engenheiros do Século” pela Associação dos Ex-Alunos da Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais (EEUFMG), juntamente com a Sociedade Mineira dos Engenheiros entre todos aqueles que formaram na EEUFMG nos primeiros cem anos (1911 a 2011) de existência da Escola. "Mendo tem uma energia de trabalho contagiante" (Eliezer Batista)





Antônio Ermírio de Moraes

"Tudo a fazer em uma empresa, do mais simples ao mais complexo. Nós precisamos de experiência. Na mineração, isso tem uma importância enorme. Uma falha, provoca retrabalho operacional e isso fica caro. Cada centavo economizado com a experiência das pessoas em uma mineração . Vai somar em produtividade e competitividade no produto final. Eu não abro mão de experiência, que considero um atalho para chegar aos bons resultados" 

“O estadista pertence à nação. O político pensa que a nação lhe pertence.”
Traça a diferença entre Tancredo Neves e Paulo Maluf. 1984

“Ciúme de homem é uma desgraça, é muito pior do que ciúme de mulher.”
Crítica às “panelas” e “patotas” dos partidos políticos em geral. 1998

“O desempenho do governo em matéria de arrecadar impostos merece aplauso. O desempenho para investir nas áreas estratégicas merece uma nota sofrível.”
Pancada no governo Lula. 2007

FATOS RELEVANTES:

A FORÇA DAS  MINERADORAS EM POSIÇÃO GLOBAL X CORONAVÍRUS

Tom Butler, CEO do Conselho Internacional de Mineração e Metais (ICMM),  um órgão comercial que representa muitas das maiores empresas de mineração do mundo, disse recentemente: “Nossos membros estão enfrentando uma variedade de desafios, dependendo do ritmo variável da epidemia. diferentes países e as respostas dos governos ao redor do mundo.

“Muitas minas desempenham um papel vital no apoio às comunidades locais, o que é extremamente importante durante este período de crise global.

"A longo prazo, nossa indústria terá que trabalhar em conjunto para ajudar a apoiar a recuperação do choque que o Covid-19 está causando na economia global e nas comunidades locais".

No contexto de tudo isso, algumas das maiores mineradoras do mundo começaram a usar seus recursos consideráveis​​para impulsionar a missão global de conter a maré do Covid-19, comprometendo milhões de dólares em esforços de socorro e alavancando suas cadeias de suprimentos para fornecer às comunidades o serviços e equipamentos que os ajudarão a suportar a crise da saúde.

 BHP apoia comunidades mineiras na Austrália e Chile

Por seu lado, a mineradora anglo-australiana BHP anunciou planos para estabelecer um fundo australiano de US $ 50 milhões para apoiar comunidades nas regiões da Austrália onde opera, com investimentos a serem direcionados para serviços essenciais de saúde e construção de resiliência.

Mike Henry, CEO da BHP, disse: “Sabemos que o Covid-19 exigirá uma resposta coletiva significativa de governos, empresas, comunidades e indivíduos em toda a Austrália. Estamos determinados a desempenhar nosso papel ao trabalharmos juntos nesse desafio. ”

IMPACTO DO CORONAVÍRUS NA MINERAÇÃO

A BHP possui um grande negócio de minério de ferro na Austrália Ocidental (Crédito: BHP)

No Chile, onde a BHP opera dois vastos ativos de mineração de cobre - Escondida e Pampa Norte - a empresa comprometeu mais US $ 8 milhões para fortalecer a rede de saúde pública do país, em colaboração com a faculdade de medicina da Universidade Católica.

A estratégia de investimento se concentrará principalmente em um programa de teste de vírus, alcance da comunidade e desenvolvimento de capacidade laboratorial adicional para acelerar o processo de detecção.

Rio Tinto une US $ 60 milhões aos esforços de ajuda do Covid-19

A Rio Tinto é a mais recente a anunciar um pacote de estímulo financeiro para apoiar a “preparação e recuperação da comunidade global de base Covid-19”, comprometendo US $ 25 milhões com a causa e levando sua contribuição total a US $ 60 milhões.

O executivo-chefe da mineradora anglo-australiana Jean-Sébastien Jacques disse: “O Covid-19 é uma tragédia humana e todos temos que desempenhar nosso papel à medida que a pandemia se espalha. Nossa primeira prioridade continua sendo a saúde e a segurança de todos os nossos funcionários e comunidades.

“Nós não somos de todo complacentes. Segurança e saúde vêm em primeiro lugar, pois continuamos entregando para nossos clientes, nossos negócios e comunidades anfitriões. ”

A injeção de dinheiro para o esforço de alívio pandêmico inclui o fornecimento de máscaras e equipamentos de proteção a profissionais de saúde e suporte de emergência, bem como o fornecimento de ventiladores e unidades médicas temporárias às comunidades locais.

AS AÇÕES  DE APOIO E AJUDA EXTRAORDINÁRIA  DA VALE: 

A VALE  aproveita no momento a sua rede de cadeia de suprimentos asiática para adquirir kits de teste para o governo brasileiro. A maior mineradora do Brasil, a Vale, também iniciou uma série de medidas de apoio a empresas e comunidades em seu mercado doméstico. No início deste mês, confirmou a compra de cinco milhões de kits de testes rápidos de coronavírus da China, que serão entregues ao governo brasileiro em lotes durante as primeiras semanas de abril. A VALE tem dado uma grande exemplo e força contribuição ao governo, ao Brasil. Isso é inegável. 

Tomo a liberdade de parabenizar o seu presidente, diretoria e toda sua população de empregados envolvidos e comprometidos . Empresa onde estive por 31 anos e sempre houve  essa vocação patriótica e humanitária. Faz parte de seus objetivos e ações de sua governança, várias vezes presenciadas  por mim, tanto no sudeste, quanto no norte do país.

A Vale comprou cinco milhões de kits de teste Covid-19 da China (Crédito: Vale) Além dos kits de testes, a Vale também forneceu equipamentos de proteção individual para profissionais da área médica - incluindo óculos, luvas e máscaras. Mais uma vez parabéns a VALE, pelas boas intenções em colaborar com o momento difícil o Brasil.


Observação e Fatos:

 A geologia está parada faz anos. Peru e Chile investiram mais nos últimos anos e tiveram novas descobertas de minerais e metais. A burocracia, CUSTO BRASIL, insegurança jurídica, barreiras políticas, afugenta investidores e atrapalham a competitividade. Com o atual governo há mais confiança. A siderurgia enfrenta a severa concorrência global. Assim como na mineração com alto custo para produzir. Os desafios das mineradoras são: custo de energia, carga tributária, tecnologia para gerir teores e solução de rejeitos. Investir em projetos de engenharia para deixar as barragens mais seguras. Desburocratizar os muitos licenciamentos parados. Aprimorar a comunicação e o relacionamento com as comunidades vizinhas De positivo; as mineradoras criaram a aliança Mining.

 Hub. (Hub da Mineração) centro de produção de ciências das mineradoras juntas (Somos uma iniciativa de Inovação Aberta que busca soluções para os desafios comuns do setor, integrando mineradoras, fornecedores, startups, pesquisadores e investidores, gerando oportunidades e conexões para diferentes atores da mineração. Influenciamos o futuro da cadeia e do setor, buscando alternativas de forma integrada. Propomos atuar como agente de mudança contribuindo para transformação de cultura e reputação do setor. Se você enxerga valor nas conexões do Mining Hub, venha fazer parte do nosso espaço e esteja perto dos maiores desafios e das oportunidades de mudança do setor. . Avançaram uma década. https://www.mininghub.com.br/ Trabalho excelente, Parabéns!

O desenvolvimento só pode ser sustentável essa é a crença da mineração moderna. A palavra desenvolvimento sustentável, é filha da mineração. Ganhou projeção e corpo somente com a filosofia operacional do Projeto Carajás, onde estive por 18 anos. A CVRD priorizou o conceito pioneiro da mineração verde sustentável. Economizaram US$ 1,4 bilhões e entregaram o projeto antes do prazo. Foi o único projeto estatal que sobrou dinheiro e entregue nessa condição. Pesquisas feitas na Praça Sete em BH. Mostram que nem todos mineiros conhecem a mineração. Embora chamemos Minas Gerais, muitos não sabem que a água, o petróleo, de onde se extrai a gasolina. Brita, areia, manganês, nióbio são minerais. Enxergamos Minas, praticamente só pelo minério de ferro e a VALE. Os carros, celulares, aviões, televisão, fertilizantes, remédios, edifícios, e tudo que usamos vêm da mineração em forma de minerais e metais transformados e isso, não é só minério de ferro. A nossa missão é levar as pessoas para a mineração e trazer a mineração para as pessoas, em forma de conhecimento. Tratando esse tema como projeto de treinamento, educação e comunicação para a população de Minas. Educação é prioridade. Falta de conhecimento não é atestado de incompetência. As causas estão na limitação financeira, falta de oportunidade de aprender, etc. A educação ambiental no eixo das mineradoras para crianças e adultos passa a ser um instrumento estratégico de multiplicar educação e conhecimento. O conhecimento e informação são os recursos estratégicos para o desenvolvimento de qualquer país. Os portadores desses recursos são as pessoas. 

Um resumo do Projeto Carajás

Eliezer Batista, como presidente da VALE, implantou o Projeto Carajás, entregou antes do prazo com uma economia de US$ 1,4 bilhões, o único projeto estatal da história do Brasil que sobrou dinheiro. Projeto pioneiro da mineração verde e exemplo de sustentabilidade. Foi mostrado na Eco 92, e a palavra desenvolvimento sustentável é filha o Projeto Carajás. A Teoria do Desenvolvimento Sustentável foi a primeira tentativa de ordenar o mundo, a partir do equilíbrio das vertentes social, econômica e ambiental. E, embora a história seja econômica nesta citação, trata-se de um produto tropical, made in Brazil. Seu laboratório foi o Projeto Carajás, da Vale, o primeiro grande empreendimento a seguir os preceitos do desenvolvimento sustentável. Tudo, no entanto, foi feito de maneira intuitiva. A teoria da sustentabilidade ainda não estava racionalizada.

O conceito de desenvolvimento sustentável só começou a ganhar corpo quando o empresário suíço Stephan Schmidheiny veio ao Brasil para coordenar a ECO 92, no Rio de Janeiro. Na ocasião, ele visitou Carajás (PA) e se deparou com os aspectos econômicos, ambientais e sociais aplicados em simultaneidade. Da prática observada, Schmidheiny partiu para a teoria e organizou o conceito de desenvolvimento sustentável, ampliando o postulado de ênfase ambiental cunhado em 1987 no Relatório Brundtland

Lamentamos as quase 300 mortes, ocorridas  pelo rompimento das barragens de Mariana e Brumadinho. Nossa solidariedade as famílias. Inclusive de amigos meus, que tiveram perda de filhos. Amigos de vida pessoal e profissional. Trabalhei 31 anos na CVRD-VALE e ali fiz grandes amigos e colegas.


Uma observação sobre as mineradoras e o a sua natureza de sistemas, em uma análise geral do ecossistema operacional das mineradoras de todo planeta:

Uma mineração operada por homens sem coragem e não dispostos fazer, defender sua essência de base técnica, do conhecimento responsável e competente . Curvando-se e não argumentando seus superiores, muitos de conhecimento apenas conceitual colocados muitas vezes por pressões de  acionistas é o caminho aberto para a não sustentabilidade de diretores e gerentes. Os resultados não saem. Problemas se acumulam e formam uma atmosfera de risco. Na mineração não pode haver o imediatista, porque esse tipo de postura tem tendência de especular papéis de mercado e ser atificialista, mascarar resultados e isso é um perigo para realidade do campo, onde ocorre a operação que faz acontecer. A situação real e clara e não a artificializada, mostrada a leigos que acreditam.   

Decisões têm de ser coletivas e respeitadas com base em experiência  e inteligência operacional. Não basta conceito. Na mineração o conhecimento para decidir é moldado no conhecimento operacional do negócio. Não há outro caminho mais responsável seguro que não seja  a ciência e o conhecimento integrado de geologia, engenharia de mineração, alinhado em conhecimento, técnica para planejar, operar e administrar o sistema da mineração. É pura ciência e uma alta base de situações concisas de complexidade intrínseca. Hoje com base na mineração sustentável,   boas e harmoniosas  relações com a vizinhança, do eixo das mineradoras. Considerando que os dois rompimentos da barragens de Mariana e Brumadinho com quase 300 mortes, demonizaram a palavra mineradoras em geral, na mídia e demais meios de comunicação. O temor de novos acidentes com barragens nas comunidades vizinhas às mineradoras existe hoje, isso é fato. Criou um trauma, que só pode ser amenizado com comunicação, diálogo, entendimento, paz e empatia. Além de compromisso sério de reparar as partes afetadas. Reconhecer as falhas e prejuízos.  Não há outro caminho.  
Esse documento do link deveria ser conhecido por toda população brasileira:     http://portaldamineracao.com.br/ibram/carta-compromisso-do-ibram-perante-sociedade/

Mineração é atividade a ser trabalhada à longo prazo. 
Deve ser administrada, operada e desenvolvida por profissionais corajosos, adeptos da organização, cautela e planejamento. Os riscos e a ousadia são calculados. O problema de leigos no comando da mineração é que eles não gostam e não querem ouvir os experientes por competência,. Eles se sentem inseguros e quando ouvem alguém. Vão ouvir os seus consultores próximos que também não entende como ele da mineração. A prioridade são os lucros a qualquer custo. E os lucros na mineração são altos em maioria das vezes.

Leigos no comando de uma mineração, anestesiados pela gula do lucro ignoram os riscos, não investem na prioridade de segurança e meio ambiente. O grande problema na mineração é que uma decisão errada de hoje, pode ficar adormecida por anos. Quando vem alcança os piores estágios. O volume de produção é grande e encoberta ou deixa oculta situações que só os expert do negócio identificam. Concluindo: o leigo no comando da mineração, comandando diretores, gerentes e supervisores sem a coragem para argumentar e medo de perder o emprego, pode gerar grandes problemas e prejuízos de toda natureza, inclusive acidentes  graves e danos ao meio ambiente.

Mineração é composta de engenheiros, geólogos, técnicos e gestores  estrategista especialistas na ciência operacional de minas. A maioria são  estudiosos por vocação, respaldados no conhecimento seguro do que dizem e praticam, através da ciência de mineração. 

A Complexidade Operacional de Sistema de mineração e a referência sempre em prazo de planejamento e produção :

As decisões são técnicas. Os riscos de acidentes ou resultados fracos da atividade são relativamente menores e minimizados, quando os verdadeiros profissionais da mineração assumem posição top e estão entre as maiores decisões estratégicas e táticas das empresas mineradoras. Eles darão argumentações técnicas inquestionáveis.

A mineração só funciona de forma satisfatória e de verdade, através da engenharia com poder de decisão, comando, autonomia, liderança e o gerenciamento pleno de planejar, fazer, verificar e agir sistêmicamente para o crescimento seguro da atividade fim.
Comunicar, cobrar e dar resultados pela ciência de operar uma mineradora indiferente de porte e tipologia  de minério e metais. A rotina da gestão de uma mineração é um treinamento quotidiano. Feito por decisões contínuas à curto, médio e longo prazo. Como toda atividade existem os imprevistos e os meios seguros de criar soluções alternativas, para não interferir na produção. São decisões tomadas de forma dinâmica e corajosa durante 24 horas. Essa condição é que faz da Escola da Mineração ter como base, ou pilar o apurado conhecimento técnico - humano - profissional, que também dá a formatura do modelo mental de seus profissionais. Condição essa, que muito se difere de outras áreas e ciências profissionais. É uma atividade desenvolvida e gerenciada a campo no que tange ao comportamento operacional,
Como poucas atividades; os profissionais criados na mineração são mestres na racionalização de seus recursos com eficiência na mineração moderna, sustentável e responsável. Aportando a  ecoeficiência e segurança como prioridade com caráter sistêmico e holístico para definir as bases que sustentam a cadeia de produção  e resultados operacionais correlatos. Trazendo o compromisso de produzir com qualidade, custo, ética e segurança.

Uma mineração geralmente forma grandes gestores de custo, porque o consumo de diesel, explosivos, energia e pneus de caminhões fora de estrada exigem isso de forma rotineira e trazem um peso elevado de gestão do opex  formando indicadores da eficiência operacional, eficiência energética, o mix de eficiência. A velocidade de ciclo operacional, etc. Que precisam ser equalizados entre a logística de rejeito x material  a ser usinado. São medidas coligadas na aderência de orçamento X custo e outras referências de desempenho operacional. São componentes e variáveis (que medem o processo produtivo). Esse universo operacional da mineração impõe uma realidade: Ou ganha dinheiro por segundo; ou perde muito dinheiro por segundo. Na prática operacional é essa a filosofia. A movimentação de uma produção operação de Mina coligada na produção e Operação de uma planta industrial de mineração, envolvem milhões e bilhões em ativos, equipamentos, estruturas de produção, apoio, energia, combustíveis, logística, suprimento, recursos humanos, financeiros e materiais. É um grande desafio que exige competência. experiência. Planejamento, Execução, Verificação e Ação. Com decisões, definições, mudanças e alternativas técnicas rápidas seguras
 produtivas e eficazes. 

A mineração é realmente uma atividade que difere de muitas outras em função de sua complexidade de produção, operação, manutenção, logística interna e gestão dos recursos humanos, financeiros e materiais correlatos. Além da maneira técnica e determinante de trabalhar por exemplo com o  processo de desmonte de  rochas e  a pesada movimentação de rejeito. A gestão de teores, a ciência e habilidade, ou o talento de  blendar e combinar tecnicamente a qualidade de minério de maior  teor com o de menor teor é uma verdadeira arte  em tipos de situações para  equilibrar a qualidade / teores e chegar a qualidade x, y, z. com otimização do processo e até mesmo a viabilidade do negócio no produto elaborado e o perfil de teores, granulometria e outros elementos  que o cliente e o mercado pede. 

Teores e rejeito são duas palavras de permanente visão na mineração sob o eixo de uma visão estratégica e competitiva de gestão.  O rejeito de ontem em muitas mineradoras, hoje é material de valor hoje. Isso não foi palavra mágica. Demandou criatividade, talento, esforços, pesquisas, testes e tecnologia. Rejeitos aos poucos têm encontrado soluções. Finos de minério de ferro  na fabricação de tijolos, deu certo. A nanotecnolgia  vai andar junto com a mineração. Estamos evoluindo em um processo de ecoeficência, mineração verde- sustentável. O tempo é longo para isso crescer.   

Na mineração essa prática de elevado conhecimento  e habilidade operacional (Controle de Qualidade)  é rotina entrelaçada, conforme mencionado na arte de operar, desenvolver. Gerenciar processos de extração e tratamento de minério. Concentrá-lo dependendo da tipologia de processo e cumprir a missão de disponibilizá-lo em qualidade da produção programada; que  é reitero; uma arte que está vinculada em conhecimento e técnica apurada e sistêmica, com cunho de alinhamento e balanceamento para atingir resultados de qualidade subsequentes. Sempre mediante a quantidade e qualidade programada para atender de forma satisfatória os clientes (requisitos de qualidade definidas pelo cliente).

Processo Operacionais que envolvem  equipamentos pesados, modernos, estrutura física operacional que representam bilhões em ativos. Milhares de pessoas, metas e compromissos arrojados. Guiados por estratégias de gestão, confiança nas operações, tecnologia, know how e domínio operacional do negócio. Planejamento a curto, médio e longo prazo com decisões arrojadas e difíceis, somente com embasamento técnico e definições atreladas a geologia e engenharia e combinação de ambas as ciências de forma sistemica.
.
A geologia aporta geomorfologia, geologia regional, geofísica e geoquímica. Sondagem, topografia, gestão de testemunhos, serviços de laboratório. Análise, estimativa de potencial mineral e outras conclusões, juntamente com o planejamento  e integração com a engenharia de mineração, que dimensiona equipamentos e faz a gestão da produção, operação, manutenção apoio operacional, suporte, engenharia de projetos focado em melhoria da infraestrutura de mina e  até mesmo na relação direta com a planta industrial e a sua alimentação  de minérios ou metais. Cuidando compartilhadamente da Segurança, Saúde e Meio Ambiente de mina, planta industrial, instalações em geral e ativos.

Dentre os indicadores a eficiência energética em padrão benchmarking é importantíssima. Da parte de produção e operação o guia será sempre a especificação padrão, os requisitos de qualidade e quantidade definidas e  solicitada pelo cliente quanto a teor,  granulometria e os os outros padrões correlatos. O foco estratégico é a racionalização de recursos, a otimização  competitiva, por visão e adoção de uma cultura permanente de redução de custo. Para chegar aos melhores indicadores e as melhores práticas que levam a eficiência, ecoeficiência, competitividade, produtividade e lucro. O lucro não pode ser a qualquer custo. Deve ser oriundo dessas melhores práticas responsáveis, agregadoras e que priorizam a segurança das pessoas e a preservação do meio ambiente. 

A mineração competitiva exige:
Tecnologia, treinamento das pessoas, aprimoramento de processos operacionais,  logística operacional:  lay out inteligente, seguro e competitivo, quanto às distâncias definidas entre oficina, almoxarifado, reservatórios para o suprimento de água e diesel e outros tipos de energia. Instalações de apoio logístico, laboratório. Localização segura de paióis de explosivos e galpões de testemunho. Distância entre britadores fixo ou móveis da planta de produção demandam um constante levantamento do ciclo operacional x eficiência energética, o índice que mede a a efetiva gestão via indicadores da produção, sempre coligados aos de manutenção:
  • MTBF; MTTR; Disponibilidade Inerente; Confiabilidade; Custo de Manutenção / Faturamento; Custo de Manutenção / ERV; Custo de Manutenção/ Unidade Produzida; Backlog; HH empregado por Tipo de Manutenção; Fator de Produtividade da Mão de Obra;
O gerenciamento é complexo e arrojado.
Esta é a diferença base de ter uma mineração de verdade em relação às comandadas e operadas por leigos, imediatistas e artificialistas de números da mineração e desempenho, daquilo que não conhecem, não entendem ( do negócio) a não consideração dos riscos operacionais e cadeia produtiva envolvida. A mineração envolve um universo de competências, habilidades específicas e ciência de decisões exigidas no conjunto da obra de gestão, missão, visão, valores,  estratégias, proatividade e prioridades do sistema da produção em harmonia com o sistema operação, manutenção, sondagem geologia, apoio, suporte,  suprimento, logística, meio ambiente, segurança e outros.

Os especialistas da mineração são estrategistas, nunca são imediatistas ou artificialistas
O perigo maior dos imediatistas e dos artificialistas no comando e gestão de uma mineração, é : em primeiro lugar, não sabem o que fazem. O segundo é o de Vislumbrarem com a magnitude do negócio- mineração, tamanho dos lucros. Se levar pelo  poder de chefiar  em  dimensão estratégica ou tática de milhões, ou bilhões e com e ampla possibilidade de projeção do sucesso profissional, holofotes e mídias por comandarem grandes estruturas. Aí muitos se empolgam, principalmente querendo gerar mais, e mais lucros e nem sempre responsáveis.
Perdem a ética, o  pé no chão e vão agindo pela vaidade, convencimento, força de persuasão. Só pensam na fama, mas pouca competência e conhecimento. Mais holofotes, mídia e ambiente artificial, moldado pelo poder e interesses puramente pessoais e conveniências. Todo tipo de vaidade que passa em cima da ciência da mineração, oculta os riscos e faz criar a irresponsabilidade.

Impera o poder oco feito pelo poder de mídia e marketing pessoal. São considerados fenômenos de gestão. Mas na realidade comentem a famosa miopia do negócio. Dessa maneira os leigos, imediatistas e artificialistas, empolgados pela fama. Surgem fortemente famosos no mercado e mídia. Mas com o tempo se perdem no complexo meio de gestão da mineradora responsável, quando fazem parte dela. Para sustentar o lucro às vezes artificiais,  passam até a ocultar os riscos operacionais. Evitam parar a produção  para não fazer obras de correções necessárias e prioritárias para segurança das pessoas e o meio ambiente. A filosofia do Grande Lucro acima do Lucro Responsável, quando  prevalece só podemos esperar o caos. Isso em todo negócio,

Mas na mineração o risco é de categoria 4. A mineração apresenta risco grau 4, segundo classificação da Norma Regulamentadora 4 (MTE, 2008), Quadro 1, o que se reflete em uma maior exposição do trabalhador ao risco e na ocorrência de acidentes.

Reiterando: a gula na mineração, quando não entendem do negócio:
Buscam incessantemente o lucro à qualquer custo e não enxergam as necessidades prioritárias e básicas que dependem de investimentos, ações imediatas, urgente, ou intervenções que não podem ser postergadas. Mas o que impera muitas;  e se prioriza é a visão dos lucros, cada vez maiores a qualquer custo munido da gula empresarial e projeção artificial maior.

A visão, ou condição que faz perder a identidade, direção lógica e a ética do negócio. Fazem ignorar os riscos e ocultá-los e maquiar resultados, inclusive para se sustentarem e isso vem junto com a enganação. Que passa a ser vista e criticada cada vez mais. Principalmente quando identificada pelo mercado e fontes seguras e gerando pressões e cobrança dos entendidos e especialistas, inclusive de órgãos fiscalizadores, para fazer a coisa certa.

A a tendência depois de certo tempo é que esse tipo de gestão artificial, diria. Fica sempre marcada pelo insucesso e irresponsabilidade. A mineração é um ovo, uma redoma, se o profissional se queima em uma, se queima imediatamente nas demais. Essa realidade é franca, aberta.  Vista e evidente como uma marca forte da mineração, ou punição natural e severa desse meio para comportamento e conduta. Ás vezes injusta, mas é o que prevalece, tipo: "é a primeira impressão ´que fica". Mas o tempo é professor. determinador, justificador e esclarecedor. Muitos o colocam como melhor remédio e aí chegamos ao ditado: "todos merecem a 2a oportunidade". Nesse cenário de colocações; muitos se recuperam, erguem, reencontram e renascem das cinzas e outros vão ficar adormecidos para sempre.

A verdadeira mineração tradicional, comandada por experientes e gente que entende do negócio: 
Na mineração verdadeira, séria e profissional, não há espaço para falta de ética, maquiagem, artificialização de resultados burocracia e postergamento das prioridades básicas de segurança, sustentabilidade ambiental, pessoas, processos, tecnologia, estratégias de novos projetos e melhoria contínua. 
Porque há gestão experiente de risco, competência e ciência operacional que detecta e verte desvios e anomalias com solução imediata.

Mineração é geologia, planejamento e engenharia da mineração aliadas, alinhadas em todos os sentidos. Formando um só corpo de ação, decisão e trabalho. Esta aliança de fatores das dua ciências fortalecem continuamente a melhoria, know How nobre da mineração e a sustentabilidade científica e tecnológica. É um trabalho seletivo por si próprio, e os melhores profissionais, sempre criam coisa novas, melhoria contínua centradas na produtividade. Essa é uma equação da mineração, trabalho e profissionalismo. 

A gestão da mineração com ênfase em competência, conhecimento, prioridade, postura e ação:  
É a relação entre o suporte, apoio e a formatura da capacidade técnica unida para identificar e tratar as prioridades quotidianas com experiência de fato e decisões assertivas. 
A experiência é fundamental, englobando comunicação, liderança, empatia, segurança, meio ambiente e competência profissional.
Os verdadeiros gestores da mineração atuam incansavelmente na redução de custo, projetos de melhoria, otimização, fusão de contratos terceiros, pesquisas de equipamentos, softwares, controle de ativos e gestão de pessoas, pela natureza do trabalho. Para isso é preciso frequentemente que os gestores da mineração façam mudanças corajosas e desafiadoras. Assumidas, tocadas pelos líderes e aceitas pelos liderados. Pacificar as resistências naturais às mudanças, usando a habilidade de comunicação, manutenção da competência, segurança e confiança dos liderados. 
Harmonizar as operações com as áreas e departamentos pares. Trabalhar com uma filosofia coletiva de planejar, executar, verifica e agir com essa visão filosófica e sistêmica de atingir as melhores estratégias, práticas, metas, objetivos. Obter indicadores diferenciados de uma gestão eficiente e ecoeficiente. Destacada também em saúde, segurança e meio ambiente. 

É portanto missão dos gestores e líderes da mineração, dar bons exemplos e transmitir valores e conhecimento:
Estar sempre buscando o aumento do rendimento das pessoas com educação e treinamento com ele mesmo na função de professor coach. O capital  humano na mineração é imprescindível  é uma das atividades que melhor remunera os profissionais e com chance de êxito. Estar atualizado tecnologicamente e ser exemplo de vida humana, social e profissional são fatores importantes, principalmente para as posições de comando, liderança, gerência e diretoria. Postura do bom exemplo, personalidade e moral. Os liderados imitam os líderes e isso aumenta as qualidades do capital humano / pessoas. Produzindo transmissão de valores, orgulho profissional, conhecimento, métodos e soluções de problemas que interferem na produção, juntos, unidos com seus liderados no ambiente de ensino e aprendizado mútuo, e oriundo do bom exemplos de pessoas chaves de comando. Os diretores, gerentes, gestores, líderes, supervisores e sub líderes das áreas operacionais.

As empresas possuem naturalmente a capacidade de produzir uma massa de conhecimento técnico e humano. 
Mas mineração essa condição se difere de muitas outras atividades em função da diversidade de processos, tarefas e procedimentos operacionais totalmente à campo.  Naturalmente a atividade faz organizar e fazer a gestão do conhecimento e sua transmissão. A instrução de trabalho é um ponto permanente. O planejamento de produção e as relações do programa e planos operacionais seguem uma direção bilateral entre as áreas pares como a geologia, principalmente e depois a manutenção, engenharia suprimento, meio ambiente, segurança e logística. O ensino e o aprendizado mútuo. Todo esse know How,  devem ser tratados e desenvolvidos por uma universidade corporativa, que é isso. Dependendo do porte e capacidade de investimento de uma mineradora. Conversei isso com Dr.Eliezer Batista.

O MEU  PROJETO, ORIUNDO DE SEUS ENSINAMENTOS E ORIENTAÇÕES, TODO FOCADO EM EDUCAÇÃO E AUMENTO DO CAPITAL HUMANO - PRODUÇÃO DE VALORES, CAPITAL OPERACIONAL. GESTÃO DO CONHECIMENTO - VOLUNTARIADO NA POPULAÇÃO - AUMENTO DO CAPITAL COMUNITÁRIO ( SÓCIO AMBIENTAL- SUSTENTÁVEL)

Com os ensinamento, ideias e as dicas do Dr.Eliezer relativas a produção de conhecimento. Criei um projeto de Universidade Corporativa para as Mineradoras e o mostrei. Ele achava que eu estava no caminho certo; e isso me motivou. Notei que a universidade corporativa, vai muito além. Além de ser uma ferramenta de produção cientifica, consegue com facilidade educar, treinar as pessoas, e sobre tudo; cria um fortalecimento contínuo e perene destes elementos. Falo ainda de outro macro fortalecimento de grande importância; o da cultura organizacional, a transmissão de valores, comprometimento e o orgulho de participação e integração para a consonância da missão, visão, crenças e valores e a ética que move o negócio. O empregado bem educado, treinado e com o moral elevado rende mais, e isso agrega um grande valor.

No momento atual da mineração de Minas Gerais, nós temos que atuar muito nisso, tanto na condição profissional, quanto cidadão. Precisamos fortalecer a sustentabilidade e o amplo e transparente relacionamento com as comunidades. Mais de 50% dos nossos municípios possuem um tipo de mineração. Um amplo esforço, projetos de adequação, investimentos em tecnologia e políticas da mineração sustentável podem assegurar a confiança e todo ambiente empresarial e operacional focado na segurança das comunidades. O fortalecimento da educação e treinamento possibilita uma rede de comunicação e informação. Formando elementos sólidos que geram o bom conhecimento, que agrega valor.

Isto ajuda a preparar um sistema para as pessoas e as pessoas para o sistema, que se interagem em dimensões humanas, pessoais, sociais e profissionais. No que tange aos negócios, isso integrará as pessoas, o capital humano, processos e tecnologia, ou seja, eficiência empresarial. No que tange às relações comunitárias, nós aumentamos o nosso capital empresarial comunitário e harmonia quotidiana. Tudo isto tem uma só resposta: o desenvolvimento só pode ser sustentável e deve ser amplamente conhecido, divulgado e praticado. 

Pesquisas feitas na Praça Sete em BH. Mostram que nem todos mineiros conhecem a mineração. Embora chamemos Minas Gerais, muitos não sabem que a água, o petróleo, de onde se extrai a gasolina. Brita, areia, manganês, nióbio são minerais. Enxergamos Minas, praticamente só pelo minério de ferro e a VALE. Os carros, celulares, aviões, televisão, fertilizantes, remédios, edifícios, e tudo que usamos vêm da mineração em forma de minerais e metais transformados e isso, não é só minério de ferro. A nossa missão é levar as pessoas para a mineração e trazer a mineração para as pessoas, em forma de conhecimento. Tratando esse tema como projeto de treinamento, educação e comunicação para a população de Minas. Educação. é prioridade.

Falta de conhecimento não é atestado de incompetência. As causas estão na limitação financeira, falta de oportunidade de aprender, etc. A educação ambiental no eixo das mineradoras para crianças e adultos passa a ser um instrumento estratégico de multiplicar educação e conhecimento. "O conhecimento e informação são os recursos estratégicos para o desenvolvimento de qualquer país. Os portadores desses recursos são as pessoas.¨" (Peter Drucker)



“O reator da economia moderna não é a fazenda, não é a fábrica, não é o banco. É a escola. 9Peter Drucker) Toda empresa precisa se tornar uma instituição que aprende. Ela também precisa se tornar também uma instituição que ensina (Peter Drucker);

O conhecimento e a informação são os recursos estratégicos para o desenvolvimento de qualquer país. Os portadores desses recursos são as pessoas. (Peter Drucker)

"Numa sociedade com base no conhecimento, por definição é necessário que você seja estudante a vida toda".(Tom Peters)

O futuro das organizações - e nações - dependerá cada vez mais de sua capacidade de aprender coletivamente. ” ( Peter Senge)

“Organizações aprendem apenas através de indivíduos que aprendem.” (Peter Senge)

- “A mudança não virá se esperarmos por outra pessoa ou outros tempos. Nós somos aqueles por quem estávamos esperando. Nós somos a mudança que procuramos.” ( Barack Obama)

.. Nos próximos 20 anos, todo o trabalho dos executivos do planeta será desenvolvido por meio de projetos (Tom Peters)

A estratégia é uma força poderosa na determinação dos resultados competitivos. (Michael Porter)

O desenvolvimento do capital humano é uma constante engrenagem que não pode parar em uma corporação, se não houver manutenção, as consequências podem ser irreparáveis. Uma empresa ou qualquer instituição, só consegue sucesso, se os empregados, a sua administração, os clientes e todas as partes interessadas que participam direta e indiretamente fazem esse sucesso acontecer. A empresa é um sistema. Os homens de gestão só conseguem elevar este sucesso com pensamento sistêmico, holístico comunicador e de entendimento, habilidade organizacional, liderança e capacidade de educar, treinar, dar manutenção na competência nas pessoas, e acima de tudo ter coragem para fazer mudança, eliminar riscos, melhorar e inovar continuamente. A habilidade coach é indispensável nos líderes daqui por diante.

No futuro todos os líderes serão Coaches. Quem não desenvolver essa habilidade, automaticamente será descartado pelo mercado. ( Jack Welch)

A sua missão é decidir com prioridade da ética e criar um ambiente de aprendizado e feedback coletivo e de empatia com esforço e dedicação avante para a produtividade, competitividade, estratégias, eficiência e lucro. Vale lembrar também, que nenhuma administração do mundo vai fazer sucesso, se não tiver um amplo projeto de comunicação estruturada, inclusive envolvendo os empregados terceiros e a busca e de ambiente colaborativo, leal e com visão centrada no capital humano e todo posicionamento e dedicação gerencial com ações centradas e preparar as pessoas para o sistema e o sistema para as pessoas, com a perfeita aderência da missão, visão, crenças, valores , comprometimento, motivação e o orgulho presente nas atitudes sociais, humanas e profissionais coletivamente . Os gestores no século XXI serão mais tecnologistas. As empresas serão mais digitais e usuárias de sistemas inteligentes, robótica e inteligência artificial. A margem de lucro estará comprimida em função da competitividade. Estaremos em uma atmosfera de negócios e uma economia mutável dinâmica de muitos riscos e ameaças

As mineradoras devem prestar atenção nisso:
As mineradoras terão de aprimorar a comunicação e o relacionamento  em seu eixo de operações industriais, barragens e sistema de produção. Terá de usar a liderança operacional, além dos muros e limites da empresa. Transformar os líderes e liderados, juntamente com os empregados terceiros como embaixadores da comunicação e marca. Devidamente treinados, instrumentalizados para isso, através de RH e Comunicação Interna -Endomarketing e Externa. Fazer alianças e se fortalecer nas comunidades. Se fazer presente. Terceirizar esse projeto é um tiro no pé. A comunidade quer conversar diretamente com as pessoas da empresa com autonomia, ciência e capacidade para resolver problemas alí na hora. Isso é que vai inspirar um clima de confiança e harmonia com a comunidade. Vai construir um clima de empatia e respeito bilateral. Comunicação, coragem, liderança, educação e empatia são palavras chave nesse processo. 

O BOM PROFISSIONAL DA MINERAÇÃO:
O modelo mental dos profissionais da mineração estará sempre ativo e vocacionado historicamente para propor de maneira efetiva investimentos em tecnologias modernas seguras e de retorno do custo beneficio. Acompanhados de pesquisadas sólidas e responsáveis. Sempre com base em argumentações técnicas enriquecidas de fatos e dados, ou justificativas convincentes para os superiores, amparado naquilo que inspiram confiança, segurança e ciência do que defendem. São coletivos em suas decisões e desenvolvimento do trabalho. 

É muito comum usar esse modelo mental nas fases de orçamento do opex e capex das diretrizes, negociações e aprovações corporativas.  Além de desenvolverem uma forte cultura de redução de custo, otimização e encurtamento de processos. Possuem senso aguçado de prioridades, aliando senso de dono, urgência e economia.  A mineração produz excelente capital humano.
O ambiente do gestor de mineração é esse, além das pressões normais do quotidiano que existem para produzir, fato que ocorre em todas empresas do mundo, exceto as filantrópicas e estatais deficitárias, onde não existem metas arrojadas e substituição por fraco desempenho. Onde há metas arrojadas para se cumprir, a pressão para atingi-las, sempre vão estar juntas e coligadas.


Cabe aos gestores cumprir metas, não há escolha. Caso contrário são fatalmente substituídos. Para resumir; o compromisso é atingir metas. O não atingimento de metas, pode ser perfeitamente justificado, desde que tenha verdade base sólida, absoluta compreensão, força de respaldo e aceite superior. Uma conversa de vendedor de tapete, não suficiente.

Só assim as mineradoras conseguem elevar a competitividade do dia a dia, conectadas em novos projetos, que visam a sustentabilidade e atingimento múltiplo de metas arrojadas e objetivos desafiadores cobrados pela governança corporativa. A mineração é um ambiente altamente dinâmico na concepção de gestão e operacionalização do sistema de seu macroprocesso que aporta produção, operação, manutenção, logística, suprimento, suporte, apoio operacional, segurança, meio ambiente, etc.

Essas atividades são pares da plantas de beneficiamento consolidando o conceito da atividade e desenho operacional da maioria das mineradoras. Refiro às operações de mina e a operações da planta de beneficiamento, onde o sistema da mina alimenta o sistema de beneficiamento da planta , unindo esses dois sistemas integrados que caracterizam basicamente o perfil da atividade de mineração, sinergia e sistema operacional, que se expandem, se complementam e unificam as produções individuais e coletivas do sistema geral da mineração em termos de quantidade, qualidade, ou volume de produto programado de produção, para atender os clientes, consumidores globais.

A mineração séria sempre teve esse perfil e cultura operacional. 
Hoje já muito adicionado das tecnologias do setor, mas com um sistema todo definido pelas diretrizes tradicionais e amadurecidas com base na Engenharia que decide e a geologia que atesta, assegura e indica o potencial disponível para atender a produção. Ambas ciências e departamentos da empresa orientados pelo planejamento robusto e integrado de produção de minérios e metais balizados pela quantidade e qualidade.

Todas essas relações estabelecidas criam, ou norteiam para coesão para o ambiente de trabalho avante, produtivo e sistêmico. Identificado pelo entendimento mútuo e cooperação, que é um traço da cultura peculiar e vinculada à procedimentos bilaterais e integrados da geologia e engenharia da mineração juntas, determinantes, associadas e essenciais para progresso técnico e científico da atividade da mineração em seu contexto geral.
Temos então uma ambiência formada de fortes relações de empenho, trabalho e dedicação e integração para atender com eficiência as especificações do mercado comprador. Assegurando boa posição de mercado e sustentabilidade do ranking e market share da mineração.

Veja que na engenharia de mineração e na geologia, mesmo com o aparato tecnológico não basta só os relatórios, gráficos e planilhas modernas é preciso checar o quadro de evolução das, onde foi feita a detonação para a escavadeira trabalhar e disponibilizar o volume de material para alimentar a planta, o que altera as condições de acesso, a a redução linear do bancos e a elevação do risco de se locomover na mina operando.

Este é um detalhe quotidiano o da segurança e atenção permanente.
Eu particularmente vejo na Engenharia da Mineração o domínio e assertividade da razão de carga para desmonte uma arte. Reúne técnica, habilidade e conhecimento local para determinar quanto se gasta de explosivos para o desmonte de X tn de material.

Alguns riscos sempre trabalhados: 
Na mineração o Risco está existe, na movimentação de explosivos, condições de barragens, movimentação de equipamentos pesados. O senso de prevenção e atenção nas operações de forma evitar acidentes graves. Ter coragem para parar a produção. Usa o respaldo e a liderança permanente faz parte do dia a dia de um Gerente ou Gestor de Mineração.

É dessa maneira que funciona basicamente as mineradoras, e a ciência de gestão em todas suas fases e processos. Indicando que se trata de um sistema composto de gerenciamento de ações e iniciativas técnicas que anexam as responsabilidades, planejamento, planos e estratégias unidas e integradas, através de uma visão gerencial adequada e composta do processo geral, do controle permanentemente da produção planejada, assegurando o uso de táticas e culminando ao sucesso do negócio.

Atuei no Projeto Carajás 18 anos nas minas e ferrovia nas fases implantação, pré operação e operação
Nas minas Carajás, passei por atividades altamente periculosas, onde me especializei em supervisão geral de apoio logístico de produção da Mina de N4E. Cuidando de toda parte de suprimento, recebimento, armazenagem e expedição de combustíveis e explosivos, que na época levavam o uso elevado na composição química, de nitroglicerina. Composição química esta que fazia com que o explosivos / dinamites exsudassem com certa facilidade.
Exigindo cuidados especiais com todo tipo de segurança correlata. Os paióis deveriam ser abertos cedo, para arejarem o ambiente. Explosivos à base de nitroglicerina provocavam dores de cabeça. Se alguns procedimentos não fossem cumpridos.

Cuidados, muito maiores, que os explosivos / dinamites atuais. Hoje bastante aprimorados tecnologicamente em termos de segurança, pela indústria mundial desse insumos, que é altamente consumido pelas mineradoras. Daí a corrida competitiva para melhorá-los cada vez mais, em termos de qualidade, desempenho, segurança, manuseio e aplicação, o que era ainda tímido no início dos anos 80. (Explosivos mais densos tendem a ter maior sensibilidade e potência. ... mas que tornam-se extremamente perigosos quando em exsudação.)

Fui formado não só pela gestão de controle desses insumos, mas criamos nessa escola e controle da mineração um conceito orientado pelo R-105 do Exército Brasileiro que cuida de explosivos sob um modelo preventivo de acidentes fatais. Amadureci profissionalmente nesse intuito após 13 anos ininterruptos nessa função e disso herdei com muito orgulho um modelo mental de tratar de segurança das pessoas como mandatória, ética, honesta e responsável.

Deixo aqui os meus agradecimentos aos colegas na época que estiveram comigo, compartilhando os esforços, experiências e aprendizado de segurança e prevenção de eliminação de risco de fatalidades nas áreas de apoio e suporte operacional nas áreas de combustíveis de minas, ferrovias e pelotização da CVRD-VALE. Mirabela Mineração e Mineração Taboca 



O gerenciamento estratégico de risco, crise, mudança, visto como projeto de aprimoramento da comunicação como um todo na empresa. Compliance, ecoeficiência e sustentabilidade / SSMA é permanente. Deve envolver os empregados terceiros inclusive, formando a junção do capital humano local, a força de trabalho complementar existente.

Criamos na MINERAÇÃO TABOCA, um projeto de treinamento das pessoas e Valdemar Barros, que não está mais conosco foi uma peça vital, importantíssima  na consolidação de nosso projeto -Treinaseg, que reduziu os acidentes de trabalho e formou uma atmosfera altamente positiva e  motivada na nossa equipe de serviços gerais, manutenção civil e outros(infraestrutura) . Passamos alguns meses sem acidentes de qualquer natureza, interrompendo o que havia antes.

Acredito que a educação e treinamento da base da empresa, o nível operacional, os empregados terceiros unidos compõe essa a vanguarda  do ambiente coletivo de trabalho. As  orientações e a aderência das políticas e diretrizes corporativas seguidas pelas modernas mineradoras. Este é o resultado da inserção das boas práticas de gestão nas empresas no século XXI. 

A CARTA DO IBRAM, mencionada no inicio desse texto,  tem suas orientações de segurança relacionadas com a ética na mineração, ao futuro da mineração e a mineração do futuro, conexa à quase tudo que abordamos nesse longo artigo. LINK ABAIXO.  Deveria ser lida e conhecida por todos os brasileiros, sem exceção. Indiferente do trabalho da mineração. Parabéns, a Wilson Brumer e Flávio Penido, homens diferenciados e líderes exponenciais da mineração nacional, pela coragem, ética e os melhores e os maiores esforços para tornar a mineração nacional sustentável e exemplo: mineração eficiente e ecoeficiente.  Um forte abraço. 

http://portaldamineracao.com.br/ibram/carta-compromisso-do-ibram-perante-sociedade/