Rowan de Araujo in PROFISSIONAIS EM ADMINISTRAÇÃO, Profissionais Administrativos, Recursos Humanos Conselho de Mineração e Siderurgia da Associação Comercial e Empresarial de Minas Gerais 6 d ago · 5 min read · 3.5K

A Profissão Administrador de Empresas completa 54 anos no Brasil e vem contribuindo com a Gestão Empresarial - Industrial

rowanpedro@gmail.com -  Rowan Pedro de Araújo - é membro do Conselho Empresarial de Mineração e Siderurgia de Minas - ACminas -  Membro do Conselho de Administração da Costa & Faber - Agronegócio  A Profissão Administrador de Empresas completa 54 anos no Brasil e vem contribuindo com a Gestão Empresarial - Industrial

O administrador é aquele que atua no planejamento, na organização, na gestão e no controle das empresas. Num primeiro momento suas funções foram delimitadas como: planejar, organizar, comandar, coordenar e controlar (POCCC). Planejar - Definir metas, propósitos e objetivos que serão alcançados.

O Administrador tem um campo amplo e versátil para atuar, tais como: Direção Geral, Gestão da Produção Industrial, Serviços, Recursos Humanos, Finanças, TI, Marketing, Projetos, Obras e Empreendimentos, Facilitie, Suporte, Infraestrutura, Administração Pública, Mercado de Capitais, Comércio Exterior, Controladoria, Economia, Suprimento, Logística, Segurança Patrimonial, Saúde Segurança, Meio Ambiente, Risco, Administração de Material, Inteligência Empresarial, Coach / Coaching, e Administração Geral. Esta amplitude da função, tem o aproximado os administradores da produção industrial e outros segmentos mistos, o que vem exigindo características fundamentais como: adaptabilidade no ambiente totalmente industrial. Passando a conviver mais no ambiente produtivo e menos nas salas de administração e escritórios, Temos observado que o mercado busca o administrador versátil, polivalente e dinâmico.

Em um modelo capitalista de uma indústria cada vez mais competitiva um administrador não pode mais parar de estudar, aprender e ensinar de forma coletiva. O ambiente de negócio e as forças que envolvem pessoas, processo, tecnologia, gestão, estratégias e projetos. Avançaram, continuam avançando e tudo dinamicamente. 

As empresas  já estão sendo operadas e administradas  com menos pessoas e mais sistema sistemas inteligentes, robótica, automação e inteligência artificial.  A função do administrador  para uma visão tecnologista, coach, pedagogo industrial, estrategista-planejador. Motivador de equipes, operador de mudança. Líder de extraordinária competência. Identificador de talentos, para usar as energias e qualidade dos liderados com a arte de reduzir custos, agir em consonância da missão, crenças e valores da empresa. Administrador Moderno é um constante avaliador de risco e melhorador de resultado da empresa como um todo.

Os melhores administradores são aqueles que conseguem colocar as pessoas certas, nos cargos certos, funções certas e comandadas, lideradas pelas pessoas certas, dentro de uma filosofia de crescimento das pessoas, diálogo, segurança, confiança, união em que faça enxergar na comunicação bilateral, treinamento, educação e comprometimento, os meios e esforços coletivos de sustentabilidade nos negócios com ênfase em produtividade, competitividade, eficiência e lucro. Lembrando que o lucro não pode ser a qualquer custo e o desenvolvimento só pode ser sustentável. Respeito às pessoas, meio ambiente é prioridade. A ética  está em primeiro lugar,    

Passamos por uma fase profissional, em que o administrador não pode mais se separar do pensamento sistêmico / holístico da administração (estratégica, tática, operacional) Isto sempre existiu, mas a velocidade comportamental do século XXI, está diferente, quando referimos a forma buscar e elevar a qualidade e potencial dos seus recursos humanos, principalmente em comunicação, gestão dos sistemas, sub sistemas. Em síntese é fazer a gestão e o desenvolvimento de pessoas, processos e tecnologia. Preparando as pessoas para o sistema e o sistema para as pessoas. A economia é global, a tecnologia muda constantemente, não pode produzir com estoque alto, os concorrentes avançam e disputam o market share. O mercado opera com os nervos à flor da pele. A crise, o câmbio / dólar, sobe e desce. Administradores vivem dentro desta atmosfera, que mostra só um caminho: eficiência benchmarking e produtividade, através da maximização do rendimento das pessoas. As pressões para avançar em market share são exponenciais.

Temos de reagir a qualidade de nosso capital humano. A nossa produtividade é 1/4 de um americano, e esta falta de eficiência, está na qualidade da mão de obra. E mão de obra é capital humano. O aprimoramento é um esforço conjunto e bilateral de educação e treinamento,. Por isso precisamos de coaches, apaixonados pela industria, e o orgulho de gerar resultados. Pessoas, que lideram e transmite os valores profissionais, principalmente ética, para as pessoas, sustentarem de forma leal, organizada e avante, a missão, visão, crenças e valores focados em orgulho de pertencer a empresa. Fazer parte de suas estratégias e conquistas. Nesta condição a profissão Administrador de Empresas, faz um coach automaticamente, que lidera, apoia, encoraja, planeja e enfrenta os desafios. Alcança metas, objetivos e forma experiências de sucesso.

Portanto a profissão de administrador vai exigir cada vez mais o mix competência. Aqueles que não se adaptarem à esta realidade global da profissão, correm o risco de não serem engajados nas empresas modernas e poderão passar pelo sucateamento profissional. Mas a manutenção da competência existe, e sempre existiu para ser praticada com muito esforço, dedicação e profissionalismo. Com o ambiente altamente competitivo. Aprimorar, gerar resultados e ao mesmo tempo criar empregabilidade é uma questão de inteligência e sobrevivência.

 O modelo do Administrador  líder moderno; é liderar pelo conhecimento, ética e honestidade, pensamento sistêmico e holístico com coragem e muito trabalho, que consiste basicamente em:

  •  Liderar e atuar em primeiro lugar com conhecimento, ética, honestidade e responsabilidade social e visão de compliance. Isso é mandatório no ambiente sadio da administração moderna do século XXI;
  • Liderar a gestão da área no que tange finanças e economia; e entender a composição de custo, preço e lucro de seu negócio em escalas de produção. A margem de lucro no século XXI, vai estar comprimida em função de uma competitividade gigantesca. Os administradores vão se destacar pela inteligência, criatividade, produtividade, competitividade e eficiência, interagindo com as habilidades estratégicas de fazer gestão de pessoas e capital humano;
  • Liderar e comunicar com eficiência de forma lateral (pares) e bilateral utilizando todos os recursos, tecnologia e aprimoramento quotidiano. Fortalecer a sua comunicação em todos setores e eficiência mútua neste sentido. Considerar a comunicação como fator estratégico; 
  • Liderar, planejar, organizar, tratar e gerir recursos humanos, materiais, patrimoniais, tecnológico, financeiro, econômico e apoiar o processo produtivo e logístico da empresa, agindo permanentemente em solução dos problemas da área administrativa, bem como identificando os riscos afetos à administração, tomando iniciativas em  tempo hábil;
  • Liderar e gerenciar por orientação firme e  competitiva com vista o aumento de produtividade êxito e perfeição das tarefas, valorização tempo para decidir com visão em custo e aderência de contabilidade-orçamento-custo (gestão do opex e capex), redução de estoques, que estão compondo os recursos financeiros e econômicos disponíveis;
  • Liderar e buscar a composição de metas, arrojadas. Na administração moderna não há mais metas  frouxas e erros injustificáveis em projetos e gestão. Estes fatores  não convivem no mesmo ambiente da competitividade moderna;
  • Liderar, buscando o auto desenvolvimento do perfil de administrador  pro ativo, de visão prevencionista no quotidiano. Corajoso, holístico, ético, honesto e justo. Tratar o campo de gestão de pessoas e talentos como um combustível nobre e estratégico da organização com foco em energia, maximização do rendimento em competitividade de produtos e serviços gerados, e produtividade. Transmitir, estimular motivar as pessoas mais novas da empresas, nesta direção, encorajando-os;  
  • Liderar, criar , organizar, agilizar o funcionamento eficiente dos setores do atendimento de serviços, circulação de informações, monitoramento de custos dos processos, cumprir procedimentos, revisá-los, propor melhorias. Exemplo: contratos compartilhados e suas componentes de gestão. Implementar mudanças e ações preventivas, que visam bloquear falhas de comunicação e outras ocorrências que venham afetar o clima organizacional.
  • Liderar, relatar, propor medidas preventivas e corretivas na variação de custo e orçamento, que interferem no desempenho . Fazendo a gestão econômica, justificando-e solicitando justificativas. Formando o campo de defesa da administração e economia da empresa. Atentar para situações que podem trazer prejuízo à produção, operação e imagem da empresa.
  • Liderar, envolver e resolver os conflitos e distorções graves de toda ordem, inclusive financeiras e econômicas com risco de provocar déficit no negócio ou desequilíbrio da remuneração dos acionistas. Estas práticas estão também incorporadas na gestão de riscos, que tem uma importância fundamental no Plano de Inteligência Geral, uma nova prática que nasce na Administração Moderna. 
  • Liderar e atuar no clima organizacional com o objetivo de produzir uma relação harmoniosa, treinamento, participação e crescimento das pessoas conciliando e boas relações, comunicação internas e externas, inclusive com foco nos satakholders. Inclui-se as relações sindicais e comunidades de influência, autoridades políticas, municipais, estaduais etc.
  • Liderar e buscar uma maior versatilidade profissional , novas funções, atribuições e aprimoramento de conhecimento e visão moderna em relação a holismo e às práticas de coaching entre ele e seus liderados (auto desenvolvimento e educação continuada, treinamento específico - manutenção da competência para ele e equipe - crescimento profissional e pessoal de todos da equipe).
  • Visibilidade e liderança permanente para gestão de pessoas motivadas, eficientes e criativas. Processos eficientes. Tecnologia eficiente como a equação de atingir produtividade, competitividade, produzindo com ética, segurança, responsabilidade fiscal, social e ambiental.
  • Os requisitos de qualidade exigidos no administradores modernos são muitos. Temos como exemplos estes, que vieram de entrevistas com lideres de produção nas empresas tais como: coragem, comunicação, habilidade de gerir pessoas, assertividade, visão holística, iniciativa, visão de melhoria continua. Capacidade de planejar eficientemente. Enxergar oportunidades, saber priorizá-las, empreender, ter pro atividade. Mediar conflitos, liderar, educar e treinar a sua equipe. Cuidar com rigor da otimização e redução de custo. Habilidade e enxergar os riscos. Saber administrar o tempo, possuir inteligência emocional, ter autoconfiança, decidir rápido. Dominar as pressões, saber negociar e primar pela manutenção da competência farão parte da ambiência do administrador no século XXI. 
  • No século XXI, a exemplo que ocorre em algumas parte e segmentos empresariais e políticos dos Estados Unidos. Os executivos, gerentes e líderes das empresas são cobrados pela comunidade local, pela prática de liderança social em trabalhos voluntários. E são inclusive avaliados por esta prática. Mais cedo ou mais tarde, isto chegará no Brasil no rol de competência, ética e imagem profissional. O que dá certo nos EUA é copiado e exigido pelo mundo quase inteiro. A nossa realidade prova isto muito bem. Alguns dizem inclusive, que esta prática existe no Brasil faz muito tempo que Antônio Ermírio de Moraes, CEO do Grupo Votorantim, exercia este papel no Hospital da Beneficência Portuguesa em São Paulo. Isto elevou o carisma dele como uma dos maiores empresários do mundo.
  • É imperativo que o administrador jamais se descuide de trabalhar em harmonia entre os objetivos, poderes e interesses dos acionistas, empregados, comunidade vizinha, consumidores e fornecedores (Sponsor e Stakholders) inclusive em caso de determinados projetos. O administrador neste contexto tem a responsabilidade no processo organizacional de seu cargo, ou seja, o de mentalidade integradora e ampla comunicação, que tem sentido único de consolidar uma administração versátil e competitiva, capaz unir esforços rumados a sustentabilidade da missão, visão, crenças e valores.
  • Este é o compromisso do administrador e líder moderno, chamando para si o senso de dono da empresa e fazendo esta transmissão à suas equipes na função de coach. Ele tem a missão de buscar uma administração humana e competitiva, usando a inteligência e criatividade. Buscando soluções para saída da crise, a fim de vencer desafios e dar a sua colaboração na revitalização da economia, geração de emprego, renda e sustentabilidade do país. 

Esta é são as missões profissionais deste século para os Administradores e Líderes Modernos , juntamente com o seu aprimoramento profissional e manutenção da competência. Parabéns a profissão pelo progresso de 54 anos, e todos aqueles presentes que construíram, e que continuam, construindo esta realidade, e sem esquecer dos nobres colegas que tanto contribuíram também, mas que infelizmente não estão em vida, para compartilharmos este nosso momento, tão glorioso!