Rowan de Araujo in PROFISSIONAIS EM ADMINISTRAÇÃO, Profissionais Administrativos, Recursos Humanos Conselho de Mineração e Siderurgia da Associação Comercial e Empresarial de Minas Gerais Mar 10, 2019 · 2 min read · 3.7K

Do patinho feio, ao belo cisne negro. O crescimento da Economia do Paraguai vem chamando a atenção do mundo inteiro. Os investimentos multinacionais brotam no Paraguai e geram empregos

rowanpedro@gmail.com - Rowan Pedro de Araújo - é membro do Conselho Empresarial de Mineração e Siderurgia da ACminas -Associação Comercial e Empresarial de Minas  -   Membro do Conselho de Administração da Costa & Faber - Agronegócio - Diretor Geral e fundador da RA Participações e Empreendimentos. Consultor da AGSMG - Associação do Agronegócio Sustentável  de Minas Gerais nas áreas de Recursos Humanos e Administração da Produtividade 

Do patinho feio, ao belo cisne negro.  O crescimento da Economia do Paraguai  vem chamando a atenção do mundo inteiro. Os investimentos multinacionais brotam no Paraguai  e geram empregos Paraguai é a China da América do Sul. A maior jazida de Titânio do mundo está em solos paraguaios. O país vai crescer na mineração, ganhar tecnologia e um grande progresso. Parabéns!! O seu povo merece.

O Paraguai sempre foi difamado no Brasil, em função do grande trânsito de sacoleiros do lado brasileiro, atravessando a fronteira pela zona franca, comprando produtos de baixa qualidade para inundar o Brasil. 

Tudo era a desqualificação do Paraguai, que mudou a sua fama. O Paraguai hoje é visto como sinônimo de progresso com um povo humilde, jovem e que quer crescer.  

O Paraguai vem dando lição de progresso, organização, disciplina e crescimento social, político, econômico e aspirando grandes projetos.

Estão investindo em TI, educação e saúde com brilhantismo.  Traficantes brasileiros são presos e devolvidos imediatamente, a justiça tem funcionado.

O tigre guarani: a transformação econômica do Paraguai
Com uma receita de regras estáveis, impostos baixos e pouca burocracia, o país vizinho atrai investimentos de empresas brasileiras e cresce quase 6% ao ano

MELHOR QUE A CHINA O empresário Andrés Gwynn: produção para a Riachuelo, no lugar dos fornecedores asiáticos (Antonio Milena/VEJA)

Os números impressionam: com crescimento médio de quase 6% ao ano desde 2010, o Paraguai ostenta um ritmo de Tigre Asiático e foge do estigma de “primo pobre” da América do Sul.  Isto mostra e explica a receita do país vizinho para conseguir um resultado que o Brasil não alcança desde o milagre econômico. Apostando em impostos baixos e pouca burocracia, o Paraguai tenta (e consegue) atrair o investimento estrangeiro que vem transformando o país.

Em Mariano Roque Alonso, cidade vizinha a Assunção, nasceu um dos projetos que melhor representam a incipiente indústria paraguaia e a simbiótica relação entre Brasil e Paraguai. Em março de 2015, o grupo paraguaio Texcin instalou ali uma unidade na qual cinquenta trabalhadores produziam 50 000 peças femininas de blusas básicas por mês. Hoje, 400 funcionários produzem 300 000 peças, e todas são entregues exclusivamente para a brasileira Riachuelo. “O custo é competitivo e a reposição é mais rápida. Produtos da China levam de três a seis meses para chegar”, diz Flávio Rocha, presidente da Riachuelo. “Do Paraguai, as peças demoram 24 horas ou menos para chegar. É o melhor dos dois mundos”, diz.

MINERAÇÃO: 

Descoberta maior jazida de titânio do mundo nas proximidades de Cidade do Leste

A notícia foi dada por David Lowell, um dos geólogos mais respeitados do mundo, e diretor da empresa CIC Resources, durante encontro com investidores internacionais promovido pela empresa MZ Minerals International, empresa australiana especializada neste minério.

De acordo com Lowell, com esta descoberta o Paraguai poderá controlar o preço mundial deste importante mineral, usado principalmente em ligas de alta resistência.

Na fase de exploração, será necessário um investimento de aproximadamente USD 500 milhões para a extração anual de 5 milhões de toneladas, segundo o geólogo americano, responsável pela descoberta da maior jazida de cobre no mundo, La Escondida, no Chile, em 1981.

A jazida encontra-se próxima do lago de Itaipu, em uma área de 185.000 hectares, entre os departamentos (estados) de Alto Paraná e Canindeyú.