Gerenciamento de Projetos e as dificuldades que surgem e que precisam de soluções assertivas. Projeto é ritmo, equipe, prazo, qualidade, custo, comunicação, experiência, liderança, organização e disciplina.

  • Gerenciamento de Projetos e as dificuldades que surgem e que precisam de soluções assertivas. Projeto é ritmo, equipe, prazo, qualidade, custo, comunicação, experiência, liderança, organização e disciplina.

Um projeto em "negócio" e ciência é normalmente definido como um empreendimento colaborativo, frequentemente envolvendo pesquisa ou desenho, que é cuidadosamente planejado para alcançar um objetivo particular. Projetos podem ainda ser definidos como sistemas sociais tempo e uma demanda de mercado, necessidade organizacional, solicitação de um cliente, avanço tecnológico ou requisito legal. Em geral um projeto possui três características fundamentais: tempo (início e fim), recursos (pessoas, ferramentas etc) e trata de algo que não existia anteriormente. Projeto tem um prazo específico, orçamento e demais recursos para executá-lo dentro de um prazo. O prazo, qualidade e custo são indicadores que avaliam a eficiência de um gerente projeto.Vale observar que em qualquer situação, tipo e condições que tratam desta atividade que o target do projeto é o prazo de entrega. Esta condição prevalece desde os primórdios nos quatro cantos do planeta.


A EXPERIÊNCIA É FUNDAMENTAL PARA GERENCIAR, PLANEJAR, DEFINIR, NEGOCIAR, COMUNICAR, COBRAR E IMPOR O RITMO DE PRODUTIVIDADE EM PROJETOS - GERENTE DE PROJETO É UM COACH E MESMO QUE NÃO TENHA ESTA VOCAÇÃO. ELE PASSA 80% DE SEU TEMPO, SE COMUNICANDO E LIDANDO COM PESSOAS. CONSEQUENTE ADQUIRE E APRIMORA A HABILIDADE DE COACHE, ISTO FICA INTRÍNSECO NA FUNÇÃO GERENTE DE PROJETO.

Em gerenciamento de projetos fica evidente que as empresas tendem no universo de sua gestão a serem mais coletivas, multifuncionais e gerenciadas sob uma visão holística e sistêmica. 

Os executivos do século XXI estão vendo que a maximização rendimento de liderança, pessoas, processo e tecnologia para sustentabilidade geral dos negócios, só serão possíveis com capital humano qualificado  aporte e alinhado por forte sistema de comunicação. 

Entre 300 empresas, 32% das organizações ouvidas pelo estudo afirmam planejarem sempre como farão seus projetos, enquanto 18% dizem que raramente adotam esta prática. 58% das empresas não possuem um departamento dedicado exclusivamente a gestão de seus projetos . Das 300 instituições pesquisadas, 56% pretendem implementar escritórios de gerenciamento de projetos. 

Em minha opinião, nenhum resultado em relação aos projetos é altamente notável, coisa novíssima ou modificadores de dimensões como muitos imaginam. 

As pirâmides por exemplo, vieram de um projeto materializado de sucesso e é fenomenal. O que temos , são estas relações de tempos evoluídos. Novos estudos, métodos e pesquisas , capazes de identificar falhas e também capacidade de avanço de Gestão de Projetos,  e novas ferramentas e experiências que estão contribuindo com uma cultura de tratar e enxergar os projetos. 

Temos grandes softwares, TI e técnicas avançadas, que enriquecem os fatores de sucesso e análises da disciplina projetos. 

Mas ainda pouco usados, se considerado o potencial do Brasil, sem crise atual em 2018, mas imune de crise de mercado. Esperamos ampla reação econômica em 2019. 

O  Brasil é um gigante, de milhões de empresas e projetos. Projetos de todo porte e  com falhas absurdas estão aí de exemplos. O tal do PAC do governo PT não passou de uma lista de obras nem iniciadas só do papel. Os projetos que saíram foram de péssima qualidade e propinados. Somados fazem bilhões roubados do povo, e há os atrasados, cujo retrabalho empatam no que foi gasto para recuperá-los. O país ficou décadas nas mãos de ladrões e incompetentes.

 Cito projetos e obras da Copa do Mundo, Olimpíadas, transposição  do São Francisco,  atraso da Transnordestina, Ferrovia Norte Sul, Projetos de Refinaria da Petrorroubalheira, metrôs, reformas de aeroportos, minha casa minha vida, compra de Pasadena, tudo acima do prazo e ou condições que aportam uma máquina de corrupção. O excesso de aditivos contratuais mostra a falta de planejamento e gestão. Os projetos são orçados em X custam 4X e o atraso acompanha esta disparidade . O povo brasileiro se acostumou a ver corrupção, os governos, partidos políticos, congresso e os três poderes parceiros desta corrupção, dentro de esferas municipais, estaduais, federais e as estatais e autarquias, poluídas de indicações políticas.

Sem falar da corrupção em parceria com Cuba, Venezuela, Argentina, Bolívia e outros países em projetos  envolvidos na pura corrupção via BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social que tem a missão de desenvolver e fomentar o estado brasileiro e não outros países.( O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social é uma empresa pública federal, com sede e foro em Brasília, Distrito Federal, e escritório no Rio de Janeiro, cujo principal objetivo é o financiamento de longo prazo e investimento e projetos em todos os segmentos da economia brasileira) mas foi usado para favorecer ditadores simpatizantes dos governos  Lula e Dilma do PT.

Esta é a maior razão de meus aplausos ao Projeto Carajás, VALE construído dentro da floresta Amazônica e  obedecendo rigidamente o seu ecossistema  frágil e onde participei da implantação, pré operação e operação do projeto.   

As dificuldades eram 1.000 vezes maiores em relação a todos os projetos que citei. Era construir uma mina, ferrovia, porto e toda infra estrutura cortando a Amazônia Paraense e a Maranhense, locais isolados e de altíssima complexidade logística, mas tocado por empresa e gente séria.   

 O Projeto Carajás, veio a apresentar uma gestão eficiente e ímpar. Orçado em 4,2 bi de US$ , o projeto custou 2,8 bilhões, após uma criteriosa revisão focada em otimização no sistema de mina, ferrovia, porto e infraestrutura. Isto deixou o Ministério de Minas e Energia, com um caixa extra de 1,4 bi de US$ . Foi o único empreendimento estatal e do governo brasileiro que sobrou dinheiro e entregue no prazo antecipado, com recordes batidos na construção da ferrovia, com o indicador de assentamento de trilhos -Km /dia na Estrada de Ferro Carajás. 

 As obras demandavam o conjunto da infraestrutura para suporte da produção inicial, de 25 milhões de toneladas de minério de ferro/ano, 892 km de ferrovia. Porto, obras de arte como dezenas de pontes, sobre rios da Amazônia paraense e maranhense, núcleos urbanos e habitacionais, escolas, centros comerciais, clubes, hospital, aeroporto e todo sistema integrado desta infraestrutura, aliando ainda equipamentos da operação inicial (mina, ferrovia e porto) recursos humanos, logística, proteção ambiental e instalações de apoio administrativo. 

Projeto Carajás. Reconhecido pela eficiência e sustentabilidade. Exemplo aplaudido pelo mundo inteiro. O Projeto Carajás, é também o pai da palavra Desenvolvimento Sustentável: o conceito de desenvolvimento sustentável só começou a ganhar corpo, quando o empresário suíço Stephan Schmidheiny veio ao Brasil para coordenar a ECO 92 no Rio de Janeiro, e na ocasião visitou o Projeto Carajás (PA) e deparou com os aspectos econômicos, ambientais e sociais aplicados em simultaneidade. Da prática observada, Schmidheiny, partiu para a teoria e organizou o conceito de desenvolvimento sustentável, ampliando o postulado de ênfase ambiental cunhado em 1987 no Relatório Brundtland. O Projeto mostra, repito que temos capacidade que tocar grandes projetos, porque o projeto é liderança, comunicação, disciplina, planejamento de prioridades, ação, espírito de equipe com harmonia e trabalho. 

Nós brasileiros, temos muitas limitações, mas existem um grupo de gente muito competente para enfrentar desafios na engenharia nacional, gente  talentosa e trabalhadora. Posso exemplificar incansavelmente o Projeto Carajás VALE no PA, onde estive  e a implantação da Fiat em Betim em MG são estes exemplos. Projetos gerenciados por homens competentes que entendiam de engenharia, planejamento, liderança, formação de equipes, eficiência e custo.  

Mas infelizmente os grandes projetos do governo brasileiro, sempre caem nas mãos de partidos políticos, verdadeiros assaltantes e arquitetos de conluios com empreiteiras seduzidas por milhões desviados. No Brasil os projetos de toda natureza e obras em sua maioria, das esferas municipais, estaduais e federais são ainda verdadeiros sumidouros de dinheiro público que encorpam a indústria da corrupção sistematizada e institucionalizada. Esperamos que a cara do país mude em 2019 com a forte estrutura de ministérios que vem sendo dita para o combate implacável da corrupção de bilhões, conforme foi comprovado pela Lava Jato.

O Brasil está entre os primeiros do ranking mundial dos projetos mal sucedidos e dinheiro jogado fora. Seja pela corrupção emblemática, quanto a má qualidade de políticos ladrões e a postura "anti execução técnica", ou seja o comando de grandes e caros projetos pelas cabeças políticas em grandes  e os seus reconhecidos fracassos regados pela corrupção e irresponsabilidade da gestão pública, assistida por uma população analfabeta em torno de 11 a 12 milhões de pessoas.  Número maior que a população da Noruega e Escócia juntas.

  O governo é mau gerente e nós brasileiros não fomos educados e nem aprendemos nas escolas ainda, nos organizar por meios de projetos bem elaborados, liderados. Falhamos na capacidade de nos comunicar.  Não tivemos lastro desta cultura. Somos individualistas, fracos e limitados em trabalhar coletivamente (em grupo) o que é a base da comunicação e são deficiências que afloram, quando vamos tocar "coisas grandes", ou projetos  que dependemos das outras pessoas. Nós são somos coletivos. "Todo sucesso que você consegue, se deve a ajuda de outras pessoas" (Walt Disney) a maioria não tem este pensamento.  Precisamos olhar para dentro de nós e assumirmos esta necessidade de melhorarmos como capital humano da nação brasileira,  e só a educação reverte isso, e por um longo tempo e tratada como um PROJETO DE PAÍS. 

A ÍNDIA COPIOU A CORÉIA E HOJE TEM UMA TI EXEMPLAR, SÃO LÍDERES EM TECNOLOGIA SENSORIAMENTO REMOTO E PROJETOS DESTA NATUREZA.  ABREM PLATAFORMAS PARA A INDUSTRIA FARMACOLÓGICA COM UMA ALTA CAPACIDADE E VOCAÇÃO CIENTÍFICA. NINGUÉM MAIS SEGURA A ÍNDIA E O TALENTO CIENTÍFICO DOS INDIANOS 

A nossa educação precisa ser reinventada e copiada inspirandA nos modelos culturais e educacionais do Japão, Coréia e cito agora, a  Índia como destaque,  que copiou estes países com muito mais dificuldades que o Brasil, pelas questões místicas e diferentes idiomas dentro de um só país. Enquanto o Brasil forma 36 mil engenheiros, matemáticos, físicos, estatísticos e outros profissionais destinados a alta tecnologia, a Índia forma 300 mil.

As línguas faladas na Índia incluem mais de 400 idiomas e dialetos, pertencentes principalmente a duas famílias linguísticas, a indo-europeia, representada no ramo indo-ariano e a dravídica, além do inglês. A constituição da Índia outorga às 23 línguas um estatuto oficial especial, além de existirem outros idiomas considerados oficiais por um ou mais estados federados indianos. O número total de línguas na Índia depende da sua classificação como dialeto ou língua propriamente dita, em especial no caso dos muitos idiomas que se assemelham ao híndi. 

Mesmo assim e vem avançando em todos aspectos com destaque em várias tecnologias. O que fizeram? Investiram em educação. Por que o Brasil não copia a Índia, que copiou a Coréia? Falta vontade política, ação, coragem.  Falta de projetos  e políticas de educação. Falta ética, honestidade e responsabilidade com a gestão do dinheiro público e em investimentos nas crianças, o capital humano. O maior ativo de uma nação é a educação de suas crianças do maternal até a universidade, o que constrói uma nação forte e evoluída. Não falta dinheiro, falta estadista. Esta é a resposta clara, pura, direta e transparente de nossa situação no Brasil.

Projeto é coisa séria, custa dinheiro, competência, ética, honestidade, disciplina, liderança e seriedade das pessoas. Até 2005, trabalhei com a gestão de projeto com Fel1, Fel2 e Fel3, que é o mesmo que projeto conceitual, básico e executivo que sempre funcionou para grandes obras. O modismo chega a ser enfadonho. Falam de coache e coaching  como se fosse a descoberta  da cura do câncer. Coach sempre  existiu era aqueles instrutores de treinamentos de máquinas das equipes de mineração que conheci na VALE nos anos 80 no Projeto Carajás, e já que existia desde os anos 60. Gerente de Implantação é agora o Gerente de Projeto.  Todas estas profissões andam mudando só de nome para coach e coaching e Gerente de Projeto. Os auditores, os consultores são os coaches e coaching´s antiquíssimos

Agora o PMBOK, devido a força do PMI, no mercado mundial e a adesão  forte Brasil está indo  bem, porque se aplica a todo tipo de projetos e o universo desta base.  Mas a visibilidade da importância de projetos, embora crescente, e de muito futuro, caminha em passos lentos, ou da forma que não desejamos, pois precisamos evoluir em ritmo melhor, é o que queremos. Os projetos embora estejam mais cuidadosos em seu conjunto de gestão, precisam de mais impulso e comunicação como um todo e se possível simplificados e de mais praticidade. Vejo muito comum, alguns problemas em gestão de projetos, tais como:

  Comunicação: falhamos muito aí. Estamos longe ainda de uma cultura de comunicação assertiva e holística. Aprendemos muito pouco disso em nossa criação familiar, escola em geral e vivência social. Comunicação em projeto, é perto de . 80% do tempo de um gerente, para comunicar na forma de negociar, cobrar, ensinar, verificar escopo, avanço físico, fazer reuniões, administrar, prazo custo e qualidade instruir diariamente as pessoas. Gerente de projeto é coach quotidiano. 

Comunicação é a maior substância e recurso de um projeto. As reuniões, os e-mails, os relatórios, feedback, entendimento, diálogos precisam ser melhorados. Existem erros primários de comunicação. Muitas vezes, as reuniões podem ser não trazer um bom produto tão bom,, ou serem improdutivas. Reuniões objetivas, esclarecidas e bem comunicadas e entendidas. Fazem o projeto andar. Atraso em reuniões e não cumprimento de horário é um ponto criticado pelas multinacionais que atuam no Brasil: "brasileiro não leva horário a sério", isto deprecia o capital humano brasileiro.

Estudo realizado pelo Project Management Institute Brasil (PMI), com 300 empresas de grande porte, aponta que somente 33% executam todos os projetos planejados. Cumprimento de prazos e constantes mudanças de escopo também são fatores citados pelos entrevistados como motivos pelo fracasso nos projetos. 78% das organizações, dizem que o maior benefício obtido com o gerenciamento de projetos foi o aumento do comprometimento da equipe em atingir os objetivos. 

Mesmo com as facilitações na era da tecnologia e telecomunicações como blogs, redes sociais, revistas especializadas, cursos de educação continuada de MBA, etc. A comunicação ainda é um problema para grande parte das empresas. Lidera o ranking dos fatores limitantes, para os projetos bem sucedidos

 Preparação incompleta de logística do planejamento, integração, programação e preparação da equação do projeto: os projetos são oriundos de necessidades de melhorias. As pressões se concentram em tempo, qualidade e custo. Gerentes e equipes são avaliados sob estes três elementos. 

Este ritmo demanda gerentes corajosos e experientes, para não ceder às pressões de tempo, principalmente, e não caírem em situações difíceis. O Sponsor e os stakholders / partes interessadas tem ansiedade e pressa. Mas nem por isso o Gerente de Projetos, precisa agradá-los, ao ponto de sair ou acelerar as etapas do projeto, mudar especificações etc. 

Se há um gerente inexperiente que falha na comunicação e justificativas de atraso, ele  sofre pressões do sponsor e stakholderes  (partes interessadas) e pela falta de experiência  se desespera. Passa, transmite nervosismo, carga de estresse, insegurança e queda de rendimento que afeta à toda a equipe. Surgem conflitos e abrem verdadeiras feridas no projetos difíceis de cicatrizarem. Projeto é tempo. O risco na gerência de projeto com gente inexperiente está  também aí. Experiência na prática é ter o senso de não repetir erros, corrigir o que já viu de errado, e não deixar equipes praticar o que já deu errado. Este é o valor e o uso inteligente de pessoas experientes.

  "Eu não abro mão de experiência; em tudo que se faz em uma empresa, do mais simples ao complexo, tem de haver experiência. Em projetos a experiência é essencial, porque os erros e falhas geram muito retrabalho, custos, conflitos e atrasos, que é o impactante. Isto implica em perda de dinheiro. Em economia global, perder dinheiro é perder um dos braços. O meu professor  Ms.Robert Carpenter, professor de geologia e mineração de experiência e didática fantástica do Colorado School of Mines. Dizia para nós alunos com muita propriedade e ênfase,  colocando que: "a nossa vida é um projeto. Experiência de vida é que define um futuro melhor", e ele tinha toda a razão. Façam este comparativo e vão concluir o mesmo. O meu pai adorava estas palavras" (Antônio Ermírio de Moraes)

Outra falha comum em projeto é atropelar o planejamento de execução de suas etapas. Podemos sim, entender até que ponto os requisitos moderados podem ser usados em favor do tempo, sem afetar na qualidade do projeto, e melhorar o tempo de avanço físico. Mesmo assim, sendo responsável transparente; e dependo mesmo assim de sua habilidade extraordinária, idoneidade, confiança, competência e ética, para proceder nesta linha. Autorizado pelo sponsor, caso contrário, estará correndo o risco de morrer profissionalmente, levando a sua equipe inteira. E isto acontece muito.

 Escassez de recursos e a não disponibilidade de orçamento capaz a portar 100% do projeto e inclusive, mais contingências em até 5% do valor total: muitos dimensionam o material humano em tempo determinado. Isto retira o ritmo de produtividade com as suas incertezas naturais. Há aqueles, que têm ainda a sua função regular ou especifica na empresa, e a função de projeto é mais uma atribuição extra para as pessoas. Sem uma equipe própria e especializada em projeto, os resultados não são nada bons. Atrasos, má comunicação, duplicidade de foco, e enfraquecimento do Gerente de Projeto, repito; avaliado por tempo, qualidade e custo. Estas três dimensões produzem os maires impactos. É muito comum no Brasil, paralisar projetos por falta de verbas e decisões mandatórias, vindas de cima. Remanejam verbas nem sempre para atender um projeto prioritário. Geralmente falta planejamento, gestão, disciplina, compromisso, conhecimento. liderança, gerenciamento e equipes formadas pelo critério da competência.

Tanto na administração pública e privada, isto acontece e atrapalha o tempo e outros compromissos de custo e qualidade. Outras vezes, a saída é buscar a economia, mexendo na qualidade do projeto, para caber no orçamento. Gerente de Projeto corajoso, é aquele que não aceita sujar o projeto, ou gambiarrar o que está escrito, planejado e acordado.

 Avaliações hiper otimistas: cálculos e estudos de equação do projeto, que empolgam e criam desafios, da super ousadia ou excesso de confiança. Comuns em prazo, que acabam desprezando riscos aparentemente pequenos, mas que crescem durante a execução do projeto em forma de obstáculos e barreiras sérias. As questões ambientais fazem parte destas observações que envolvem legislação, mídia, compliance em determinadas situações, órgãos municipais, estaduais, federais, e pressões comunidades globais inteiras, ongs etc. 

Experiência e liderança de Gerente de Projeto, é para medir ousadia e calcular risco etc. Tudo que se faz em uma empresa em operação continuada ou projeto, precisa de experiência e liderança. Um erro pode ser destrutivo. Especialmente com recursos de tempo e financeiro, escassos como as empresas estão, e onde se defrontam hoje. 

O retrabalho é caríssimo, Gerente de Projeto, já é chamado até de atirador de elite e não cabem decisões erradas e perdas de recursos. Custo é consumidor de recursos e pode derrubar Gerente de Projeto.

 Muitas vezes as atribuições de cargos e funções não são muito claras e sem detalhes completos e formalmente acordados. O gerenciamento de projetos vem evoluindo muito, é claro isto é notado no Brasil. A maioria, já enxerga o Gerenciamento de Projeto como método de tocar projetos. Isto é extraordinário. Mas são poucas empresas que inclui o projeto, dentro de uma cultura do sistema organizacional fixo, e ambiente de rotina estabelecido. Não há esta pratica ainda no Brasil, em larga escala empresarial. As equipes de projetos são compostas por um daqui, outro dali, e quando precisam deles. Pedem que parem de fazer o que estava com projetos, para que façam o trabalho da função de origem que  estava atrasado, por exemplo. Com isso se perde os esforços, linha de raciocínio e ritmo de execução de projeto. A produtividade de projeto, vai embora. 

Dificilmente encontramos equipes full time dedicadas ao projetos, apoiadas, treinadas e qualificadas dentro da própria empresa para atuarem em projetos, com cargos de projetos. Poucos por exemplo, enxergam um Depto de Projeto ou PMO, tão importante, ou em mesma linha de atividade de um Depto de Suprimento, por exemplo. Projetos não tem status organizacional, como deveria. Predomina uma  visão de atividade provisória ou temporária. 

Falta comunicação para valorizá-lo? Falta políticas corporativas? Seria o caso de projetos serem 100% corporativos? Esta situação distancia a cooperação e respeito dos demais Dept´s, e nem sempre o que pede é atendido com a velocidade do tempo que projeto pede para concluir etapas imediatamente , ou que tenha a prioridade das demais áreas da esfera organizacional. Um gestor de projeto, pedir uma parada de planta ou estruturas para cumprir um plano de projeto é um Deus nos acuda em muitas empresas. São atrasos que impactam seriamente em prazo de entrega do projeto, mesmo que o Gerente de Projeto tenha liderança.

Existem diferenças claras entre o escopo organizacional de operação continuada e projetos. Os escopos de trabalhos, ou missão são plenamente opostos. Um ambiente de projetos foca, tempo, qualidade e custo. A operação continuada, é produzir a quantidade e qualidade programada e pronto! O gerenciamento de projetos dificilmente é significativo, se ancorado na estrutura e cultura organizacional de operação continuada. A linha de conflito e os diferentes tipos de filosofia funcional, fica evidente. 

Os projetos dependendo da envergadura devem ser 100% corporativos e ter toda estrutura funcional própria, com maior poder, moral elevado e força de dimensão organizacional e decisões como sendo próprias, e de cultura de projeto. Refiro em: autonomia, e estrutura como os demais departamentos. Inclusive pessoal /equipe própria, para um trabalho atuante com visão especifica de projeto e ambiente para produtividade e rendimento. 

O mundo dos negócios pede grandes mudanças e inovação de gerenciamento das atividades, inclusive projetos, porque chega a um ponto que há a compreensão internacional que o mundo já se cansou  de ver projetos mal sucedidos e bilhões desperdiçados. O Brasil é professor, mestre e doutorado nisso.

 As empresas e as pessoas que não inovam, estão fadadas ao insucesso, não estão sintonizadas com o século XXI, e serão eliminadas pelos concorrentes de mercado. "Nos próximos 20 anos, todo o trabalho dos executivos do planeta será desenvolvido por meio de projetos.” (Tom Peters)

Muitos dizem que estamos na Era da Projetização e as empresas estão se adequando à esta realidade. São mudanças que estão surgindo.  Organogramas trazendo  Diretorias, Gerência e staff de comunicação  que cuidam  projetos, inclusive com ênfase na comunicação. Isto não é uma decisão de conselho de administração puramente  porque acharam este quadrinho bonito ali na estrutura organizacional. Se trata de uma necessidade constatada  de amplo estudo e recomendação de consultorias confiáveis e estudos conclusivos de alto gabarito. Uma empresa no século XXI sem comunicação estruturada, planejamento e pessoas competentes não vai andar bem, e isto se aplica tanto na implantação de projetos, quanto na operação continuada. Esta é a razão destas colocações que faço agora. 


AS ORIENTAÇÕES DE ÊXITO - FEL-1-2-3 - 







GUIA - PMBOK - PMO - PMP´S  - (ORIENTAÇÕES PMI)