Inácio da Costa en Engenheiros e Técnicos, Comerciantes e Vendedores, Engenharia Elétrica Orçamentista de elétrica e hidráulica 5/6/2018 · 2 min de lectura · 2,9K

UMA VISÃO SOBRE ADEQUAÇÕES DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A NORMA NR-10 E OUTRAS.

UMA VISÃO SOBRE ADEQUAÇÕES DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A NORMA NR-10 E OUTRAS.Este trabalho tem finalidade de estimular a visão crítica de engenheiros, tecnólogos, técnicos em eletrotécnica, profissionais de elétrica e demais interessados acerca de medidas preventivas de segurança nas instalações elétricas de baixa tensão para adequações à norma NR-10.

Sugere-se que o serviço de elétrica comece com um levantamento fotográfico dos problemas elétricos observados e finalize com as fotos dos mesmos resolvidos em data - book entregue ao cliente, junto com a ART (Anotação de responsabilidade técnica). Estas fotos devem ainda ser aproveitadas em catálogo técnico do profissional para efeito de marketing.

Na prática, o profissional deverá atentar para as seguintes situações:

  • Substituir todas as tomadas de uso geral existentes na obra pelo padrão Brasileiro, com seu devido cabo terra, assim como os plugues dos equipamentos eletroeletrônicos.
  • Fazer um levantamento das cargas e uma projeção de uso futuro para reserva de pontos de força. De posse desse estudo, elaborar um novo layout do mobiliário definindo os pontos de tomadas o mais próximo possível dos pontos de consumo e numa altura acima das mesas de trabalho de maneira a evitar que os usuários chutem as tomadas. Estas tomadas devem estar dispostas a facilitar o uso cotidiano dos aparelhos elétricos e em quantidade suficiente, de forma que não sejam mais necessários os multiplicadores de pontos de força como benjamins ou filtros de linhas
  • A utilização de tomadas industriais modelo Steck ou similar com chave de bloqueio tem uso corriqueiro em algumas fábricas, bem como o uso de luminárias herméticas a prova de tempo IP 65 da Salmeirão ou similar com lâmpadas led Lenovo / Conexled ou similar.
  • Existem instalações industriais que optaram pela substituição de todas as seccionadoras de circuitos parciais e fusíveis diazed de proteção em série, por disjuntor motor, antes de cada contator.
  • Remover todas as canaletas plásticas sistema X ou similar existentes nos ambientes abrigados por eletrodutos PVC rígido ou zincados eletroliticamente e/ ou perfilados galvanizados eletrolíticamente com conduletes e cabos múltiplos PP ou de contrôle, ou conforme diretriz do projetista.
  • Os quadros elétricos devem possuir proteção de policarbonato para os contatos com risco de choque elétrico ao toque, que normalmente estão expostos de forma viva. Não é recomendável a proteção em acrílico.
  • Providenciar fecho com cadeado para os painéis, além de identificar com anilhas e marcadores Ovalgrip ou similar todos os circuitos.
  • Manter o esquema elétrico do quadro dentro do porta - etiquetas no interior do mesmo.
  • Utilizar dispositivo DR contra correntes de fuga.
  • Toda a massa condutora dos quadros deve ser aterrada. Instalar e separar barra de neutro e de terra. Instalar dispositivo para cadeados em todas as portas para serviços de manutenção bem como fixar plaquetas de advertência.
  • Os cabos alimentadores devem ser rigidamente fixados nos perfilados ou leitos aramados, por meio de braçadeiras plásticas Hellermann ou similar.
  • Os cabos não devem conter emendas e quando não for possível removê-los, refazer o serviço com emendas adequadas As fases devem ser devidamente identificadas, inclusive no projeto .
  • Atualmente é comum instalar prensa- cabos para conexão de instrumentos em geral como os pressostatos
  • É aconselhável a tabulação das grandezas elétricas do empreendimento com um multimedidor, medindo a potência ativa, aparente e reativa, fator de potência, harmônicas, KWh, picos de tensão e corrente, durante (03) três dias de manhã e a noite. Diante da necessidade, elaborar um projeto elétrico de banco de capacitores automático.
  • Sugere-se a substituição de seccionadora tripolar por disjuntor tripolar compatível com seus cabos alimentadores de forma que favoreça a seletividade, com definições partindo do projetista em comum acordo com engenheiros envolvidos.
  • O SPDA (sistema de proteção contra descargas atmosféricas) norma NBR 5419, deve ser checado quanto ao uso de cabo de cobre nú normatizado mínimo de #35mm², devidamente tensionado, com descidas a cada 20 metros de perímetro, com componentes mecânicos e conexões exotérmicas em bom estado, e/ou sempre executado conforme projeto executivo. A resistência de aterramento convencional nunca deve ser superior a 10 ohms e apresentada em laudo ao contratante com ART e comprovante de pagamento, além do As-Built. Todas as grades e partes metálicas devem ser aterradas.
  • As portas de segurança do empreendimento devem abrir para fora com travas anti-pânico.

Logicamente que este trabalho está aberto a complementações, em função das condições específicas de cada instalação. Grato a todos pela leitura!