Custos da Não Qualidade, qual a sua importância?

Custos da Não Qualidade, qual a sua importância?

Já pararam para pensar, quantas empresas e organizações hoje em dia estão tendo de buscar alternativas urgentes frente às novas realidades do mercado?

Quantas empresas e organizações nós conhecemos ou até mesmo em alguns casos trabalhamos, enfrentam diariamente este dilema e esta realidade?

É cada vez mais notória, para as organizações, a dificuldade de manter-se ou quem sabe crescer em um ambiente cada vez mais acirrado e competitivo, onde a globalização dos mercados e as constantes alterações verificadas na economia de diferentes países constituem uma dificuldade acrescida para todas as empresas.

Sob este cenário existe um mercado dinamicamente estruturado onde os consumidores estão tornando-se naturalmente mais exigentes e críticos, a busca pela excelência e a chamada diferenciação dos produtos ou serviços ofertados já não garantem plenamente o sucesso financeiro das empresas e por consequência sua sobrevivência neste contexto.

Até então, a tão somente preocupação com a qualidade do produto ou serviço apresentado pelas empresas, representava de certa forma uma maneira concreta e eficaz para se buscar a diferenciação desejada, conseguindo então com isso o êxito em vendas e na conquista de novos consumidores no mercado.

Nos dias de hoje é possível perceber que cada vez mais as empresas adotaram esta fórmula, ou seja, cada vez mais se capacitaram conseguindo assim alcançar um patamar de certa forma equivalente dentre si no que diz respeito ao assunto qualidade.

O apenas “fazer certo” já não basta mais e ter qualidade (produtos / serviços) já não é mais nenhum diferencial capaz de captar ou fidelizar algum cliente.
Ter qualidade nos dias de hoje é pré-requisito e não mais diferencial competitivo. Hoje em dia, é de vital importância ter um olhar para o ambiente externo tanto quanto ter um olhar também (e até mais crítico algumas vezes), para o próprio ambiente interno, onde procuramos assim o chamado ponto de equilíbrio necessário para nos mantermos economicamente saudáveis.

A ação “olhar para dentro de si mesmo” foi à saída então encontrada por algumas empresas quando a igualdade em ternos de produto e serviço chega a esta escala de equiparação. Voltar suas atenções às perdas e custos agregados às operações mal sucedidas ou mal realizadas, ou seja, estratificar, conhecer e controlar os custos atribuídos à má qualidade das operações ou produtos, o chamado custo da não qualidade.

Alguns estudos relativos a países da Europa Central, mostram que através da prática e implantação de gestões que visam a identificação e o controle dos custos atribuídos a não qualidade, podem ser observadas reduções nos gastos finais que variam em uma faixa de 20% à 30% dos gastos atuais.

Neste mesmo sentido empresas que tenderão ao sucesso em médio e longo prazo são aquelas que conseguem estabelecer e maturar uma capacidade de compreensão sobre a verdadeira importância que a variável qualidade ostenta atualmente e os benefícios futuros decorrentes da implantação desta política para a redução de custos.

Desta forma o “olhar interno”, e mais do que isso saber identificar e conhecer nossa ineficiência é o principal e decisivo passo a ser tomado em busca do equilíbrio desejado, neste sentido o custo da não qualidade assume um papel fundamental neste processo.

Seguindo esta tendência, as empresas certificadas pela Norma ISO 9000 já estão sendo orientadas pelos seus respectivos órgãos certificadoras a mensurar os custos atrelados a não qualidade de seus produtos ou serviços, além de existirem e serem monitorados os indicadores da qualidade críticos para o Sistema de Gestão da Qualidade esta métrica monetária é capaz de avaliar o desempenho global de todos os processos bem como disponibiliza aos Gestores informações importantes e decisivas para tomadas de decisões tanto em âmbito tático como em âmbito estratégico.



Excelente artigo e título perfeito! Em um mercado altamente competitivo, a NÃO qualidade termina sendo muito mais dispendiosa para uma empresa do que um investimento estratégico na gestão de qualidade!

0