Joao Reganassi en Recursos Humanos, Profesores y educadores, beBee em Português Executivo de Recursos Humanos e Coaching Internacional • JRH consultores associados 7/2/2018 · 1 min de lectura · 1,8K

O Poder da Reciprocidade

Tudo o que vai, volta. Tudo o que sobe, desce. Toda força exercida sobre um corpo receberá deste uma força na mesma intensidade, na mesma direção, mas em sentido contrário. É a terceira Lei de Newton, que todos estudamos no ensino médio.

Como bons e velhos (ou não) seres humanos, temos uma tendência natural a nos vitimar, de nos fazermos de vítimas até quando somos os culpados. É normal, mas não é o certo. Reconhecer o erro é o primeiro passo para não repeti-lo, é usar a inteligência a nosso próprio favor.

Quando Jesus assentou-se na relva daquele monte próximo de Jerusalém e fez o mais belo discurso de Sua passagem pela terra, o Sermão da Montanha, Sua intenção era ensinar Seus discípulos sobre os mais variados temas práticos da vida, dentre os quais a Lei da Reciprocidade e Ele disse: “Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós, porque esta é a lei e os profetas.” (Mateus 7:12).   

A Lei da Reciprocidade é bem simples de entender e de praticar, é só fazer aos outros o que gostaríamos que os outros nos fizessem. Se você quer ser tratado com respeito, respeite seu semelhante. Se você quer ser socorrido, socorra, ajude, seja solidário; se quer ser amado, ame; se quer ser perdoado, perdoe, até setenta vezes sete, ou ao infinito.

O problema é que todo mundo quer ser amado, mas não sabe amar como convém, trata as pessoas com desprezo e é incapaz de expressar seu amor, pelo menos na medida certa. O problema é que todo mundo quer ser ajudado, socorrido, mas é incapaz de ajudar quem precisa. Na verdade, a atitude mais comum é ignorar o sofrimento dos outros, é passar ao largo de quem precisa de ajuda, mesmo quando ajudar não seria nenhum sacrifício intransponível.

Estamos perdendo muito de nossa sensibilidade com o sofrimento alheio, pelo menos enquanto o sofrimento, o drama, a tragédia for do alheio.

Por muitas vezes Jesus deixou de lado Seu cansaço, Sua fome, Sua sede para aliviar os sofrimentos físicos do povo da Galileia, de Decápolis, da Judeia, ou de além do Jordão, embora não fosse esta a Sua missão na terra. Ele jamais devolveu alguém para sua casa do mesmo modo como o encontrou e Ele é o nosso modelo de fé e prática, e Sua vida, Seu caráter manso e humilde de coração tem que ser o objetivo a ser alcançado por todos.

Não quero com isso imaginar que você chegue perto dos feitos de Jesus. Trouxe o tema para discussão, pois vejo que os ambientes corporativos estão se tornando cada vez mais tecnológicos, e as pessoas deveriam utilizar se desta tecnologia para administ