José Ribeiro in Comunicação e Jornalismo, Marketing e Comunicação, Imprensa Revisor de textos | Coordenador Editorial | Formador ||| Disponível para novos projetos • Freelancer Jan 2, 2017 · 1 min read · +100

Dupla grafia – 50 palavras de uso mais frequente

Dupla grafia – 50 palavras de uso mais frequenteNo artigo anterior ("Acordo Ortográfico dupla grafia"), teço algumas considerações acerca da dupla grafia, forma encontrada pelo AO para salvaguardar a grafia de palavras com consoantes (c ou p) cuja pronúncia oscila entre
o emudecimento e a articulação.

Não querendo repetir as ideias aí expressas, refiro apenas que “dupla grafia” pode ser entendida de dois modos distintos. O que aqui particularmente nos interessa é a sua aceção mais restrita, ou seja, o emprego de duas formas aceitáveis de uma mesma palavra no português europeu, isto é, o que utilizamos em Portugal.

Das pouco mais de duas centenas de palavras que, segundo o Acordo Ortográfico de 1990, admitem dupla grafia (de que não conheço uma sistematização), apresento a seguir uma seleção de 50 que considero de uso mais frequente.

De notar que grande parte das palavras não selecionadas não são senão derivadas das que apresento. Quero com isto dizer que indico, quase sempre, a palavra primitiva (quando esta é de dupla grafia, o que nem sempre acontece) ou a mais comum, e não outras que, pertencendo à mesma família, seguem processo idêntico. Por exemplo, como cara(c)terística – um dos vocábulos selecionados –, temos cara(c)terísticocara(c)terização, cara(c)terizador, cara(c)terizar, cara(c)terizável, descara(c)terizar, incara(c)terístico, etc., que, embora fazendo parte do rol de termos com grafia dupla, não foram selecionados para a lista apresentada.

Palavras aparentemente mais complexas mantêm, por vezes, a consoante articulada, mesmo que a palavra primitiva não admita dupla grafia (há diversas observações neste sentido no quadro apresentado).

O termo que surge sublinhado é supostamente o mais usado, mas constitui mera opção.

Convém, por último, realçar a importância de, optando por um termo, utilizar sempre o mesmo num texto ou publicação, por uma questão de coerência.