Kamila S. Designer in Tecnologia da Informação - TI, Tecnologia, Informática y Tecnología Design Coordinator • SUP Brandão Jul 16, 2019 · 2 min read · +400

Quais são os malefícios tecnológicos que abrangem a sociedade?

Quais são os malefícios tecnológicos que abrangem a sociedade?

Com a popularização e a massificação das redes de computadores, surgiram questões de natureza social que até então não eram notadas. A todo momento podemos ver nos noticiários reportagens sobre sites de pedofilia; atividades ilícitas sendo organizadas em redes sociais; apologias de questões proibidas. As pessoas se expõem cada vez mais através da internet. A sociedade está preparada para conviver com toda esta “conexão”? Quais as vantagens que de toda essa exposição na internet e quais as sugestões para minimizar as consequências negativas que o seu uso indiscriminado vem trazendo?


É fato que a tecnologia mudou completamente nossa forma de pensar. Afeta diretamente o comportamento humano e a mente humana. Afeta nosso modo de funcionamento.

A tecnologia é uma benção e uma maldição ao mesmo tempo.

Você pode até argumentar que tecnologia mau usada é ruim ou que as pessoas não deveriam trocar relacionamentos pessoais por virtuais, mas em geral os pontos positivos superam.

Qualquer avanço tecnológico pode trazer malefício, logo eu diria as próprias redes sociais que de certa forma trocam o contato pessoal pelo contato virtual, em certo grau. Obs.: não nego os benefícios.

O assédio não é coisa do atual, não surge com a tecnologia. Precisamos saber aonde olhar para poder propor ou buscar uma solução para determinado problema.

Sem dúvida, a maior preocupação dos pais será os seus filhos serem assediados por criminosos que fingem ser outras pessoas. No entanto, também tem sucedido frequentemente os adolescentes fornecerem informações íntimas a colegas bem conhecidos que depois é maldosamente difundida pela internet, provocando situações de grande embaraço!

Adolescentes que tendem a passar muito tempo “conectados” com frequência tem acesso a conteúdo violento, podem sofrer ou praticar cyberbullying, ter acesso a drogas, ter imagens publicadas sem a sua autorização circulando em toda a rede, enfim, são muitos os riscos ligados ao uso da internet que estão para além do risco de aprender e testar um comportamento novo.

Já agora, eu acredito que muitas pessoas, especialmente pais de família, podem pegar um smartphone, receber notícias sobre uma nova plataforma social ou desafio de moda e investigar mais sobre isso. O problema é: Não muitos o fazem. Eu não quero generalizar, mas eu acredito que como a tecnologia muitas poucas vezes é associada a coisas ruins (tenho visto que é maior a quantidade de notícias sobre coisas boas da “nova” tecnologia comparadas a coisas ruins), então muitos confiam em que seus filhos não estão em perigo.

O controle parental soa como algo muito conservador, mas é algo necessário para as crianças no dia de hoje.

Há uma ideia, mais ou menos enraizada na sociedade, de que a tecnologia tem sempre de ter a resposta para as questões de segurança. A verdade é que isso não é nem pode ser verdade, porque inclusive as principais falhas não decorrem de problemas na tecnologia, ainda que estas existam, mas sim na forma displicente com que as pessoas usam essa mesma tecnologia. Por exemplo, as pessoas são capazes de dar demasiada informação nas plataformas digitais e em especial nas redes sociais. Esta informação pode e vai ser usada por quem nós menos esperamos.

A ideia base é que devemos ser sempre cuidadosos. Os ataques com técnicas psicológicas, como o fishing é das mais usadas e das mais eficientes, e só é eficaz porque as pessoas confiam demasiado na tecnologia e não param para pensar um pouco.

Porque a tecnologia é mais poderosa, podemos sentir que há mais segurança e privacidade, mas porque as pessoas vão continuar a ser descuidadas, estes avanços nunca serão suficientes.

Os perigos da internet. Pedófilos, aproveitadores, coisas bizarras. A internet é sim uma terra de ninguém. Não quer dizer que você não possa filtrar o que seu filho acessa se tiver um pouco de conhecimento técnico.

Então, o problema não é a internet e sim o acesso a ela, principalmente pelo celular. Na França inicia-se a proibição destes aparelhos em sala de aula. No Brasil a cegueira pedagógica defende o uso do celular em sala de aula. Você libera um laboratório para os alunos estudarem com auxílio de conteúdos da internet e eles procuram redes sociais, sites pornográficos, de fofoca e os conteúdos ficam de lado. Existe uma incompreensão sobre o que realmente interessa aos alunos e isto deve-se a pouca extensão do conhecimento cultural dos alunos e/ou suas famílias. Exemplo. Quando e onde os alunos conhecem o sexo? Será que estamos educando de acordo com a realidade do entorno de nossas vidas?

Assim, a única forma de proteger os filhos é ensiná-los a protegerem-se sozinhos! A verdade é que esta é a única solução para todos os riscos da adolescência: mais do que supervisionar obsessivamente os filhos, aprisionando-os num ambiente protegido, é importante conseguir ensiná-los a reconhecerem as situações de risco, e treiná-los para responderem adequadamente a tais situações.

A ampliação da extensão cultural de nossos jovens e crianças é o caminho para se evitar que eles se tornem vítimas dos perigos que se escondem na amplitude e velocidade das tecnologias atuais. E para isso só existe um remédio: o diálogo.