Luana Diwie en beBee em Português, Coaching, Serviços Profissionais Terapeuta Holística • Autônoma 22/10/2017 · 1 min de lectura · 1,3K

E você, onde se encaixa?

E você, onde se encaixa?

    Há quem diga que uma pessoa que realiza muitas coisas, mas não é excelente em nenhuma delas, não é suficientemente bom em nada.

     Claro que eu discordo deste pensamento... Ora, ser bom em algo não depende da quantidade das habilidades que você desenvolve, basta você gostar do que está fazendo e executar com entusiasmo. Confesso que ao ler um artigo que tratava deste tema, fiquei um pouco conturbada e ao mesmo tempo desapontada. Quer dizer que porque eu tenho vários conhecimentos e habilidades na verdade nada que faço é primoroso? A desilusão durou pouco, tempo suficiente para eu analisar melhor o que havia lido. Só porque não escolhi uma profissão que exija o máximo do meu desempenho como atletismo, futebol, entre outras infinidades de atividades que exigem tempo e treinamento  constante, não significa que eu não possa me dedicar a outras coisas e obter êxito.

    Penso da seguinte forma, o indivíduo que se dedica a uma atividade somente fez aquela escolha, ele resolveu dedicar todo seu tempo, desenvolver a habilidade e ser excepcional nela. Mas o indivíduo que possui várias preferências tem direito em conhecer um pouco de cada atividade, apreender e desenvolver habilidades em cada uma delas, porque não ser multifuncional? Isto depende de suas escolhas. Se me chamarem para um jantar e precisarem que eu cozinhe, eu saberei fazer; se me chamarem para um futebol eu também saberei jogar; se me chamarem para um evento artístico eu poderei contribuir com várias habilidades e assim por diante.

    Existem muitos profissionais frustrados por gostarem de algo e não se dedicarem aquilo, por falta de motivação, tempo, baixa autoestima e uma série de fatores que influenciam, como por exemplo, estes estereótipos criados por alguns especialistas de que você não pode se dedicar a demasiadas atividades, pois não será bom o suficiente em nenhuma delas. Bullshit! Ser bom em algo depende exclusivamente da sua dedicação, claro que algumas profissões exigem mais tempo e exclusividade, mas tudo depende da energia que você investe. Competências se adquirem com experiências, habilidades você desenvolve a partir do momento que decide, dedica e realiza.

    Aproveite seu tempo para apreender tudo que deseja, não desperdice seus pensamentos com opiniões contrárias ou crenças limitantes impostas por uma sociedade controladora. Somos o que queremos ser! Eu não desejo ser excelente em uma coisa, gosto de saber um pouco de tudo, escolho o que desejo apreender e desenvolvo minha criatividade e tempo naquilo que agregue valor em minha vida, isto depende da intenção e consciência de cada sujeito. Ser suficientemente bom em uma atividade é determinante quando você depende da mesma para participar de competições, caso contrário o indivíduo versátil terá melhor desempenho e aplicabilidade de suas habilidades tanto na vida social quanto na profissional.


Thomaz, Luana Diwie. Florianópolis, 22 de outubro de 2017.


Luana Diwie 22/10/2017 · #2

#1 Muito Obrigada @Bruno Pinto! Fico feliz em poder contribuir com este pensamento crítico que não torna-se singular.

+1 +1
Bruno Pinto 22/10/2017 · #1

Muito bom o texto! Compartilho do mesmo pensamento de que essa prerrogativa seja demasiadamente limitante. Não necessariamente precisa ser assim, mas infelizmente vivemos em uma sociedade que acredita em quase tudo que lhe é imposto, que não pesquisa e averigua. Textos como o seu, e também conversas sobre o assunto traz atenção para a discussão do assunto. Muito bom!

+1 +1