Luana Diwie en Emprendedores y Empresarios, Coaching y liderazgo, Líderes Terapeuta Holística • Autônoma 25/9/2017 · 5 min de lectura · +900

O Monge e o Executivo - Síntese

    Através de uma síntese, podemos observar que com o livro O Monge e o Executivo que tem muito a ensinar não só aos lideres, como também as pessoas em totalidade, apesar de todas as dificuldades que serão ultrapassadas pelos agentes de mudanças, o livro traz uma motivação para que as pessoas busquem apreender sobre como liderar, porque afinal esta técnica traz muito também para o cotidiano não só no trabalho como também na escola e na família. Aplicar as intenções às ações é um princípio excelente para que possamos dar o primeiro passo naquilo que almejamos.

O Monge e o Executivo - Síntese

    John, um homem bem sucedido percebe ao longo de sua vida que apesar de todas as suas conquistas pessoais e profissionais passa por um momento conturbado por crises; que nada está tão perfeito como deveria, que seus filhos cresceram e surgia aí uma dificuldade de relacionamento; que sua esposa lhe entendia, mas percebia a necessidade de procurar ajuda e que principalmente na empresa que ocupava gerência estava promovendo dúvidas em relação ao seu posicionamento como líder. Por sugestão de sua esposa, John conversa com um pastor que o propõe uma visita a um mosteiro para uma fuga do cotidiano em que vivia e uma busca espiritual para manter o equilíbrio em sua vida.

    Apesar de toda a contrariedade à vontade da esposa, John decide buscar sua paz interior, tendo algo que o motivou, a chance de conhecer Len Hoffman, um empresário de sucesso, que muito poderia lhe ensinar. Hoffman era formado em Administração de Empresas, entrou para a Marinha como Oficial onde foi promovido Comandante de uma lancha que buscava capturar japoneses em resposta ao ataque de Pearl Harbor. Através deste episódio que Hoffman criou a frase de que “é importante tratar outros seres humanos exatamente como você gostaria que eles o tratassem”, frase citada quando desobedeceu a ordens superiores e tratou os japoneses capturados com dignidade. Foi condecorado e ficou conhecido por sua habilidade em liderar e motivar pessoas, também em fazer renascerem empresas que estavam em fase terminal. Depois de todas as revoluções no mundo dos negócios protagonizadas por Hoffman, ele desaparece sem deixar vestígios, mesmo seus cinco filhos não revelaram seu paradeiro, sua esposa havia falecido ano antes do seu sumiço.

    Simeão era um homem que muito persistia durante toda a vida de John, e por coincidência foi batizado Leonard Hoffman no Mosteiro com este nome e de uma maneira inesperada John vê Simeão já no Mosteiro, quando este conserta o vaso sanitário de seu quarto , alguém que não esperava ver tão humildemente consertando um vaso, John fica surpreso inclusive com o aspecto envelhecido de Hoffman que de certo modo emanava sabedoria e poder. Destarte, Simeão marcou com John o próximo encontro onde se reuniram mais participantes para um aprendizado sobre lideranças. Neste encontro cada participante, seis no total, deveria falar do motivo que os levara ao retiro, por ordem fala um pregador, Lee o companheiro de quarto de John; um Sargento do Exército, Greg; uma diretora de escola pública, Teresa; uma treinadora do time de basquete, Chris; e uma enfermeira-chefe, Kim; que John não conseguiu ouvir por estar preocupado com a hora de sua fala e logo na sua vez de falar Simeão o surpreende pedindo que fale do que Kim disse, mas John se absteve, pois não havia prestado atenção e assumiu sua falha de não ouvir a colega. Neste momento Simeão mostra ao grupo que um bom líder precisa ouvir. Na oportunidade, Simeão responde a uma pergunta de Lee que acha intrigante o fato de Simeão não utilizar nunca como sinônimo a palavra gerência e sim liderança durante o encontro, Simeão explica que você pode até gerenciar a si mesmo, mas você não gerencia seres humanos, você gerencia coisas e lidera pessoas.

    De acordo com o grupo, a pedido de Simeão, a definição de liderança é a habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum. Simeão afirma que uma habilidade é simplesmente uma capacidade adquirida e influenciar os outros é uma habilidade que pode ser aprendida e desenvolvida por alguém que tenha o desejo e pratique as ações adequadas. Complementa Simeão, que para entender como se desenvolve influência sobre as pessoas, é necessário compreender a diferença entre poder e autoridade e cita a definição de poder e autoridade a partir de Max Weber como a exemplo: “Poder é a faculdade de forçar ou coagir alguém a fazer sua vontade, por causa de sua posição ou força, mesmo que a pessoa preferisse não o fazer”. Acrescentou Simeão que autoridade é a habilidade de levar as pessoas a fazerem de boa vontade o que você quer por causa de sua influência pessoal, então Simeão pediu ao grupo que em dupla descrevesse alguém que considerasse uma autoridade e suas qualidades como também as de seu parceiro em uma lista, e destas surgiram:

  • Honestidade, confiabilidade;
  • Bom exemplo;
  • Cuidado;

  • Compromisso;

  • Bom ouvinte;

  • Conquistar a confiança das pessoas;

  • Tratar as pessoas com respeito;

  • Encorajar as pessoas;

  • Atitude positiva e entusiástica;

  • Gostar das pessoas.

    Simeão questiona com o grupo quais destas qualidades de caráter que consideram essenciais para liderar com autoridade, e quais nascem conosco? Desafia o grupo a pensar e parte para a segunda pergunta, quantas destas qualidades, comportamentos, utilizam em suas vidas no momento? Não nascemos com nenhum destes traços, porém os desenvolvemos ao longo de nossas vidas, alguns mais acentuados que os outros passam a fazer parte do nosso comportamento e para um líder é essencial que se trabalhe os traços de caráter com muito esforço através das escolhas feitas. Para uma liderança eficaz é necessário um bom relacionamento com pessoas e definir uma tarefa, para que o que se deseja seja concretizado através do comprometimento das pessoas que se está trabalhando. Para sintetizar o pensamento, Simeão explica que a chave para a liderança é executar as tarefas enquanto se constroem os relacionamentos. Os grandes líderes possuem uma verdadeira capacidade de construir relacionamentos saudáveis, para que um negócio seja próspero devem existir relacionamentos saudáveis entre os responsáveis pela organização, e se não mantivermos um bom relacionamento com nossos clientes, alguém manterá.

    Para simplificar, relacionamentos saudáveis são necessários entre fornecedores, clientes, empregados, proprietários, para o sucesso do negócio, e é essencial esta compreensão por parte dos líderes, para que garantam eficiência e eficácia.

    Simeão fala aos participantes que é possível quebrar velhos paradigmas, pois podem ser perigosos se os levarmos muito a sério, também é preciso filtrar o que é valioso e estar aberto às mudanças que fazem parte do desenvolvimento humano, é necessário inverter velhos paradigmas de que o funcionário deva servir o chefe porque o funcionário está mais próximo do cliente e sem cliente não há negócio que se mantenha. Portanto pelo novo paradigma o chefe deve servir ao funcionário, que estando satisfeito tratará bem o cliente, que tornará a empresa promissora através do contentamento e da divulgação a outros clientes que estão negociando com a concorrência.

    Após uma discussão levantada por Greg, sobre como os funcionários se prevaleceriam estando no auge da pirâmide paralelo aos clientes, Simeão discorda deixando claro a Greg que existe uma grande diferença em necessidades e vontades, utilizando o exemplo de que os escravos fazem o que os outros querem e os servidores fazem o que os outros precisam, pois satisfazer vontades não é o mesmo que satisfazer necessidades. Os funcionários precisam de bem estar físico e psicológico, suas reais exigências para sobreviver devem ser bem atendidas e não aquilo que desejam por simples vontade, porque desta forma não estão pensando nas consequências físicas e psicológicas que isto trará a si próprios. É imprescindível que um líder seja respeitoso com seu liderado e saiba ouvir suas necessidades, seja flexível para entender que cada um possui uma necessidade própria, existem diferenças a serem visadas.

    Kim pede licença no curso para apresentar no quadro as necessidades básicas do ser humano de acordo com Abraham Maslow seguindo uma hierarquia de que é necessário, comida, água e moradia em princípio como base da pirâmide, depois segurança e proteção, estabelecer limites, regras e padrões se encaixam nesta base, para dar continuidade aos incentivos levando-se em consideração a importância do funcionário ser amado e sentir-se parte da empresa, pertencimento do grupo saudável, a consequência deste suporte é que o liderado terá autoestima e auto-realização, sendo reconhecido, respeitado, valorizado e premiado pela empresa, isto é dar as necessidades ao funcionário e certa disto a empresa também estará tendo seu merecimento.

    Um líder deve dar condições e incentivo para que os funcionários busquem seu melhor, sua excelência profissional naquilo que melhor sabem ou querem fazer, para sentirem-se realizados e contribuírem positivamente para com a empresa. A liderança se constrói aos poucos sobre a autoridade adquirida com o tempo, servindo seus funcionários e fazendo algo por eles você terá sua autoridade, influência adquirida sobre seus pensamentos e atitudes. É necessário que uma pessoa com desejo de tornar-se líder tenha vontade através das intenções e aplique às ações o amor, esteja suscetível a enxergar as necessidades e não os desejos das pessoas a quem está liderando. É preciso servir e sacrificar-se para poder suprir as necessidades do próximo, assim estará promovendo influência sobre aquele a quem lidera, tendo como resultado a autoridade e a verdadeira liderança do grupo.

    O amor que Simeão coloca ao grupo parte dos princípios de Jesus que pede que amemos aos próximos e principalmente inimigos, para definição de amor Simeão incentiva os integrantes a buscar no dicionário e em exemplos cotidianos o significado da palavra, para que todos pudessem entender as características que um líder necessita, as conclusões foram de que o amor consistia em:

  • Paciência;
  • Bondade;
  • Humildade;
  • Respeito;
  • Generosidade;
  • Perdão;
  • Honestidade;
  • Compromisso.

        De acordo com Kim, o verbo amar pode ser definido como o Ato ou os Atos de doação aos outros, identificando e atendendo suas legítimas necessidades, ou seja, amar não é como se sente em relação aos outros, mas como se comporta em relação aos outros, é importante ressaltar, de acordo com Simeão, que comportamentos positivos produzem sentimentos positivos.

        Um ambiente saudável também é muito importante para possibilitar um crescimento saudável, principalmente se tratando de pessoas. Um líder compromissado espera os resultados de seus investimentos ao longo prazo nos seus liderados e no sucesso da empresa, porque nenhum fruto nasce do nada, é preciso preparar a terra, plantar, cuidar, proteger de ervas daninhas, para depois de muito tempo colher os resultados. Assim são as pessoas e desta forma devem esperar seus lideres pelo retorno de seu empenho.

        Toda a liderança começa com escolhas e estas escolhas por sua vez trazem consigo responsabilidades, por isso é preciso saber lidar com o ser humano, o cuidado é primordial para que as responsabilidades sejam em dose certa e que não acarrete em uma doença psicológica, como colaborou Kim ao falar das pessoas que se tornam neuróticas por assumir mais tarefas que suportem, ou aqueles que não possuem caráter por colocar a culpa de tudo em outras pessoas. As pessoas perdem tanto tempo tentando encontrar responsáveis por seus problemas, que entram na era do determinismo, onde existe uma causa para todo efeito ou evento físico e mental, teoria esta de Sigmund Freud. Qualquer problema ou situação vêm a nós, porém cada um tem a capacidade de definir se a sua resposta ao acontecimento será de acordo com a lei do determinismo ou com a nossa habilidade de escolha para melhor aplicar nossa resposta. Teresa enfatiza que o modo de ser das pessoas depende das decisões, não das condições, e que o homem é essencialmente autodeterminante, ele mesmo se transforma no que se mostra ser, e como diz Simeão, sua vida é feita de escolhas, além disso, só lhe resta uma segunda opção, que é a morte. Complementamos o pensamento com a citação dita por Teresa de que “Pensamentos tornam-se ações, ações tornam-se hábitos, hábitos tornam-se caráter, e nosso caráter torna-se nosso destino”. Para finalizar o encontro os integrantes almoçaram juntos e se despediram certos de que uma nova vida se instalara no coração de cada um, na despedida de John e Simeão, A frase de Syrus é exclamada por Simeão para confortar John: “De nada vale apreender bem se você deixar de fazer o bem”.


    Thomaz, Luana Diwie. Florianópolis/SC, 2010.

    REFERÊNCIAS: Hunter, James C., O Monge e o Executivo – Rio de Janeiro: 2ª Ed. Sextante, 2004.


    Luana Diwie 22/12/2017 · #2

    #1 Gracias!!!

    +1 +1
    Hector Fong 21/12/2017 · #1

    Buen post@Luana Diwie

    +1 +1