Luana Diwie en Trabalho Social - Serviço social, Sistema da Qualidade, Meio Ambiente e Sustentabilidade, Sustentabilidade Terapeuta Holística • Autônoma 12/10/2017 · 2 min de lectura · 2,4K

Um saber voluntário.

Um saber voluntário.

    Temos um importante papel na sociedade, fazer a nossa parte. A partir desta perspectiva partimos do princípio da solidariedade, aproveitando as oportunidades, por isso a importância de pessoas conscientes e capazes, que se utilizam da informação para tomar atitudes pautadas em uma base teórica que promova a sabedoria necessária para o processo de reorganização. Falando deste processo podemos destacar o papel da Defesa Civil na sociedade e de como é importante apreender seu funcionamento para construção de um estado de bem-estar social, onde todos estejam preparados e organizados sabendo trabalhar em conjunto com as especificidades da prevenção, preparação, resposta e reconstrução antes, depois e durante um desastre, seja ele natural ou causado pelas mãos do ser humano.

    Os desastres podem ocorrer sobre qualquer parte do ecossistema e trazer prejuízos econômicos e sociais, bem como humanos, materiais e ambientais. O crescimento populacional descontrolado e a falta de estrutura governamental contribuem para que um desastre não seja natural e sim causado pelo homem. Partindo do pressuposto de que a população não é bem assistida e a educação manipulada, podemos concluir que a mesma não tem informação e se possui em minoria não põe em prática por desinteresse civil ou ignorância devido às circunstâncias a que está submetida. A exemplo da população que se instala em áreas consideradas de risco porque não há espaço demográfico em áreas consideradas seguras e a desigualdade social evidencia este cenário. Contudo, fica fácil presumir que um desastre ambiental tenha impactos profundos nas encostas, como deslizamentos de casas em morros e sobre territórios onde não existe um controle ambiental contínuo, com desequilíbrio e excesso da utilização dos recursos naturais.

    Sendo estes desastres ocorrências naturais ou do homem, devem ser evitados através da prevenção. A vulnerabilidade a que uma população está submetida frente a um desastre está diretamente ligada ao nível informacional a que esta teve acesso. Por isso a educação das crianças e nas escolas e a conscientização dos adultos é importante, na busca de um desenvolvimento gradativo de consciência,  medidas necessárias para uma reação eficiente  aos desastres, para que se tenha noção de como proceder, diminuindo assim os riscos, pois nem todos os fenômenos podem ser previstos. A fase da preparação que consiste na avaliação dos riscos e análise das vulnerabilidades é de extrema importância para intensificar a prevenção dos riscos; é necessário que esta fase seja compartilhada por todos, incentivada pelos organismos federais e promovida pela população através de atividades de divulgação, capacitação, simulação, planejamento entre outras que se fizerem necessárias. 

    A Defesa Civil se utiliza de dois planos de resposta que são realizados nesta etapa de preparação: o plano diretor da defesa civil e o plano de contingência, elaborados por toda equipe do gerenciamento dos desastres. O plano diretor engloba as estratégias, ações, objetivos e metas a serem seguidas antes, durante e depois do desastre com o intuito de proteger a população contra qualquer desastre. O plano de contingência é específico para organizar toda a movimentação frente aos desastres, seja dividindo as tarefas, gerenciando o recebimento de doações e mapeando toda a estrutura, para cada tipo de desastre é necessário um plano de contingência. A resposta aos desastres se dá com o socorro na busca e preservação das vidas, com a assistência no apoio e satisfação das necessidades dos desabrigados e na regeneração de cenários que engloba toda limpeza e reparação das estruturas danificadas. Depois do desastre ocorre a reconstrução que em sua amplitude envolve prejuízos físicos, materiais, econômicos, sociais e psicológicos dos afetados.

    O conhecimento é a chave para qualquer resultado que se queira obter. A busca por melhorias deve partir da sociedade no geral com consequente opressão ao Estado, porém como estamos imersos em um mundo ávido e autocentrado, o que cabe a todos começa pela autonomia e conduta de cada um de nós em busca de um planeta lapidado. Ser voluntário é isso, começar fazendo a sua parte, na expectativa de que seu exemplo seja visto e sirva de estímulo para os demais. O primeiro passo é consumir menos, aproveitar mais o que se tem, reutilizar o que se pode, reciclar o que for possível e plantar, gerando recursos próprios e melhorando o ambiente para todos. Espero ter contribuído, bom início!


Thomaz, Luana Diwie. Florianópolis, 12 de outubro de 2017.


Albertino Amaral netto 14/11/2018 · #5

Sensacional fiz um trabalho de produção de socialização de detentor para sustentabilidade de sua família desamparada

0
juliano ruiz 2/1/2018 · #4

Se precisar de mim perto meus servisos posso ajudar so chamar

0
Luana Diwie 12/10/2017 · #3

#2 Obrigada @Marisa Fonseca Diniz. Uma rosa de luz e amor para você, abraço!

+1 +1
Marisa Fonseca Diniz 12/10/2017 · #2

Ser voluntário é saber se doar para aqueles que realmente precisam de ajuda, excelente texto!

+2 +2
Luis Piriz 12/10/2017 · #1

Bonita enseñanza, Lu !

+1 +1