Lucila Egydio in profissionais de turismo, Turismo Rural, Hotelaria, Gastronomia e Turismo Consultora Autônoma • Raízes Desenvolvimento Sustentável Jul 8, 2016 · 1 min read · 2.8K

V. O inverno santantonense

V.	O inverno santantonenseUma brisa fresca sopra constantemente e as noites são de temperaturas bastante amenas. Apesar de estarmos no inverno, os dias são quentes e todos afirmam repetidamente que este inverno está extremamente atípico. Alguns sequer retiraram os casacos do armário para enfrentar as baixas temperaturas. Agradeço todos os dias por ter sido recebida com dias quentes, ensolarados e noites de um friozinho quase gostoso, em que uma coberta é suficiente.

O dia amanhece por volta das 7 horas da manhã, quando o sol consegue vencer a barreira formada pelos altos cumes das cadeias montanhosas. As manhãs são frescas e o vento que sopra do mar obriga usar algum agasalho, mas temos tido várias manhãs já quentes... Por vezes há uma névoa acima das montanhas e mais tarde e sol se abre pleno e em alguns dias a névoa permanece acinzentando o dia.

O mar não apresenta grandes variações de maré ao longo do dia (pelo que pude perceber, já que frequento mais o interior da ilha) e me explicaram que a variação se dá entre as estações. No verão, dizem que ele recua, formando praias, poucas de areia (escura) e muitas de pedras.

A secura impera... Já é possível ver a diferença da vegetação desde quando cheguei nas montanhas que me brindam todos os dias com sua imponência à janela do meu quarto. A pele pede por cremes e os lábios vivem secos, seja pela sede constante ou pela simples sequidão do ar.

O sol a pino empurra para a sombra, onde é fresco e o vento alivia e o conceito de microclima fica evidente quando se entre em uma área arborizada ou nos vales onde a água é mais abundante. Mas em geral, mantendo-se a hidratação contente, o inverno santantonense me recebeu com muita gentileza.