O Brasil que não queremos...

POST DO BLOG VERSAR PEDAGOGIA

O Brasil que não queremos...

Um salário mínimo para pagar as contas básicas do mês, refeição, escola dos filhos, transporte... Menos de R$1.000,00 com os descontos. Soma os salários ou receitas de quem trabalha em casa e dá-se um jeito de sobreviver. Um salário, mal dá para um solteiro, quem dirás para uma família.


Ter Ensino Médio, pode até dar condições para um emprego básico no comércio ou algum subemprego. Ter graduação é pouco, pós graduação não é nada. Ter mestrado ou doutorado? Títulos, apenas! Às vezes, exigem tanto que um título conquistado, perde o valor. Ai, você pensa... o que fazer para melhorar de vida?  Sorte? Sei, lá!


Concurso... há muito tempo que não se vê editais atraentes por ai. E inacreditável, há pessoas ignorantes que são contra concursos. Como assim?  Você rala, abre mão de sua vida social, estuda horas diárias para digerir apostilas, livros e tudo que houver, gasta com cursos e há aqueles que dizem que concurso é para quem não quer trabalhar. A maior vantagem é a estabilidade, além de ter horas reduzidas de trabalho, o salário é bom e tem alguns benefícios, mas será que é tão fácil assim? Pode ter certeza que a responsabilidade pesa e muito. Não é só fazer a prova e passar, é ser de fato, efetivado, pois há situações que é preciso entrar na justiça para assumir seu cargo conquistado.


Trabalhar toda a vida não basta! O que é suficiente, então?


Trabalhar anos por uma aposentadoria que não se sabe se virá, depois de anos de doação dos seus melhores anos de vida, abrindo mão de estar presente quando sua família mais necessita, por causa do trabalho que lhe toma todo o tempo. E mesmo em casa, a papelada te acompanha... seja na sua mesa ou nos seus pensamentos. Esse é seu dia: O que eu preciso antecipar? Como tenho que resolver...? O que tenho a dizer...? 
Com isso, ansiedade, crises de pânico, doenças somáticas, uso de ansiolítico, antidepressivos, etc. E no fim, aposentadoria??  Sugam toda sua vida, para no fim, nem mesmo um plano de saúde para tratar o que sobrou de você.
Envelhecer com qualidade de vida é um sonho. Como fazer isso acontecer? Se no fim daqueles anos de contribuição, o que se recebe não é suficiente para pagar o básico! E ai, a criatividade precisa aflorar, com a informalidade.
Já pensou que enquanto você conta moedas para comprar o pão do café da manhã, o político A, B ou C degusta seu croissant ou bolo trufado com suco de frutas nobres, como a Uva Rubi romana, enquanto a mulher dele esta pensando se vai presentear o filho de 12 anos com o modelo novo do relógio da Cartier que ela viu numa vitrine da Fifth Avenue, no Central Park de Nova York... E pense que pagamos o café da manhã de nossos políticos, suas viagens, seus luxos, etc. 


Políticos são empregados do povo, trabalham para o povo e pelo povo! 
E por que o povo, em sua maioria, morre trabalhando sem o mínimo básico, enquanto os 'empregados do povo' vivem ostentando? São altos salários, com benefícios que nem mesmo utilizam, como moradia executiva paga, enquanto tem gente dormindo na praça pensando na fome desgraçada que está sentindo. Político tinha que ganhar um salário compatível com o do povo ou ser cargo voluntário, onde ele estivesse em condição de sentir o que sente a população. 
Carregar criança catarrenta, abraçar gente que não sabe o que é desodorante de qualidade, olhar nos olhos de gente desdentada e mal vestida para pedir votos na época de campanha é fácil. São apenas algumas horas desse contato, para depois ir para casa e tomar uma banho quente, usando caros artigos de higiene ou mesmo aquele banho relaxante em sais de banho... 


E muitos questionam, "aprender para que?"
Educação é o único legado eterno! Uma arma poderosa que poucos sabem seu valor. Quando você detêm conhecimento, você tem como argumentar e fazer valer seus direitos. Podem negar o quanto quiser, mas comprove perante a lei que está certo, com certeza levará tempo, mas valerá tentar. Infelizmente, nem todos sabem ou acreditam, talvez acostumados ao desmerecimento e ao enquadramento da insignificância. 
Se o povo não acordar, assim o mal persistirá com a miséria, fome, desnutrição, mortalidade em alta...
Os primeiros passos para a transformação, iniciam-se no âmbito escolar. Um ambiente atrativo de ensino, com assuntos cativantes, educadores empenhados para a causa. Contudo, não é isso que encontramos quando se trata de ensino público. 


Para muitos pais, alunos e até mesmo professores, a escola se tornou depósito de gente. 
Para alguns pais é apenas por não poder deixar os filhos sozinhos e pela obrigação de matricular para não haver punição; para alguns professores, é o preço da aposentadoria e para alguns alunos, a escola nada mais é, do que um espaço social nem sempre saudável, com algo a fazer e onde pode-se comer. 
Sim, já estude em uma escola pública e vi a realidade de várias crianças e adolescentes fazendo fila por uma caneca de café ou mingau com pão ou cuscuz. Sabia que aquela refeição no meio da tarde, era o que alguns ou muitos teriam para o dia inteiro. Isso quando tem!!! E com 15 anos (1997), foi um choque de realidade social. Como contei no post Eu sou TDA, estudei por 1 ano num colégio público.
Num país onde se preza a política do "pão e circo", educação (conhecimento - criticidade - governabilidade) é para poucos. Numa terra, onde reina corrupção, em que pessoas já nascem instruídas à 'esperteza' e aprendem a tirar vantagem desde a infância, tal como numa selva em que a recompensa é sobreviver. 
O Brasil, com tanto a oferecer, mas tão pouco é dado. Quase terra de ninguém! Aqui, uns caciques mandam, mexem e remexem na lei como se a Constituição nada fosse... Driblam direitos, marcam jogadores do bem cometendo faltas gravíssimas que tolhem o direito de cidadania, impedem o exercício dos poderes que por dever, obrigatoriamente protegeria aqueles que mais precisam. Eis o país do futebol... onde ações, como pedaladas fiscais, são cometidas todo o tempo e é motivo de tirar de campo, apenas um jogador entre tantos que a cometeram. 
Não sou de partido algum, sou do povo! Do povo que quer viver e não apenas sobreviver! 
Aos olhos de uma criança, uma reflexão direta e verdadeira.


"O que eu não quero para o Brasil!"
Esse vídeo, para mim, representa uma visão do que, pelo menos a maioria, espera de um Brasil melhor. Com menos, violência e corrupção e mais dignidade para o povo. Não é uma ideia carregada de ilusão de um mundo perfeito, é apenas do que se espera para uma vida, dignidade. 



Maria Cavalcante 15/5/2018 · #1

E felizmente e a realidade em nosso Brasil cada dia que passa temos menos oportunidade pois tudo está na sua mão de nossos governantes que fazer o que quer com tudo e com todos nós

+1 +1