Mauro Barbosa en Análise do comportamento, Estudantes, Livros Escritor • Chiado Editora 13/10/2016 · 2 min de lectura · 1,2K

O mundo se perdeu?

O que está havendo com os habitantes do planeta azul? Na Europa - e se espalhando pelo mundo - pessoas se fantasiam de palhaços e assustam outras, causando incidentes até de certa gravidade. Simplesmente bisonho, ridículo. No Brasil a violência chega a níveis insuportáveis, a ponto de, no Rio de Janeiro, um homem assassinar outro por causa do "direito" de sentar na última(?) cadeira de um shopping center? Ainda no Brasil, políticos corruptos se intitulam os mais honestos deste país. 

No Oriente não se chega à paz nem com diálogo, nem com guerras, nem com fugas em massa. O negócio é vender armas e fomentar o capitalismo, o poder, a tirania. Na maior potência mundial temos um candidato à presidência completamente desgovernado. 

A cultura literária e musical está acabando em terras tupiniquins, que prefere o besteirol, o mi mi mi, o mu mu mu. Afora outras baboseiras como alguns programas de TV. Sem contar filmes de sexo, violência, terror e zumbis (caramba como tem filme de zumbi!) que enxameiam as telas de cinema. Parecem até os jornais diários deste nosso Brasil varonil, cujo governo obriga a votar, enfia goela abaixo programa eleitoral gratuito, obriga o pagamento de uma infinidade de impostos, impede o cidadão de se aposentar depois de 35 anos de trabalho, mas eles se aposentam com apenas dois mandatos. E o mais grave, não cumprem nada do que prometem. E ainda geram novos impostos revestidos de nomes diferentes como PECs, CPMF e sabe-se lá mais o que. 

Enquanto isso bons livros empoeiram nas livrarias lotadas de pessoas que, atônitas, escolhem os da moda, estilo fama relâmpago sem conteúdo. Na última Bienal Internacional do Livro conversei com jovens que não sabiam quem eram Luis Fernando Veríssimo e Martha Medeiros. O mundo se perdeu. As pessoas andam a cata de felicidade a qualquer preço, diversões assustadoras, domínio, violência, luxúria e poder. Que se danem os semelhantes. 

Agora a moda é jovens se suicidarem por conta de games que no meu tempo eram apenas diversão. Hoje se transformaram em jogos vorazes de disputa, em meio a apostas absurdas. Pais são acusados de largarem o