Mauro Barbosa en Análise do comportamento, Estudantes, Livros Escritor • Chiado Editora 13/10/2016 · 2 min de lectura · 1,2K

O mundo se perdeu?

O que está havendo com os habitantes do planeta azul? Na Europa - e se espalhando pelo mundo - pessoas se fantasiam de palhaços e assustam outras, causando incidentes até de certa gravidade. Simplesmente bisonho, ridículo. No Brasil a violência chega a níveis insuportáveis, a ponto de, no Rio de Janeiro, um homem assassinar outro por causa do "direito" de sentar na última(?) cadeira de um shopping center? Ainda no Brasil, políticos corruptos se intitulam os mais honestos deste país. 

No Oriente não se chega à paz nem com diálogo, nem com guerras, nem com fugas em massa. O negócio é vender armas e fomentar o capitalismo, o poder, a tirania. Na maior potência mundial temos um candidato à presidência completamente desgovernado. 

A cultura literária e musical está acabando em terras tupiniquins, que prefere o besteirol, o mi mi mi, o mu mu mu. Afora outras baboseiras como alguns programas de TV. Sem contar filmes de sexo, violência, terror e zumbis (caramba como tem filme de zumbi!) que enxameiam as telas de cinema. Parecem até os jornais diários deste nosso Brasil varonil, cujo governo obriga a votar, enfia goela abaixo programa eleitoral gratuito, obriga o pagamento de uma infinidade de impostos, impede o cidadão de se aposentar depois de 35 anos de trabalho, mas eles se aposentam com apenas dois mandatos. E o mais grave, não cumprem nada do que prometem. E ainda geram novos impostos revestidos de nomes diferentes como PECs, CPMF e sabe-se lá mais o que. 

Enquanto isso bons livros empoeiram nas livrarias lotadas de pessoas que, atônitas, escolhem os da moda, estilo fama relâmpago sem conteúdo. Na última Bienal Internacional do Livro conversei com jovens que não sabiam quem eram Luis Fernando Veríssimo e Martha Medeiros. O mundo se perdeu. As pessoas andam a cata de felicidade a qualquer preço, diversões assustadoras, domínio, violência, luxúria e poder. Que se danem os semelhantes. 

Agora a moda é jovens se suicidarem por conta de games que no meu tempo eram apenas diversão. Hoje se transformaram em jogos vorazes de disputa, em meio a apostas absurdas. Pais são acusados de largarem os filhos na internet, mas ninguém lembra que, se não todos, a grande maioria está trabalhando desesperadamente para tentar dar educação e uma boa qualidade de vida à família. Porém, se os pais têm responsabilidade, e têm mesmo, não se pode negar que alguns sociólogos, economistas, políticos, psicólogos, Ongs, etc., que adoram dar pitaco nos problemas alheios também são responsáveis. E muito! Falar dos problemas alheios é fácil. Quando ocorrer um grave com eles, venham para a televisão fazer o mea culpa. Aí talvez eu acredite. Sigam o exemplo da mãe do Cazuza que em vez de ficar julgando os outros, foi ajudar quem precisa, usando o exemplo do filho famoso para aliviar outras dores. 

E em meio ao caos da ganância que tomou conta do mundo, empresários sugam mais de cada vez menos profissionais. Os outros estão desempregados porque governantes corruptos, repito, se apossaram do dinheiro que não lhes pertence. Isto tem nome e nem precisa olhar o dicionário. Está gravado na consciência. Pobre dos animais chamados de irracionais pelos homens. Quanto paradoxo! 

A criatura dita racional, locupleta o erário descaradamente: sem escrúpulos e vergonha na cara. Já perdi a conta dos números e nomes da operação lava-jato, ou limpa- fossa como ouvi certa vez. Parece que esse fosso não tem fundo. Ainda há esperança com o juiz Sérgio Moro? Tomara, porque está parecendo que só mesmo Jesus na causa. O planeta Terra suplica paz através de cataclismos, escassez de água e alimentos. É a forma que ele tem de gritar por socorro. Contudo, se a paz não vier por bem, então que venha o Nibiru e carregue tudo de uma vez! 

 

O mundo se perdeu?


Tifany Rodio 18/10/2016 · #3

O mundo parece estar mesmo de cabeça pra baixo. Não é preciso ir longe. As próprias relações cotidianas estão cheias de egoísmo, mentiras e falta de respeito, entre amigos, colegas de trabalho ou casais. Como isso não vai se refletir em todas as esferas e a nível global? 😩

+1 +1

As vezes eu tenho a mesma impressão, a despeito de que a humanidade sempre foi um pouco desajustada mesmo. Acho que isso se deve ao fato de estarmos observando esses acontecimento da perspectiva de quem está no olho do furacão. Mas, na realidade, a trajetória do ser humano na terra está repleta de barbaridade que remontam os tempos mais longínquos.

+2 +2