Neto Montana in beBee em Português, Escritores, Poesía Produtor de Eventos • Produtor de eventos Apr 23, 2020 · 1 min read · +200

Ambos os lados

Ambos os lados
Há que uma voz ecoe de longe. Nem palavras, nem sentimentos. Gritos sem força. Os braços estão longe, o coração distante. Nem voz, nem vigor. Sobra eco, da distancia, num túnel longo e escuro. Brigas tolas, representações momentâneas. Barulho em vão e cicatrizes que não curam. Ficam abertas num traço ferido, de inimizade. Cavalheiros lutam energicamente pra juntar suas ideias. Declarar suas feridas que como ursos a hibernar numa caverna fria e escura numa dança de marionetes que apenas representam. Na bagunça de fúria e confusão. Dois lados, ambos os lados. Que nenhum representa coisa alguma - apenas ecoa a distancia, alonga os passos, distanciam-se os desejos, esfria o sangue e petrifica o coração.


Dois lados de começos sem fins, das lutas sem ideais, das brigas sem intenções. Idas e vindas - gritos que perdem, sem potencia. Flutuam os ecos esparsando-se na distancia. Que se foi inteiro - aos cacos espalhados. Talvez haja um pote de cola perdida em meio aos ecos, esquecida no meio do barulho. Deixada diante os tumultos. Que ninguém enxerga diante a cegues. Aos esforços ferozes da madrugada, o corujeiro da noite decifra, mistérios da noite recitam, até o dia amanhecer para os seres do dia e da noite puderem entender. Porém é essencial para o juízo, quando a comunicação amolece o coração, devota união do dia e da noite, da luz e da escuridão, ambos trabalham para a completa harmonização.