Antônio Júnior in Profissionais Administrativos, Recursos Humanos, Desenvolvimento Humano Facilitador Trainer • AUGE - Desenvolvimento Corporativo | Conhecimento Humano 5 d ago · 4 min read · ~100

Fluxo de Caixa: Tudo o que você Precisa Saber para Fazer Corretamente

Fluxo de Caixa: Tudo o que você Precisa Saber para Fazer Corretamente

Quando o assunto é a “saúde financeira” de um negócio, um dos primeiros desafios do empreendedor é sobre como entender o funcionamento do fluxo de caixa a fim de fazer uma gestão financeira de resultado.


Pensando em ajudar aos empreendedores a solucionar esse desafio, compilei neste artigo os principais pontos que precisam ser observados pelo empreendedor para que ele não só entenda o que é fluxo de caixa mas saiba como fazer a gestão do fluxo de caixa da empresa de forma assertiva. Vamos lá?


O que é fluxo de caixa


Para que você consiga entender melhor o que é fluxo de caixa, entenderemos o significado da junção destas duas palavras.


Fluxo, em economia, tem o significado de movimentação de pagamentos e recebimentos. Enquanto que caixa é a denominação de uma conta que registra o valor dos recursos disponíveis na empresa.


Sendo assim, podemos resumir a definição de fluxo de caixa como o registro de todas as movimentações de pagamentos e recebimentos que ocorrem no caixa de uma empresa.


Qual a importância do fluxo de caixa


Talvez você não tenha conhecimento desta informação, mas, a cada 04 (quatro) empresas criadas, uma delas fecha antes de completar 2 anos de existência. Entre as causas mais comuns está a falta de controle do fluxo de caixa da empresa.


É por esta razão que o sucesso de uma organização está relacionado ao domínio do fluxo de caixa da empresa.



Quais os tipos de fluxo de caixa


Não queremos complicar as coisas. Porém, é importante entender a existência mais de um tipo de fluxo de caixa.


Para cada tipo de fluxo de caixa temos características e fins únicos. Por isso, é primordial você ter o conhecimento geral para que possa fazer uma excelente gestão financeira.


1 - Fluxo de caixa direto


Para o fluxo de caixa direto não existe segredo, pois ele é a modalidade mais utilizada do fluxo de caixa. O fluxo de caixa direto considera o bruto das movimentações financeiras. Ou seja, ele não considera nenhum desconto.



2 - Fluxo de caixa indireto


Enquanto o fluxo de caixa direto considera a forma bruta das movimentações financeiras, o fluxo de caixa indireto utiliza o balanço patrimonial para calcular a variação de ativos em um determinado período. Por isso, esse tipo de fluxo de caixa faz mais parte da contabilidade do que da tesouraria de uma empresa.


3 - Fluxo de caixa projetado


Você já sabe o quanto é importante registrar todas as entradas e saídas do caixa de sua empresa. Mas, por outro lado, entender como utilizar essas informações é um fator primordial para o sucesso da gestão financeira da sua empresa.


O fluxo de caixa projetado, como o próprio nome já revela, é uma projeção das finanças da empresa. Ele tem a finalidade de prever as receitas e os custos da empresa.


Basicamente, podemos sintetizar as suas funções em organização de pagamentos e recebimentos, fazer a projeção de sua realização, fazer ajustes com o objetivo de evitar perdas e retirar a empresa do vermelho, bem como planejar investimentos que possibilitem o crescimento (expansão) da empresa.


4 - Fluxo de caixa operacional


O fluxo de caixa operacional faz um levantamento das saídas operacionais da empresa. As saídas operacionais são todas as movimentações do financeiro necessárias para que a empresa continue em funcionamento.


Nessa modalidade de fluxo de caixa, é muito importante que o gestor saiba o que realmente é uma saída operacional para evitar erros em relação à gestão financeira da empresa.



5 - Fluxo de caixa livre


Todos os tipos de fluxo de caixa são de extrema importância para a saúde financeira da empresa. No entanto, o fluxo de caixa livre merece uma atenção especial. O fluxo de caixa livre é o responsável por medir qual o potencial de geração de capital em curto, médio e longo prazo demonstrando o saldo existente em relação ao fluxo de caixa operacional.


Foi por isso que eu disse que o fluxo de caixa livre merecia sua atenção. Ele pode prever qual futuro está reservado para a sua empresa, pagar dívidas e pedir empréstimos, financiamentos ou ampliar o estoque e abrir novas unidades.


Fluxo de caixa: como fazer corretamente


Antes de entender como fazer um fluxo de caixa, é necessário ter em mente que sem disciplina sua empresa não conseguirá ter um equilíbrio financeiro. A disciplina é um fator importantíssimo. Você pode analisar diversas imagens gráficas de fluxo de caixa e baixar as mais variadas planilhas, mas, sem a constância e a veracidade dos registros o esforço, nada valerá a pena.


1. Organize por categorias as movimentações financeiras


A organização é o primeiro passo para que você obtenha o real conhecimento do status do seu fluxo de caixa. Ou seja, se é um fluxo de caixa positivo ou um fluxo de caixa negativo.


Caso você utilize uma planilha de fluxo de caixa, o ideal é que você separe todas as informações por modelo, cor, tipo, tamanho, marca e qualquer outra forma de especificação que faça sentido para o seu negócio. Lembre-se: cada negócio tem suas particularidades e tudo deve ser analisado de forma personalizada.


Se você não tem bem organizadas e categorizadas as informações financeiras da sua empresa, dificilmente saberá os pontos de melhoria para a sua gestão financeira.


A primeira e mais fundamental categorização que você pode e deve fazer é categorizar as contas em ativos, passivos, receitas e despesas.


Resumidamente, suas características sãos as seguintes:


Ativos: Representam o patrimônio da empresa. Exemplo: Imóveis, máquinas, estoques, móveis e investimentos, etc..


Passivos: Representam as contas em que a empresa é devedora. Exemplos: pagamentos aos bancos, fornecedores e obrigações fiscais, etc..


Receitas: São todas as movimentações de entrada no caixa da empresa independente de origem.


Saídas: Na mesma perspectiva das receitas, as saídas são todas as movimentações de saída no caixa da empresa. Exemplos: salários dos funcionários e todos os demais pagamentos.


Lembre-se: a definição das categorias das contas varia de empresa para empresa. 


2. Crie um padrão para o registro das movimentações


Ao saber da necessidade de organizar e categorizar todas as movimentações financeiras no seu fluxo de caixa, agora o ideal é criar um processo interno para essas ações.


Nesse ponto, o interessante é que você crie abreviações e códigos para que não haja o risco de os registros serem feitos de qualquer maneira. Quanto mais detalhadas forem as informações, mais baixas são as probabilidades de erros (aqui na AUGE chamamos erros de Aprendizados. Fique a dica. “Risos”.).


3. Faça atualizações constantes


Sempre digo para os empresários: o sucesso de um saudável fluxo de caixa está na disciplina de sempre realizar as ações necessárias, na disciplina de planejar de fato o negócio e, principalmente, na disciplina da melhoria contínua de todos os setores da empresa.


Crie uma cultura na sua empresa com foco na melhoria contínua. No financeiro, cultivar uma cultura de “análises em tempo real” vai trazer excelentes resultados. Uma gestão estruturada vai ajudar você nesse sentido.


Por meio dessas atualizações é que a sua empresa estará preparada para quaisquer situações e evitará ser “pega de surpresa.”


As informações passadas aqui reafirmaram a importância do fluxo de caixa para o sucesso da sua empresa a médio e longo prazo.


Por isso, comece hoje mesmo a desenhar o seu fluxo de caixa e veja como os resultados da sua empresa serão potencializados.


Clique aqui e acesse mais conteúdos relevantes como este.


Por Antônio Júnior, Especialista em Gestão Estratégica de Negócios e Master Trainer.