Reginaldo Afonso Bobato en beBee em Português, Redatores, Escritores Escritor político-filosófico-poético • Eu mesmo no Face book 6/6/2018 · 1 min de lectura · +400

Consagração curitibana

Consagração curitibana

Oh intocável Curitiba, virgem vestida de negro nos protestos que conclamam a fúria do teu silêncio como teus tímidos sorrisos, um instante de reflexão me faz sentir que quase não sou daqui, sempre fui daqui, teus olhares profundos me dizem que teus mistérios não têm fim, estranha e concebida, amada ou odiada, aflorada, raízes perfeitas que buscam a luz para os pinhais, se tens olhos escuros ou claros são a inocência que procura a aptidão, casais de mãos dadas nas verdejantes equinas ostentam os predicados filosóficos de uma terna simplicidade, são promessas de fé, amor e paixão com estudos que nunca se findam, volta, Curitiba ao seio da sagrada família que o frio chegou e que compõe salmos proféticos de prudência e de cautela, um pequena casa ali, outra acolá, sonha Curitiba toda paranaense em meio aos sotaques que se misturam e te faz ser ainda mais Curitiba, entre avisos meticulosos a música dos poetas surgem em cantos proibidos e enaltecem a alma dos enamorados, e ao sinal do crepúsculo teu corpo cansado volta ao lar pedindo aconchego, vai à ciência clamando por conhecimento de causa, eu impetro em ti Curitiba a ousadia dos melodramas, choro por ti, há tantas lágrimas ocultas, dor, exílio e sofrimento, lamentos, teu laço sombrio é um laço que precisa do Sol. Autor Reginaldo Afonso Bobato

Consagração curitibana

Consagração curitibana

Oh intocável Curitiba, virgem vestida de negro nos protestos que conclamam a fúria do teu silêncio como teus tímidos sorrisos, um instante de reflexão me faz sentir que quase não sou daqui, sempre fui daqui, teus olhares profundos me dizem que teus mistérios não têm fim, estranha e concebida, amada ou odiada, aflorada, raízes perfeitas que buscam a luz para os pinhais, se tens olhos escuros ou claros são a inocência que procura a aptidão, casais de mãos dadas nas verdejantes equinas ostentam os predicados filosóficos de uma terna simplicidade, são promessas de fé, amor e paixão com estudos que nunca se findam, volta, Curitiba ao seio da sagrada família que o frio chegou e que compõe salmos proféticos de prudência e de cautela, um pequena casa ali, outra acolá, sonha Curitiba toda paranaense em meio aos sotaques que se misturam e te faz ser ainda mais Curitiba, entre avisos meticulosos a música dos poetas surgem em cantos proibidos e enaltecem a alma dos enamorados, e ao sinal do crepúsculo teu corpo cansado volta ao lar pedindo aconchego, vai à ciência clamando por conhecimento de causa, eu impetro em ti Curitiba a ousadia dos melodramas, choro por ti, há tantas lágrimas ocultas, dor, exílio e sofrimento, lamentos, teu laço sombrio é um laço que precisa do Sol. Autor Reginaldo Afonso Bobato