Reginaldo Afonso Bobato en Artistas, Músicos e Atores, Profissionais Administrativos, Comunicação e Jornalismo Escritor político-filosófico-poético • Eu mesmo no Face book Hace 4 d · 1 min de lectura · +500

Vivaz como uma máquina

Vivaz como uma máquina

Vivaz como uma máquina

Os intentos dos pensamentos nem sempre condizem com o que a pessoa diz, se os sentimentos não são aflorados, mesmo que uma soma de fatos deve ser considerada para legitimação da palavra, e a realidade deve ser objeto de observação profunda, de forma a enaltecer a conversação sem aparente importância, e o desfecho de causa deve se ater a importância contextual desta articulação, e a concepção atribuir às ações resultantes um intuito maior de cura, e não de afetação psicopatológica com ofensas, ameaças, calúnias, instigações e induções perniciosas , como se estas ocorrências fossem inofensivas, mas causam sérios danos psicológicos e nulidades diversas, inclusive psicossociais, e nem sempre se vê a sabedoria e a inteligência em meio a um burburinho.

As condições para tudo isso engloba, mesmo aparentando acontecimentos simples, fatos complexos, que remonta à moral, ética e aos bons costumes, que mesmo estando na boca de muitos, torna-se difícil seu zelo, pois para isso é preciso coragem mais do que ousadia para relatar a verdade, e ter ciência que é a verdade, de fato.

Os aspectos fazem menção à correlação com episódios insanos, se revelados causam vergonha e constrangimento, mas há critérios para isso, caso contrário gera escárnio e até molestamentos, mesmo que muitos podem vir a cabo por terceiros como resultado desta afetação, posto que todos queremos ser heróis, nem vítimas, nem agressores, o que converge assim um antro de mentiras, sobretudo para se angariar um matrimônio institucionalizado e se manter firme nele, longe da astúcia e da ingenuidade, sendo acessível a informações úteis, mesmo que sejam tecnológicas, e ignorem um pouco a afetividade envolvida, visto que este quadro social também merece valorização e reconhecimento, desde que não deixe a guarda descoberta. Autor Reginaldo Afonso Bobato