Sergio Weinfuter in beBee em Português, beBee en Español, Professores e Educadores Escritor • Editora Biblioteca 24 horas 6 d ago · 4 min read · +700

Um monstro sedento de sangue

Um monstro sedento de sangue

                                     Imagem:  https://fanfiction.com.br/historia/193951/Bloody_Kiss/capitulo/5/



Terra, planeta que nos deu a vida, nos protege durante nossa estadia nela e as condições continuam sempre favoráveis para que esta vida seja garantida para todos os seres viventes que compartilham este maravilhoso refúgio, sejam eles plantas ou animais. Todos se sentem seguros vivendo neste maravilhoso lugar, onde parece que os recursos para nossa sobrevivência são ilimitados. Certo?


Esta definição da terra não poderia estar mais errada! Apesar de todos os que andam por ela não perceberem, sentirem-se confortáveis e seguros, a terra é um ser que respira, da mesma forma que todos os seres que vivem nela. Quase ninguém pensa que está andando sobre um ser vivo, um ser que também precisa respirar e se alimentar para viver.


Com a falta de atenção que o ser humano vem demostrando sobre a terra, ela vem retribuindo e a cada ano que passa, mais catástrofes vem acontecendo em todo o planeta e milhares de pessoas, plantas e animais estão morrendo a cada nova onda de acontecimentos, a cada nova catástrofe.


Mas a terra não é um lugar acolhedor, aconchegante e que pode garantir a vida a todos? Sim, mas ela também é um ser vivente e como todo o ser vivo, tem suas necessidades. Quando perturbada reage da única forma que sabe: enchentes, furacões, ciclones, vulcões, terremotos, maremotos, tornados, deslizamentos de gelo e terra e tantas outras coisas que podem acontecer com o clima enlouquecido. Isso pode levar ao extermínio de todos os seres vivos de um minuto para o outro e o fim da vida na terra.


Não é de hoje que o planeta terra extermina os seres que nele habitam. Segundo o professor Diego Martins (2019) “Na história “recente” da Terra, a contar de 540 milhões de anos atrás, nós tivemos 5 extinções em massa.” Ou seja, antes de nossa era, antes do primeiro homem andar pela terra, já houve mais de uma extinção em massa da vida no planeta.


Segundo o professor a primeira extinção de que se tem notícia foi a “Extinção do Ordoviciano – Ocorrida há 440 milhões de anos, essa extinção foi causada pelo súbito resfriamento da Terra. Naquela época não havia vida fora dos oceanos e o aumento das geleiras fez com que o nível do mar caísse, matando todas as espécies que viviam perto da costa.” (Martins, 2019)


A segunda extinção aconteceu no períodoDevoniano – Ocorrida há 377 milhões de anos, essa extinção foi causada, supostamente, por meteoros e uma refrigeração rápida do clima da Terra. Nessa extinção mais de 80% da vida marinha sumiu.” (Martins, 2019) Como a maior parte da vida na terra ainda era marinha, houve poucos sobreviventes.


Apesar de todos os estragos causados pela terra nas duas primeiras extinções, a vida de alguma forma continuou a prosperar e se recuperou. Mas a terra ainda não havia terminado com sua sede de extermínio venho a “Extinção do Permiano-Triássico – Ocorrida há 251 milhões de anos, essa extinção ocorreu devido a um aquecimento global extremamente rápido, causado pela liberação de metano do fundo dos oceanos e também por grandes erupções. Essa extinção foi a mais severa da história, exterminando com 90% da vida marinha e 70% da vida terrestre.” (Martins, 2019)


Depois deste estrago todo era de supor que a terra daria uma trégua e não maltrataria mais a vida que nela habita. Ledo engano, após uma pausa a terra voltou sua carga de extermínio contra todos os seres vivos e houve outra extinção em massa, a “Extinção do Triássico-Jurássico – Ocorrida há 200 milhões de anos, essa extinção ainda está sem uma explicação mais convincente. Contudo, acredita-se que os vulcões tenham sido os responsáveis. Esse grande extermínio, foi a abertura necessária para que os dinossauros tomassem nosso planeta.” (Martins, 2019)


Mas o reinado destes grandes animais também acabaria. Após a última grande extinção esses animais pré históricos conhecidos pelo genérico nome de dinossauros, eram os senhores da terra e sua dominação do planeta terra terminou na “Extinção do Cretáceo-Paleogeno – Ocorrida há 56 milhões de anos, essa extinção foi causada pelo impacto de um meteoro enorme. Foi esse incidente que exterminou os dinossauros e abriu o espaço necessário para que os mamíferos, incluindo os humanos, pudessem dominar o planeta.” (Martins, 2019)


Mesmo com todas estas extinções anteriormente ocorrida a terra nunca se dá por satisfeita e continua sua empreitada de extermínio a vida. “Há 10 mil anos atrás, a Terra sofreu uma grande glaciação, onde muitos seres foram extintos e, desde aquela época, essa taxa de extermínio vem se mantendo. Acredita-se que estejamos vivendo tempos onde 140 mil espécies são extintas por ano, algo que fica dentro dos limites normais de uma grande extinção.” (Martins, 2019)


Silenciosamente a terra continua exterminando a vida em suas entranhas. Os seres humanos acreditam que são os senhores da terra, mas seu maior predador não está salvo dela. Com o aumento da civilização humana e com a invasão de lugares perigosos para morar, o extermínio da vida na terra continua mais ativo do que nunca e “[...] nos últimos 50 anos, o número de extinções tem (sic) aumentado drasticamente, sendo até 1000 vezes mais rápido do que as outras extinções em massa ocorridas na Terra. Essa diferença gritante pode ser explicada pelo fator humano, afinal as outras grandes perdas de espécie foram ocasionadas por fatores geológicos.” (Martins, 2019)


Com a crescente ignorância dos seres humanos a terra se encaminha para um perigoso período de aquecimento global, onde neste século já tivemos o aquecimento de um grau a mais em todo o planeta e isso desencadeou as mais terríveis tempestades e nevascas. Chuvas torrenciais em uma parte e secas intermináveis em outras. Os mais fortes terremotos e maremotos que os seres humanos presenciaram estão acontecendo nas últimas décadas.


Mesmo com todos os alertas que a terra está nos enviando, boa parte dos seres humanos parecem cegos e não se importam com o que acontece no planeta, a menos que venham a ter prejuízos financeiros. Os governantes que poderiam fazer algo, nada fazem e continuam a devastar o planeta, levado a exploração de seus recursos ao limite. A busca por mais minerais e metais valiosos que é essencial para manter o moderno estilo de vida humana na terra vem estrangulando as entranhas do planeta e ele vem reagindo, mesmo que ninguém se importe com sua reação.


A terra continua sua seleção e a exterminação da vida faz parte dela. Ninguém está seguro, apesar de poucos pensarem sobre isso. “Estudo mostram que, até o final do século, metade da biodiversidade será extinta na Terra. Isso ocorre, pois as mudanças no planeta estão andando mais rápido do que a evolução consegue acompanhar, ou seja, muitos animais não ganham a chance de se adaptarem as mudanças e perecem.” (Martins, 2019) Auxiliados pelo avanço destrutivo dos seres humanos a terra caminha para uma nova grande exterminação da vida. Talvez a pior de todas as extinções que já se presenciou.


Pelos canais de notícias acompanhamos todos os dias manchetes sobre grandes tempestades, tremores de terra, intermináveis incêndios ou grandes inundações e nevascas, onde morrem milhares de pessoas, plantas e animais. Parece que não há mais formas de parar a reação da terra, ela se sacode todos os dias em alguma parte, levando consigo milhares de vidas.


Pode acontecer amanhã ou demorar mais um milênio, mas a terra continuara sua rotina de exterminação da vida. Com o atual crescente aquecimento global ficamos a cada dia mais próximo desta exterminação em massa, […] “que os cientistas estão chamando nossa época de “A Sexta Grande Extinção”. A história da Terra é cheia de extinções, mortes e tragédias, mas talvez nós estejamos vivendo a pior de todas elas.” (Martins, 2019) Pondera o professor.


Hoje enquanto estamos sentados confortáveis em nossas salas de estar, alguém está vivendo o extermínio, sendo arrastados por mais uma das inúmeras catástrofes proporcionadas pela terra e o extermínio a vida segue seu curso normal. Agora a terra é uma mãe, mas amanhã ela pode se transformar em um monstro sedento de sangue e ninguém consegue escapar dele. Igual um cachorro atormentado pelas pulgas a terra começa a se sacudir e quando isto acontece, poucos sobrevivem para contar a história.


Para saber mais:


MARTINS, Diego. A sexta extinção da terra. Disponível em: https://minilua.com/sexta-extinasalo-terra/ Acesso em: 09/05/2019



Sergio Weinfuter 2 d ago · #3

#2 I thank you for the strength you have made to read and share. Thanks.

+1 +1
Debasish Majumder 3 d ago · #2

Great buzz @Sergio Weinfuter! enjoyed read and shared by the help of translation. thank you very much for the buzz sir.

+1 +1
Sergio Weinfuter 6 d ago · #1

Obrigado @Ali 🐝 Anani, Brand Ambassador @beBee pelo compartilhamento. Abraço.

+2 +2