Thiago Smicelato en Política, Relações Internacionais Country Manager • beBee 18/5/2016 · 1 min de lectura · +300

Nem Trump, nem "Brexit": o que tira o sono dos empresários americanos é o Brasil


O Brasil preocupa os empresários norte-americanos. E não é pouco. De acordo com pesquisa do Goldman Sachs divulgada na última sexta-feira (13), o drama do impeachment por aqui já tira o sono dos estadunidenses mais do que uma possível saída da Inglaterra da União Europeia (o chamado "Brexit"), e até de uma eleição do candidato republicado Donald Trump. O temor com relação ao cenário brasileiro fica patente em uma análise cuidadosa das teleconferências de resultados do primeiro trimestre das empresas dos EUA. A General Motors, por exemplo, disse que a incerteza política continua no Brasil, onde os volumes da indústria  automobilística caíram 29% no primeiro trimestre. Já a PepsiCo armou: "O Brasil é um mercado, muito, muito, muito duro. Em termos de fundamentos é um bom mercado, mas recentemente, nos últimos 12 a 18 meses, houve uma série de problemas auto-induzidos no País." 

De acordo com o research do Goldman, ao qual o site MarketWatch teve acesso , desde março de 2015, executivos de empresas com ações que compõem o índice S&P 500 citaram o Brasil 109 vezes em 444 teleconferências de resultados. O número supera tranquilamente o de referências ao "Brexit" (22 vezes) e é uma goleada em cima do risco de que Trump se torne presidente (citado apenas uma vez). Por sua vez, a desaceleração da economia chinesa, pauta em todo mundo, foi citada 188 vezes. A reportagem do MarketWatc, ao analisar o research do Goldman, não ameniza o palavreado ao se referir à crise que o Brasil passa. De acordo com a reportagem, "as frequentes referências ao Brasil em teleconferências de resultados podem ser uma indicação de crescentes preocupações com o declínio do País em direção ao caos."

Leia o original: 

http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/4980733/nem-trump-nem-brexit-que-tira-sono-dos-empresarios-americanos