Thiago Noronha en Engenheiros e Técnicos, Profissionais Administrativos, Compras, Logística e Transporte Engenheiro de Produção 21/2/2018 · 1 min de lectura · 8,1K

Reaprendendo a navegar

Pense comigo,

Você está em um porto, dia lindo, pessoas felizes passam por você e um navio se aproxima. Seu sorriso no rosto, meio de canto, mostra que você está ansioso.

Checando os bolsos com cuidado você procura sua autorização, apenas para confirmar o que já sabia. Você vai ter a oportunidade de viver uma grande jornada neste navio.

Ao contrário das viagens à lazer, esta viagem é diferente. Após um longo desafio com inúmeros marinheiros tão bons quanto você, foi tu o escolhido para fazer parte da tripulação e logo mais vai estar desbravando águas desconhecidas, fazendo aquilo que sabe de melhor: trabalhar.

E como você esperou por isso, não é? Quase a ponto de esquecer como era sentir o cheiro, o balanço do mar ao navegar.

O Navio, era tudo que você esperava ou mais. Pessoas comprometidas, cabines bem confortáveis, equipamentos de ponta e todas essas pessoas prontas para te ajudar e felizes por ter você a bordo.

E começa a sua jornada,

Por anos a fio você fez parte desta tripulação, juntos enfrentaram tortuosas tempestades, avarias no casco, panes no motor, brigas internas, pessoas fora de sintonia com o restante do grupo, piratas, grandes perdas, facções internas e inúmeros momentos terríveis de medo e incertezas.

Mas a equipe em sua maioria conseguiu segurar as pontas e manter o barco no rumo, vivendo também ótimos períodos de paz.

Nesta viagem você construiu um laço com todos a bordo e também como não poderia?A troca de informações e a necessidade de fazer as coisas funcionarem faz disso uma condição natural. Tornando a jornada mais prazerosa e conhecendo ainda mais a história e as estórias de vida de seus companheiros.

Dizem que os anos voam quando vivemos para o mar e com você não seria diferente. Veja só os cabelos brancos aparecendo aqui e ali e com eles a experiência. O novato mal pode se reconhecer ao olhar no espelho, quase um lobo do mar.

E um dia desses de Sol, ao atracar no porto onde você um dia embarcou, chega uma carta do capitão com os dizeres:

"Caro viajante, seus serviços não são mais necessários. Agradecemos a você por tudo! Boa sorte e muito obrigado".

Como muitos momentos em nossa vida o fim sempre chega de modo inesperado e são raras as vezes que recebemos um simples obrigado. Agradeça!

O navio desta vez sai sem você e como todas as coisas que dedicamos vida, lhe toma um pedaço cortando o mar em direção ao horizonte.

E ao contrário do mar, a vida no porto passa como um filme em slow motion, torturando quem ali para para pensar. O tempo antes grande amigo, agora nos aperta como um grande antagonista.

Mas você parou em um porto e esteve em um navio antes, pare e olhe ao redor. Quantos outros barcos estão chegando e saindo o tempo todo? Quantos procuram por pessoas com a metade da sua jornada? Quantos enxergarão seu potencial?

São tantas as experiências de um navegante, que teríamos que gastar pelo menos meia vida para escutar. Você deve ter inúmeros e maravilhoso feitos mostre-os!

O porto é uma parada obrigatória para todos, pois muito tempo no mar pode te fazer esquecer o caminho de volta.

O que não é obrigatório é procurar por outros navios, reaprender a navegar de jeitos novos ou diferentes. Pois uma coisa é certa em todos os navios:

Eles não são nada sem uma tripulação.

Estou buscando meu próximo navio e você?

Sucesso em sua jornada

Reaprendendo a navegar  Fonte: Arquivo pessoal