viviane maciel en Artigos em Português, Comunicação e Jornalismo, Jornalistas Monitoria 18/1/2019 · 1 min de lectura · +200

A DITADURA DA BELEZA

A DITADURA DA BELEZA Hoje, empoderamento e feminismo estão na moda. As marcas e empresas tomaram como causa a diversificação dos valores de beleza. Podemos abrir a revista Cosmopolitan e encontrar uma mulher gorda como modelo ou ligar a televisão á noite no Jornal Nacional e ver uma mulher negra apresentando a previsão do tempo. Porem esses exemplos são apenas algumas exceções, mesmo com toda a força dos movimentos femininos, o conceito de beleza ainda é muito singular.

A mídia continua apresentando à nos, mulheres, um padrão ideal de beleza. Mas como definir ‘’beleza’’? Como dar um significado global a ela? Como dizer que a textura do cabelo que cresce do nosso couro cabeludo não é boa o suficiente? Ou que o tamanho do nariz, da boca, da bochecha que foi geneticamente dado a nos não satisfaz as necessidades sociais? Como pode existir um padrão ideal se todas somos diferentes?

Eu não concordo e não aceito o padrão de beleza das mídias. Eu não concordo e não aceito que seu professor te diga, menina negra dos cabelos cacheados, que não pode ser ancora de telejornal porque seu cabelo chamaria mais atenção que a noticia. Eu não concordo e não aceito que você, Mariana Xavier seja “xingada” de gorda e que ridicularizem o seu corpo nas redes sociais, por tirar uma foto de biquíni. Eu não concordo e não aceito que você, Maria Julia Coutinho, abra o seu facebook e tenha que lidar com ofensas racistas.

Mesmo depois de tantas conquistas ainda devemos a nos mesmas uma representação justa nas mídias. O que vemos hoje é fruto de um passado machista e sexista, passado esse onde, mesmo quando a mulher começou a ter um espaço das mídias, ela não aparecia com protagonista, elas eram moldadas num padrão, tornadas um objeto de desejo masculino. Vamos nos permitir sair desse molde. Vamos parar de exigir padrões de beleza que não precisam ser alcançados. Vamos parar de pensar que há somente um ideal de beleza. Todas temos belezas ideais diferentes.