Wilson Mattos en Oficina da Net, TekZoom, Engenheiros e Técnicos Supervisor de Mecânica 13/10/2016 · 10 min de lectura · +200

TRABALHANDO JUNTOS PARA OBTER MELHORES RESULTADOS !

TRABALHANDO JUNTOS PARA  OBTER MELHORES RESULTADOS    !

INTRODUÇÃO

A maioria de nós entende que trabalhar junto com os outros ajuda nossas vidas e nossos negócios.

Mesmo assim, não conseguimos efetuar as mudanças necessárias. Por quê? Porque a competição está enraizada em nosso ser.

Trabalhar realmente juntos exige não apenas que deixemos de lado os sinais externos de competição, mas também que modifiquemos nossa forma de pensar. Precisamos modificar nossas crenças. Entendo que mudar exige tempo e esforço.

COMPETIÇÃO OU COOPERAÇÃO

Aprendemos a competir desde o início de nossa educação formal. Competimos pela medalha de ouro no jardim de infância, pelo melhor placar nos esportes e pelo melhor salário no trabalho. A competição pode nos estimular a dar o melhor de nós individualmente. Pode também diminuir nossa eficácia quando trabalhamos juntos. Como? Permitindo que nos concentremos no que fazemos de melhor individualmente, o que talvez não seja o melhor enfoque para o grupo.

Um exemplo sério o artilheiro do time de futebol, que nunca deixa outro jogador dar o chute a gol, embora ele também possa não estar conseguindo fazer o gol. Outro é um grupo no qual uma pessoa fala pelos outros, impedindo-os de apresentar suas visões e opiniões.

O problema da competição é que muitas vezes encaramos os membros dos nossos próprios grupos como nossos concorrentes. Em nossa luta para sobressair, colocamos os outros para baixo. Podemos fazer isso segurando informações vitais ou simplesmente não dizendo tudo o que fazemos sobre uma situação. Ou talvez não mostremos a outra pessoa uma técnica especial para trabalhar mais rápido. Simplesmente não sabemos quando desligar o espírito competitivo.

Ao escolher a competição como objetiva em comum, precisamos desenvolver uma nova atitude e algumas novas habilidades, na verdade, é a parte mais fácil. A parte mais difícil é colocá-las em prática. Precisamos desenvolver uma atitude que coloque o objetivo em comum acima do objetivo individual e do respeito pelas ideias dos outros. Precisamos reconhecer que o objetivo em comum também é bom para o individuo. Ao invés de competir uns com os outros, precisamos aprender a apoiar, estimular e ouvir uns aos outros. Precisamos de uma atitude de aprendizado ativo como extensão do saber ouvir. Precisamos aprender a trabalhar juntos.

Depois de desenvolvermos nossa capacidade de cooperar, poderemos reexplorar a competição com segurança. Sim, há espaço para competição cooperativa. O mundo coopera em um padrão global de tempo, mas compete nos métodos de calcular e apresentar esse tempo. Os atletas olímpicos lutam pelo que puderem obter de melhor para si, mas podem treinar juntos e partilhar as técnicas para aperfeiçoamento. Ao invés de colocar os outros para baixo, para que fiquemos por cima, precisamos colocar os ouros para cima, para que possamos chegar juntos ao topo.

Você foi corporativo da ultima vez que trabalhou com os outros?

PORQUE TRABALHAR JUNTOS

Considere esta pergunta vital antes de prosseguir. Qual a sua motivação para se juntar aos outros ou solicitar que os outros se juntem a você?

Desde cedo, os psicólogos aprendem que os grupos se formam para satisfazer às necessidades individuais. Cada pessoa precisa se sentir incluída e valorizada, e ter uma noção de controle sobre seu próprio destino. Quando nos vemos rodeados de pessoas que se importam conosco, temos uma sensação de conforto. Recebemos o apoio emocional de que precisamos (admitamos ou não), sentimo-nos bem quando alguém elogia nossos esforços. Mas tem mais.

Juntos podemos enfrentar situações que relutamos em enfrentar sozinhos.

O próprio conceito de união nos permite desafiar ideias que nos assustam. Quando crianças, pedimos aos nossos pais para entrarmos conosco em um quarto escuro porque, juntos, nos sentimos seguros. Se enfrentarmos um desafio pessoal difícil, podemos pedir a ajuda de um amigo. Isso ocorre especialmente quando lidamos com imagens de autoridade, como o chefe, um tribunal ou o governo. Juntos, diminuímos os riscos e ganhamos apoio.

As ações físicas que não podemos executar sozinhos podem ser executadas com a ajuda de outros. Tirar uma mesa de lugar talvez exija a ajuda de outras pessoas. Existem muitas outras instancias que a ajuda de outras pessoas nos permite fazer algo com maior rapidez ou eficácia.

Considere as habilidades, alguém disse: “Não é preciso um cientista para fazer uma cirurgia no cérebro.” No entanto, é preciso habilidades provenientes do treinamento e da experiência. Quando morávamos em cavernas, talvez tenha sido possível saber tudo sobre tudo. A vida era simples e a sobrevivência era o objetivo principal. Hoje, a vida é complexa e vaga. A gama de habilidades necessárias para construir uma casa moderna esta além das habilidades da maioria de nós. Da mesma forma a oferta de assistência medica total exige as habilidades de muitas pessoas. A complexidade de quase todos os setores demanda habilidades de muitos indivíduos. O trabalho em grupo é simplesmente a única forma de oferecer muitos dos produtos e serviços de hoje.

O trabalho em grupo proporciona crescimento e progresso.

PORQUE VOCÊ TRABALHA JUNTO COM OUTRAS PESSOAS?

APOIO

ESTÍMULO

PARTICIPAÇÃO

AJUDA FÍSICA

HABILIDADES

EXPERIÊNCIAS

CONHECIMENTO

CRIATIVIDADE

CRESCIMENTO

CONQUISTAS

PODER

SEGURANÇA

COMPANHIA

OUTROS MOTIVOS

OBJETIVO

Onde estamos?

Qual o nosso objetivo?

Por quê?

Porque ter objetivos em comum determina o sucesso do grupo.

Sem um consenso nítido e acordado sobre o objetivo almejado, qualquer grupo estará fadado ao fracasso.

O objetivo é a meta a ser alcançada. É o motivo de ser e fazer. Pode-se determinar um objetivo de diversas formas. A forma mais tradicional nos negócios é quando alguém de fora do grupo atribui ao grupo uma tarefa. O grupo não terá a propriedade do objetivo. Ele pode racionalizar sobre sua não participação. Pode até fazer o que lhe dizem para fazer, mesmo sabendo que está errado. Essa obediência maliciosa pode gerar resultados insatisfatórios.

À medida que os grupos desenvolvem maiores habilidades e demonstram sua capacidade de lidar com maiores responsabilidades, vale a pena romper com a tradição.

A seleção do objetivo a ser realizado é o ponto de partida crítico para o trabalho em grupo.

É importante usar o objetivo para manter o grupo motivado e unido.

Use um objetivo nítido para obter melhores resultados de um trabalho em grupo.

DIVERSIDADE

A diversidade é o que nos torna diferentes uns dos outros. É a chave para a discordância. Pode causar conflitos e, se não for tratada adequadamente, pode ser dolorosa.

A diversidade também pode ser uma tremenda força propulsora da criatividade. Cada diferença pode ser a fonte de um ponto de vista diferente, uma fonte de informações adicionais.

A diversidade em termos de educação, treinamento, experiência, posição e papel atual também devem ser levados em consideração.

A parte mais difícil de trabalhar juntos é aprender a valorizar a diversidade. Precisamos aprender a aceitar e até buscar as diferenças, ter respeito mutuo uns pelos outros e concentrar-nos em contribuir para um objetivo comum.

Para valorizar a diversidade:

1. Seja paciente e estimule a participação de todos.

2. Ouça com atenção. A recompensa será a melhor compreensão. A diversidade pode estimular novas ideias, se buscarmos os aspectos positivos.

3. Lembre-se sempre de que você é a minoria de um. Ninguém tem as mesmas diversidades que você.

4. Concentre-se nas habilidades, não nas deficiências ou incapacidades.

5. Usem exemplos que mostrem a compreensão dos ouvintes e de seu ambiente. Isso ajuda os outros a se sentirem incluídos.

COMUNICAÇÃO

A comunicação é o centro dos relacionamentos com as outras pessoas. Nenhuma sociedade teve tantos veículos de comunicação e, ainda assim, fracassou tanto. Desenvolvemos nosso estilo de comunicação pessoal em torno da competição que permeia nossas vidas.

Para que as pessoas trabalhem juntas, precisamos conseguir partilhar nossas ideias e opiniões sem nos machucar nos momentos de raiva. O processo começa pelo conhecimento dos elementos da comunicação em grupo positiva.

-SABER OUVIR- É tentar entender. É a chave para a compreensão, pois permite a recepção da informação. Normalmente, é a parte mais fraca de nossas habilidades comunicativas.

Saber ouvir é vital para trabalharmos juntos. Se não ouvimos totalmente, deixamos de observar fatos, interpretamos mal os motivos, promovemos a desconfiança. Ouvir total e completamente é tentar entender. Ouvir total e completamente prepara você para crescer em compreensão e pode preparar os outros para ouvi-lo. É o alicerce para o desenvolvimento da confiança necessária ao trabalho em grupo.

-DIÁLOGO- É buscar ser ouvido e compreendido. Permite-nos transmitir nossas ideias aos outros sem rejeitar suas ideias. O motivo subjacente a nossa comunicação tem grande impacto sobre os resultados dela.

Para obter o máximo do trabalho em grupo, nossa motivação precisa ser modificada, permitindo que nos concentremos na troca de ideias e informações.

O dialogo também proporciona uma mudança, exige a substituição da tentativa de persuasão para a partilha, a fim de promover a compreensão.

O dialogo promove a participação de todos os membros do grupo buscando suas diferenças. O conflito criado através do dialogo promove a criatividade. A compreensão proporcionada pelo dialogo pode levar ao consenso.

Quando o dialogo substitui a discussão, temos o intercambio de conhecimentos, não o desconforto. A criatividade e o consenso do dialogo ajudam-nos a os propósitos definidos com base na sinergia do trabalho em conjunto.

CONFLITO

É o reconhecimento de nossas diferenças. Permite-nos obter insights e consiste em um dos maiores estímulos a criatividade.

O conflito faz nossos corações se acelerarem, as mãos suarem e causa certo desconforto.

A maioria de nós não gosta de conflitos. São reações que tememos. Aprendemos que estar em conflito com outra pessoa pode ser doloroso.

O conflito pode nos ajudar a ver novas oportunidades. Pode nos ajudar a aperfeiçoar nossos conhecimentos, nossas habilidades e a forma de fazer as coisas. É um estimulo a criatividade ao motivo para a criação de novos produtos e serviços. É o nosso futuro.

O conflito é simplesmente o reconhecimento e a expressão de nossas diferenças.

Podemos ficar surpresos quando outra pessoa expressa uma opinião das nossas.

É nesse ponto que podemos ganhar ou perder. Para ganhar os benefícios do conflito, precisamos controlar nossas respostas emocionais o tempo suficiente para determinar a diferença. A compreensão da diferença, e não o que é certo ou errado abre as portas à mudança.

CONFLITO

RESULTADO OU AÇÃO

Onde você está X Onde você quer estar

Movimento

O que você sabe X O que você quer saber

Aprendizado

O que você quer X O que outra pessoa quer

Decisões

Competição X Domínio de mercado

Criatividade

CRIATIVIDADE

É o surgimento de uma nova ideia. É o resultado de ideias conflitantes em constante luta.

Muitas pessoas acham que a criatividade simplesmente acontece. Mas frequentemente a criatividade é planejada. É o resultado do empenho, da cooperação e da comunicação.

A chave para se tornar criativo é romper com as regras que compõem o nosso raciocínio atual.

Ao conversar com os outros, você pode ouvir novos pontos de vista.

Trabalhar juntos dá margem à oportunidade de receber ideias que diferem das suas. Optando por trabalhar dessa forma regularmente, você aumenta suas chances de desenvolver pensamentos criativos.

No trabalho em grupo, existem diversas técnicas que estruturam a interação para estimular a criatividade.

Essas técnicas integram as partes intuitiva e lógica do cérebro humano, a fim de ajudar a superar os obstáculos à criatividade.

Tornar-se criativo é resultado de preparação, da pratica e do empenho.

CONSENSO

É a aceitação mutua da nova criação. É um acordo para aceitar a nova ideia.

Uma diferença significativa entre o trabalho em grupo e o trabalho individual é o método de tomada de decisões.

No trabalho em grupo, as decisões precisam ser tomadas por consenso. A palavra consenso significa aceitar voluntariamente o que foi planejado, ou um curso em ação, sentir juntos, de forma unânime.

O consenso proporciona a sensação de propriedade das decisões que foram tomadas. A cooperação e o comprometimento florescem com base no consenso.

ETAPAS:

-Reconhecer a oportunidade ou problema.

-Envolver todos os membros do grupo.

-Avaliar cada alternativa.

-Selecionar uma alternativa.

-Implementar a decisão do grupo.

Chegar a uma decisão por consenso é um sucesso. Conseguir chegar a um consenso de forma rápida e repetida melhora sua capacidade de trabalharem grupo. É um sinal de trabalho árduo, mente aberta, e um investimento de tempo e esforço necessário pra desenvolver a confiança.

CONFIANÇA

É o baluarte da segurança, que permite ás pessoas correrem riscos em relação às outras a fim de:

-Ouvir sem ficar na defensiva

-Dialogar sem agredir

-Discordar sem ofender

-Criar sem cair no ridículo

-Aceitar sem perder

Com confiança, todos os elementos da comunicação tornam-se possíveis. Sem confiança, a comunicação baseada na compreensão mútua não pode se concretizar.

O Alicerce da comunicação produtiva é a confiança. Quanto mais aumenta a confiança, mais as pessoas ficam abertas a maiores riscos, partilham ideias pouco usuais e extravagantes sem medo de criticas ou do ridículo. Arriscando se a atitudes audaciosas sem medo de serem punidas pelo fracasso.

Em suas raízes, a confiança é uma emoção. É a sensação de segurança em relação à outra pessoa ou ao grupo. Somos livres para sermos nós mesmos com as pessoas em que confiamos.

A confiança também é uma decisão de se comprometer e aceitar as consequências. A decisão de confiar pode superar as situações ou experiências passadas e permitir que tenhamos grande satisfação.

A confiança faz mais ainda. Estimula o processo de comunicação como um todo. Possibilita o trabalho em grupo.

FORMAÇÃO DOS GRUPOS

Os grupos são formados para realizar objetivos específicos. Se não houver objetivos, não há motivo para formar o grupo.

Alguns grupos são formados para o aperfeiçoamento pessoal de seus membros.

CRESCIMENTO DOS GRUPOS

Os grupos normalmente passam por etapas distintas, à medida que se desenvolvem e buscam a realização de seu objetivo.

A formação começa quando os grupos se reúnem. Durante esta etapa, o enfoque do grupo precisa se definir nitidamente um objetivo para o grupo.

A tempestade começa quando a frustração se instala. Na medida em que vão sendo oferecidas abordagens diferentes, a tensão e a competição podem levar a discussões.

A normalização ocorre quando os membros começam a se entender. A coesão do grupo aumenta na medida em que cada membro começa partilhar abertamente suas ideias e a aprender a trabalhar em grupo.

O desempenho é o objetivo do grupo. Quando as pessoas realmente trabalham juntas, o resultado é uma conquista. Concentram-se em partilhar o que sabem, apoiando-se e modificando-se construtivamente de modo a aperfeiçoar o desempenho do grupo.

PAPÉIS DO GRUPO

Dentro de um grupo, é necessário haver vários papeis, a fim de facilitar a realização dos objetivos do grupo.

O facilitador ajuda o grupo a realizar seus objetivos, acrescentando e estruturando a comunicação e o processo.

O facilitador tem como função eliminar as dificuldades ou obstáculos do caminho do grupo, facilitando o cumprimento de seu objetivo. Em geral o facilitador esta concentrado na proposta do grupo; o grupo concentra-se em concretizá-lo e o facilitador preocupa-se com o processo que usarão.

O líder der um grupo define o rumo que o grupo vai tomar a dá exemplo a ser seguido. Esta pessoa deve vir de dentro do grupo à introdução de um líder que não faça parte do grupo gera uma hierarquia que reprime a interação aberta e a confiança.

A liderança é uma exigência inquestionável para o sucesso. Os lideres criam e articula uma visão que proporciona uma direção comum para unir as pessoas que irão trabalhar juntas.

Os lideres não operam em vácuo. A liderança não é a gerencia que toma as decisões e orienta os outros a implementá-las.

Os lideres buscam ativamente a participação dos outros membros. Os lideres tem a habilidade de estimular a participação dos outros e dar-lhes autonomia para tomar decisões e atitudes.

As pessoas:

-Ouvem o que seus lideres dizem

-Veem o que seus lideres fazem, se houver diferenças farão o que os lideres fizerem.

Todos nós temos oportunidade de liderar nossos grupos de trabalho dando exemplos que ajudem as pessoas a trabalhar juntas.

O membro do grupo participa da concretização do objetivo do grupo através da integração de suas técnicas e experiências com os outros membros.

DELEGAÇÃO DE PODER

O poder, em um mundo competitivo, baseia-se no domínio ou controle. A delegação de poder baseia-se em um relacionamento de compreensão mutua, que proporciona benefícios às duas partes.

A delegação de poder começa com um acordo mútuo. Este acordo deve incluir não apenas uma definição do que deve ser realizado, mas uma nítida compreensão dos limites operacionais. As expectativas e as fronteiras são mais bem definidas usando-se o dialogo para se chegar a um consenso.

A delegação de poder é a forma de eliminar o medo em uma organização e estimular as pessoas a usar todas as suas habilidades e energias em prol do sucesso mutuo. Nada revitalizará mais uma organização do que indivíduos energizados e grupos trabalhando juntos.

RECOMPENSAS

Para estimular as pessoas a trabalharem juntas, é preciso haver um sistema de recompensas adequado.

A competição pode ocasionar a retenção das informações e a humilhação dos outros em prol do nosso sucesso profissional.

Cada grupo é composto de pessoas com experiência variada, com habilidades variadas e com níveis de instrução variados. Um sistema que encoraje o trabalho em conjunto precisa abordar essas diferenças.

Recompense os grupos, não os indivíduos. É a única forma de estimular o trabalho em grupo.

Ofereça oportunidades para que cada pessoa afete e melhore sua própria remuneração da seguinte forma:

-Estimulando os membros do grupo a obter conhecimentos e habilidades que agreguem valor ao grupo.

-Aceitando suas contribuições a fim de garantir o incentivo e participação pessoal.

Um sistema de recompensa que empregue esses princípios reforçará o conceito de trabalho de grupo.

RECONHECIMENTO

Assim como as recompensas, o reconhecimento é muito importante no sentido de estabelecer a direção que as pessoas vão tomar.

Para estimular o trabalho em grupo, cada membro receber ou ter a oportunidade de receber reconhecimento igual.

O local para o reconhecimento é o próprio grupo. Os membros do grupo estão mais bem posicionados para saber o verdadeiro valor da contribuição de um individuo.

Existem nitidamente alguns reconhecimentos mais valorizados por custar mais. Seu custo não é monetário, mas exigem que cada membro dê uma parte de si. São eles:

-Aceitação

-Estimulo.

-Oportunidade de ser ouvido.

-Honestidade.

-Critica construtiva.

-Ajuda.

-Um sincero obrigado.

Esses reconhecimentos especiais são o selo cotidiano que mantém os grupos trabalhando juntos.

CONCLUSÃO

Mostramos uma forma de trabalhar em grupo na qual cada pessoa assume a responsabilidade pelo seu próprio trabalho. Os lideres indicam a direção que guia uma empresa, mantendo-se ao tempo flexível as mudanças que ocorrem ao seu redor.

Não existe uma forma certa de se administrar uma empresa. As melhores empresas usam conceitos atuais como os descritos neste artigo. Não importa mais quem lidera ou quem segue o líder, pois todos estão caminhando em uma mesma direção. As contribuições são reconhecidas. Ao invés de lutarem uns contra os outros, estamos nos estimulando mutuamente.

As melhores empresas transformam:

A. Competição em Cooperação.

B. Administração em Liderança.

C. Controle em Energização.

D. Anarquia em Objetivo.

E. Medo em Confiança.

F. Foco em si mesmo e Foco no Produto e no Cliente.

G. Socorro em Prevenção

H. Conflito em Criatividade.

Não espere o plano perfeito.

Uma viagem de milhares de quilômetros começa com o primeiro passo.

Por Wilson Mattos